ISSN 1806-9312  
Quarta, 17 de Julho de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
329 - Vol. 68 / Edição 1 / Período: Janeiro - Fevereiro de 2002
Seção: Artigo Original Páginas: 81 a 85
Refluxo laringofaringeano: estudo prospectivo correlacionando achados laringoscópicos precoces com a pHmanometria de 24 horas de 2 canais
Autor(es):
O. Marambaia 1,
N. A. Andrade 2,
D.G. Varela 3,
M.C. Juncal 3

Palavras-chave: refluxo, pHmetria, laringoscopia, laringite, disfonia, tosse.

Keywords: reflux, pHmetry, laryngoscopy, laringitis, hoarseness, cough.

Resumo: Introdução: Manifestações laríngeas do refluxo gastro-esofágico são problemas cada vez mais comuns. Estudos revelam alta associação com sensação de "globus", rouquidão crônica e com tosse crônica. Seu diagnóstico e tratamento diferem da clássica doença do refluxo gastro-esofágico. Os achados à endoscopia laríngea de hiperemia e edema de estruturas glóticas, espessamento do espaço interaritenóideo, granulomas, pólipos, edema de Reinke, estenose subglótica sugerem uma investigação diagnóstica completa através da pHmanometria de 24 horas, exame de maior sensibilidade e especificidade. Objetivos: correlacionar achados clínicos e laringoscópicos precoces sugestivos de refluxo gastro-esofágico com resultados da pHmanometria de 24 horas. Avaliar terapia medicamentosa e modificações dietéticas. Forma de estudo: clínico prospectivo randomizado. Método: 61 pacientes adultos com queixas crônicas: tosse seca, "globus", sialorréia, disfonia, pigarro, halitose e engasgos. Foram excluídos pacientes com outras patologias de vias aéreas. Endoscopia laríngea descartava aqueles que apresentassem lesões laríngeas mais avançadas. Encaminhamento à pHmanometria e iniciado tratamento clínico. Resultados: 83,6% apresentaram refluxo patológico. Sintomas mais freqüentes: disfonia (72,5%), pigarro (60,8%), tosse (29,4%), "globus" (23,5%) e sialorréia (19,6%). Associação de sintomas: dois (67,4%); três (41,2%) e quatro (21,5%). 49 pacientes iniciaram tratamento com omeprazol (20 mg) e dieta: 83,7% cursaram com melhora dos sintomas após 6 meses. Em 95,9% dos pacientes tratados houve melhora laringoscópica. Conclusões: Houve uma correlação importante entre história clínica e endoscopia laríngea com achados à pHmanometria de 24 horas. Outros estudos poderão fortalecer a telescopia laríngea para o diagnóstico do refluxo laringofaríngeo e seu acompanhamento. É necessária abordagem multidisciplinar, além de um aumento do grau de suspeição do especialista.

Abstract: Introduction: Laryngeal manifestations of gastroesophageal reflux are becoming increasingly common. Studies reported an increased relation between the "globus" sensation, chronic hoarseness and cough. Its diagnosis and treatment is different from that of the classic gastroesophageal reflux disease. Laryngeal endoscopic findings of glottis hyperemia and edema, thickening of the interarytenoidal space, granulomas, polyps, Reinke's edema and subglottic stenosis suggest a comprehensive diagnostic investigation with 24-hour pHmetry, a test of high sensitivity and specificity. Objectives: To correlate clinical and early laryngoscopic findings indicative of gastroesophageal reflux with the 24-hour pHmetry results. Assess drug therapy and dietetic modifications. Study design : prospective randomized clinical study. Method: 61 adult patients with chronic complaints: dry cough, "globus", sialorrhea, dysphonia, throat clearing, halitosis and choking. The patients with other pathologies of the airways were excluded. Laryngoscopy discarded those subjects with advanced laryngeal injuries. Patients were then referred to pHmetry and began clinical treatment. Results: Eighty-three point six percent presented pathological reflux. The most common symptoms reported were: hoarseness (72.5%), throat clearing (60.8%), cough (29.4%), "globus" (23.5%) and sialorrhea (19.6%). Combination of symptoms: two (67.4%); three (41.2%) and four (21.5%). Out of the total, 49 patients were initially treated with Omeprazole (20 mg) and diet: 83.7% had improvement of symptoms after six months. A percentage of 95.9 percent of the treated patients had improvement in laryngoscopy. Conclusions: There was a significant correlation between the clinical history and laryngoscopy findings and 24-hour phmetry Additional studies may strengthen laryngeal telescopy for the diagnosis of laryngopharyngeal reflux and its follow-up. It demands a multidisciplinary approach and increased clinical suspicion of specialists.

1 Prof. Assistente da Cadeira de ORL da Escola de Medicina e Saúde Pública / Prof. Associado da Residência de ORL da Santa Casa da Misericórdia da Bahia.
2 Chefe do Serviço de Otorrinolaringologia da Santa Casa da Misericórdia da Bahia, Prof. Assistente da Cadeira de ORL da Escola de Medicina e Saúde Pública.
3 Otorrinolaringologista da Santa Casa da Misericórdia da Bahia.

Trabalho realizado pelo Serviço de Otorrinolaringologia e Cabeça e Pescoço da Santa Casa da Misericórdia da Bahia e Instituto de Otorrinolaringologia Otaviano Andrade (INOOA) - Hospital Santa Izabel, Salvador, Bahia, Brasil.

Endereço para correspondência: Praça Almeida Couto s/n, Hospital Santa Izabel, INOOA, CEP 40050-410, Salvador Bahia, Brasil. Tel: (0xx71)326-0006/0260, (00xx71)242-0796; Fax: (0xx71)241-2623 - E-mail: inooa@terra.com.br / dgvarela@bol.com.br / omarambaia@borl.com.br

Dados preliminares apresentados no 35o Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia - outubro/2000 - Natal.

Artigo recebido em 13 de março de 2001. Artigo aceito em 10 de outubro de 2001.

Introdução

As manifestações laríngeas do refluxo gastro-esofágico são problemas cada vez mais encontrados em nosso meio13,20,27. Estudos recentes revelam a sua associação com 25 a 50% dos pacientes com sensação de "globus"32, com mais de 80% dos pacientes com queixa de rouquidão crônica6,17 e com 10 a 20% dos pacientes com tosse crônica15,16, 21,29.

O refluxo laringofaringeano11,13,14 tem características peculiares, guarda semelhanças com o refluxo de amplitude gastro-esofágica, porém apresenta pontos diferentes desde a própria fisiopatologia até respostas ao tratamento1. Ele acontece não apenas no período noturno, mas também durante o dia na posição ereta e de forma intermitente. Nele há acometimento principal do esfíncter esofagiano superior24. Sua apresentação, via de regra, faz-se através de sintomas inespecíficos como rouquidão11,15, disfagia, sensação de "globus", sialorréia, tosse seca23, engasgos21,24,29.

Menos da metade dos pacientes podem apresentar queixas gástricas ou esofágicas e a endoscopia digestiva alta pode não revelar sua existência em até 50% dos casos15,10. Para a efetividade da conduta terapêutica clínica inicial, além das medidas dietéticas deve-se incluir o uso de bloqueadores de canal de prótons13,17. A resposta ao tratamento clínico devidamente conduzido dará subsídios para a decisão da necessidade ou não de intervenção cirúrgica25. A opção pela cirurgia ganha cada vez mais simpatizantes, devido aos bons resultados relatados, à crescente refratariedade ao uso de medicamentos e à necessidade de terapia por tempo prolongado12,25,26.

A endoscopia laríngea, associada quando possível à estroboscopia, geralmente é o primeiro exame solicitado pelo otorrinolaringologista. Ao achado de alterações como hiperemia do espaço interaritenóideo ou lesões de pregas vocais como granulomas, pólipos, Edema de Reinke, estenose subglótica, faz-se importante uma investigação diagnóstica mais completa. A pHmetria de 24 horas com dois ou três canais associada à manometria é o que apresenta melhor sensibilidade e especificidade5,14,31,32. Patologias associadas como Divertículo de Zencker e Carcinoma Laríngeo4,9 não podem ser esquecidas no diagnóstico diferencial.

O refluxo gastro-esofágico com repercussões laringofaringeanas é uma patologia freqüente, porém ainda subdiagnosticada16,27. O especialista, ao deparar-se com pacientes portadores de queixas laringológicas crônicas sem melhora aos tratamentos convencionais, deve obrigatoriamente incluir dentre suas suspeitas diagnósticas o refluxo laringofaringeano.

O diagnóstico correto e precoce alertará o paciente e o médico sobre os potenciais prejuízos a médio e longo prazo8,11,17,18 e a necessidade de tratamento seja ele clínico ou cirúrgico, tentando-se desta forma evitar novos episódios de laringite e até o surgimento de metaplasias e neoplasias do trato aéreo e digestivo3,25,26.

Material e Método

Trata-se de um estudo prospectivo onde foram incluídos 61 pacientes adultos (maiores de 18 anos), residentes em Salvador, triados em consultório por um único médico, entre o período de janeiro/1998 a julho/2000. Necessitavam apresentar queixas crônicas (maior que 3 meses) como tosse seca, "globus", sialorréia, disfonia, pigarro, halitose e engasgos.

Após a triagem inicial, aqueles pacientes com história, exame físico ou nasofibroscopia revelando alterações nasossinusais eram eliminados do estudo, bem como os portadores de hipotiroidismo e tabagistas. Num segundo momento os participantes do estudo foram submetidos à endoscopia laríngea. Aqueles que possuíssem achados como espessamento do espaço interaritenóideo; hiperemia e/ou edema de aritenóides; hiperemia e/ou edema ou espessamento de pregas vocais; estase salivar em seios piriformes; hiperemia de epiglote ou hipofaringe continuariam no estudo. Outras patologias benignas da laringe, como cistos, pólipos, Edema de Reinke, granulomas e estenose subglótica, foram eliminados.

Todos os pacientes foram submetidos à pHmanometria de dois canais por 24 horas, realizada por uma única gastroenterologista. Inicialmente, o esfíncter esofagiano inferior era localizado através de manometria esofágica computadorizada e posteriormente eram posicionados dois sensores de pH, um 20cm acima do esfíncter esofagiano inferior e outro, a 5cm.

Os resultados entre os achados da pHmanometria de 24 horas e exame laringoscópico eram comparados e a partir de então uma decisão terapêutica conjunta adotada. Os pacientes com diagnóstico firmado de refluxo gastro-esofágico iniciavam tratamento com medicação bloqueadora de canais de prótons (omeprazol) associada à mudança de hábitos alimentares. A partir de então, duas reavaliações trimestrais eram realizadas. Nelas, foram comparadas freqüência e intensidade de sintomas prévios com os atuais. Novo exame endoscópico também foi considerado como critério de melhora ou piora.

Resultados

Considerou-se uma amostra inicial composta por 61 pacientes sintomáticos que atendessem aos critérios de inclusão, tendo o mais jovem 26 anos e o mais velho 72 anos e sendo a média de idade de 48,44 anos. Houve um predomínio feminino de 35 (57,37%).

Cinqüenta e um pacientes (83,6%) apresentaram exame compatível com refluxo gastro-esofágico patológico, segundo os critérios de Johnson e De Meesters, sendo que 36 deles (73,4%) apresentavam caráter intermitente do refluxo. Um dos pacientes era portador de divertículo de Zencker (1,96%) e outro de megaesôfago grau I (1,96%). Seis pacientes apresentaram refluxo gastro-esofágico fisiológico (9,8%), o qual não levaria a sintomas laríngeos. Quatro (6,6%) apresentaram exame dentro da normalidade.

Dos sintomas associados com os achados à laringoscopia, mereceram destaque a disfonia, presente em 37 casos (72,5%), o pigarro em 31 (60,8%), a tosse em 15 (29,4%), o "globus" em 12 (23,5%) e a sialorréia em 10 (19,6%). Dos 51 pacientes, 32 (67,4%) apresentavam dois sintomas associados; 21 (41,2%), três sintomas e 11 (21,5%) compartilharam de quatro sintomas.

Os dois pacientes identificados como portadores de divertículo de Zencker e megaesôfago foram descartados do acompanhamento do estudo. Os 49 casos restantes iniciaram tratamento medicamentoso com bloqueador de canais de prótons (omeprazol) associado a orientações para mudança de hábitos alimentares.

Ao final da segunda avaliação trimestral, tomando-se em consideração um novo exame de endoscopia laríngea e os relatos de mudança de intensidade e freqüência dos sintomas em relação aos inicialmente coletados, houve melhora da sintomatologia em 41 pacientes (83,7%) e manutenção ou piora em 8 pacientes (16,3%). Em 47 pacientes (95,9%) houve melhora endoscópica (comparação realizada por mesmo examinador).


Gráfico 1. Faixa etária da amostra inicial



Gráfico 2. Resultados pHmanometria 24 horas



Gráfico 3. Sintomas mais comuns refluxo laringofaríngeo - 51 pacientes



Gráfico 4. Número de sintomas associados ao refluxo laringofaringeano



Gráfico 5. Avaliação após 6 meses tratamento clínico


Discussão

Os achados do presente estudo sugerem que uma anamnese bem sedimentada, aliada a achados endoscópicos laríngeos sugestivos de refluxo laringofaríngeo têm uma grande chance de correlação com alterações patológicas à pHmetria (83,6%). Contudo o exame endoscópico laríngeo não conseguiu estabelecer uma gradação de gravidade do grau do refluxo, problema identificado por alguns autores em seus trabalhos13.

Devido à endoscopia digestiva alta (EDA) não ser um exame sensível para o refluxo laringofaríngeo, optou-se pela comparação direta entre a telescopia laríngea associada à anamese com a pHmetria de 24 horas com dois canais e manometria, fato este corroborado pela alta percentagem de correlação encontrada (83,6%). Na prática clínica a solicitação inicial da EDA poderá ser válida devido ao seu menor custo2,3,13.

Outro dado importante desta amostra foi o encontro de determinados sintomas associados ao refluxo laringofaringeano: disfonia (72,5%), pigarro (60,8%), tosse (29,4%), "globus" (23,5%) e sialorréia (19,6%). Além disso, cerca de 62,7% dos pacientes apresentavam mais de três sintomas associados, evidenciando a importância mais uma vez da anamnese na construção da suspeita clínica1,8,10,12.

O adequado diagnóstico de refluxo gastro-esofágico com repercussões laríngeas necessita de tratamento específico8,19. De acordo com estudos recentes, a adoção de hábitos alimentares saudáveis associados ao uso de medicamentos bloqueadores do canal de prótons alcançam grande sucesso terapêutico inicial. Os pacientes do estudo apresentaram melhora sintomatológica importante (83,7%), o que encontra-se de acordo com alguns trabalhos já publicados6,8,22,23, com destaque para os achados de Bauman2. Os oito pacientes (16,3%) que não responderam ao tratamento clínico inicial seriam reavaliados, novamente em três meses, nestes o aumento na dose da medicação ou associação de outras drogas, bem como a opção cirúrgica deverão ser analisadas.

Os conhecimentos sobre refluxo laringofaríngeo encontram-se em evolução, desde o seu diagnóstico até seu tratamento. Hoje sabe-se que há alterações detectadas ao exame histológico que não são revelados à endoscopia e à pHmetria de 24 horas13. Há autores que questionam a necessidade de exames sofisticados para a condução do refluxo gastro-esofágico e preferem o uso empírico de drogas como teste terapêutico e como ferramenta propedêutica7,10,12. A transposição destas terapêuticas para o refluxo laringofaríngeo ainda não estão sedimentadas, contudo, claro que ao não se dispor de meios adequados para uma completa investigação, pode-se optar por se iniciar o tratamento19.

Estudos mais complexos com amostras maiores e de preferência com um grupo controle fornecerão resultados mais fidedignos. Contudo, é lícito supor que pacientes sem achados otorrinolaringológicos outros que as alterações laríngeas de hiperemia e/ou edema de aritenóides, epiglote e hipofaringe, espessamento do espaço interaritenóideo, ou ainda, hiperemia e/ou edema e espessamento de pregas vocais à endoscopia e que apresentem queixa de disfonia, pigarro, tosse, sensação de "globus" ou sialorréia de caráter crônico, sejam objeto de investigação mais acurada, tendo em vista a sugestiva associação entre eles e a doença do refluxo gastro-esofágico.

Conclusão

Há uma estimativa de que cerca de menos da metade dos pacientes com sintomas otorrinolaringológicos1,16 do refluxo gastro-esofágico são submetidos à correta investigação diagnóstica através da pHmanometria esofágica com sensor duplo ou triplo, seja por questões econômicas ou por insuspeição.

A história clínica do paciente aliada à endoscopia laríngea, de preferência com estroboscopia, ao revelarem achados sugestivos de refluxo e sendo afastadas causa infecciosas, nasossinusais, hipotiroidismo e tabagismo merecem investigação adequada27. A endoscopia laríngea tem ganhado nos últimos anos parâmetros mais objetivos para a avaliação do grau de hiperemia, edema e lesão das estruturas glóticas e supra-glóticas. Isto torna-se importante para se tentar utilizá-la como um meio propedêutico para o diagnóstico inicial e acompanhamento das respostas às terapias clínicas ou cirúrgicas estabelecidas, além do controle do refluxo laringofaríngeo, mesmo quando não se dispuser da pHmetria de 24 horas e manometria.

O correto diagnóstico poderá trazer uma melhora na qualidade de vida do paciente e a uma prevenção de complicações ainda mais nocivas ao organismo já doente, sejam elas benignas17,18 ou malignas5,9. Daí a importância do acompanhamento multidisciplinar com gastroenterologistas, nutricionista e psicólogos.

A investigação desta patologia, que devido ao seu não-reconhecimento foi tachada várias vezes como distúrbio psicológico por alguns, pode ser hoje diagnosticada, acompanhada e bem tratada. Este estudo confirma achados da literatura internacional1,2,16,20,27,28, contudo requer ainda uma amostra maior de casos e a utilização de estudos epidemiológicos mais complexos, sejam eles populacionais ou experimentais.

Referências Bibliográficas

1. ALDOORI, M.I., BAIRD, R.N. - Local neurological complication during carotid endarterectomy. J Cradiovasc Surg 29:432-6, 1988.
2. BALLOTA, E.; GIAU, G.; RENON, L. et al. - Cranial and cervical nerve injuries after carotid endarterectomy: A prospective study. Surgery 125:85-91, 1999.
3. BORGES, L.F.; HEROS, R.C.; DEBRUN, G. - Carotid body tumors managed with preoperative embolization. J Neurosurg 59:867-70, 1983.
4. FORSSEL, C.; KITZING, P.; BERGQVIST, D. - Cranial nerve injuries after carotid artery surgery. A prospective study of 663 operations. Eur J Vasc Endovasc Surg 10:445-9, 1995.
5. HALLET, J.W.; NORA, J.D.; HOLLIER, L.H.; CHERRY, K.J.; PAIROLERO, P.C. - Trends in neurovascular complications of surgical management for carotid body and cervical paragangliomas: A fifty-year experience with 153 tumors. J Vasc Surg 7:284-91, 1988.
6. HANS, S.S.; SHAH, S.; HANS, B. - Carotid endarterectomy for high plaques. Am J Surg 157:431-5, 1989.
7. HERTZER, N.R.; FELDMAN, B.J.; BEVEN, E.G.; TUCKER, H.M. - A prospective study of the incidence of injury to the cranial nerves dg carotid endarterectomy. Surg Gynecol Obstet 151:781-4, 1980.
8. IMPARATO, A.M.; BRACCO, A.; KIM, G.E.; et al. - The hypoglossal nerve in carotid arterial reconstruction. Stroke 3:576-8, 1972.
9. LAMURAGLIA, G.M.; FABIAN, R.L.; BREWSTER, D.C. et al. - The current surgical management of carotid body paragangliomas. J Vasc Surg 15:1038-45, 1992.
10. LEES, C.D.; LEVINE, H.L.; BEVEN, E.G.; TUCKER, H.M. - Tumors of the carotid body. Am J Surg 142:362-5, 1981.
11. LEONNETI, J.P.; DONZELLI, J.J.; LITTOOY, F.N.; FARREL, B.P. - Perioperative stratrgies in the management of carotid body tumors. Otolaryngol Head Neck Surg 117: 111-5, 1997.
12. MANIGLIA, A.J.; HAN, P. - Cranial nerve injuries following carotid endarterectomy: an analysis of 336 procedures. Head Neck 13:121-4, 1991.
13. MASSEY, E.W.; HEYMAN, A.; UTLEY, C.; HAYNES, C.; FUCHS, J. - Cranial nerve paralysis following carotid endarterectomy. Stroke 15:157-9, 1984.
14. MATSUMOTO, G.H.; COSSMAN, D.; CALLOW, A.D. - Hazards and safeguards during carotid endarterectomy. Am J Surg 133:458-62, 1977.
15. MEYER, F.B.; SUNDT, T.M.; PEARSON, B.W. - Carotid body tumors: a subject review and suggested surgical approach. J Neurosurg 64:377-85, 1986.
16. MITCHELL, R.O.; RICHARDSON, D.; LAMBERT, G.E. - Characteristics, surgical management, and outcome in 17 carotid body tumors. Am Surgeon 62:1034-7, 1996.
17. NETTERVILLE, J.L.; REILLY, K.M.; ROBERTSON, D.; REIBER, M.E.; ARMSTRONG, W.B.; CHILDS, P. - Carotid body tumors: A review of 30 patients with 46 tumors. Laryngoscope 105:115-26, 1995.
18. PADBERG, F.T.; CADY, B.; PERSSON, A.V. - Carotid Body tumor. Am J Surg 145:526-8, 1981.
19. RANSON, J.H.C.; IMPARATO, A.M.; CLAUS, R.H.; REED, G.E.; HASS, W.K. - Factors in the mortality and morbidity associated with surgical treatment of cerebrovascular insuficiency. Circulation 39 (suppl.I):269-74, 1969.
20. RUTHERFORD, R.B. - Atlas of vascular surgery. Basic techniques and exposure. W.B. Saunders Company, Philadelphia, Pennsylvania, 1993.
21. SCHAUBER, M.D.; FONTENELLE, L.J.; SOLOMON, J.W.; HANSON, T.L. - Cranial/cervical dysfunction after carotid endarterectomy. J Vasc Surg 25:481-7, 1997.
22. SKILLMAN, J.J.; KENT, K.C.; ANNINOS, E. - Do neck incisions influence nerve deficits carotid endarterectomy? Arch Surg 129:748-52, 1994.
23. VERTA, M.J.; APPLEBAUM, E.L.; MCCLUSKY, D.A.; YAO, J.S.T.; BERGAN, J.J. - Cranial nerve injury during carotid endarterectomy. Ann Surg 185-192-5, 1977.
24. WEISS, K.; KRAMAR, R.; FIRT, P. - Cranial and cervical nerve injuries: Local complications of carotid artery surgery. J Cardiovasc Surg 28:171-17, 1987.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia