ISSN 1806-9312  
Sexta, 24 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
2564 - Vol. 64 / Edição 2 / Período: Março - Abril de 1998
Seção: Artigos Originais Páginas: 103 a 106
Polinose na Região do Planalto Médio - RS.
Autor(es):
João A. T. Kurtz*.

Palavras-chave: polinose, febre do feno, teste cutâneo, rinite alérgica, conjuntivite alérgica, asma brônquica

Keywords: pollinosis, hay fever, skin test, allergic rhinitis, allergic conjunctivitis, bronchial asthma

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo avaliar a presença e incidência da polinose na região do Planalto Médio - RS. Foi realizado o prick test em 258 pacientes e o maior número de casos de rinoconjuntivite alérgica a pólens de gramíneas, com ou sem asma brônquica, ocorreu nos meses de outubro e novembro. Assinala-se, com este trabalho, que a polinose é patologia cada vez mais freqüente em determinadas regiões do sul do Brasil; e o prick test, junto com os sinais e sintomas do paciente, meio eficaz e prático de diagnóstico dessa entidade.

Abstract: The present work's objective is to evaluate the presence and incidence of pollinosis in Medium Plateau Region - RS. A prick test was fulfilled in 258 patients and the most number cases of allergic rhinitis and conjunctivitis a grasses pollens with or without brochial asthma, happened in october and november. It was demonstrated with this work that pollinosis is a pathology that is becoming quite frequent in certain regions of souvh Brazil, and the prick test with patient's signs and symptoms is a efficient and practical way of diagnosis of this entity.

INTRODUÇÃO

A polinose ou febre do feno não é provocada pelo feno. É reação alérgica do tipo 1 da classificação de Gell e Coombs, mediada por IgE, onde os alérgenos são:

* Gramíneas forrageiras ou selvagens, plantas anemófilas que polinisam através do vento. Espécies:
- Holcus lanatus ou erva lanar ou capim veludo;
- Dactylís glomerata ou capim pé ele galinha;
- Lolium perenne ou azevém ou erva castelhana ou joio castelhano;
- Phleum pratense ou capim rabo de rato ou capim rabo de gato ou capim da manada ou capim do rebanho;
- Poa pratensis ou capim do campo ou capim de junho;
- Festuca pratensis ou capim do prado.

* Gramíneas cultivadas, não provocam polinose. Espécies:
- Avena sativa ou aveia;
- Hordeum vulgare ou cevada;
- Secale cereale ou centeio;
- Triticum sativum ou trigo.

* Plantas entomófilas que polinisam através de insetos, raramente provocam polinose. Exemplo:
- Ligustrum lucidum ou alfeneiro.

A polinose é freqüente em determinadas regiões dos Estados Unidos e Europa. Nos três Estados do Sul do Brasil (RS, SC e PR) existem evidências de aumento da incidência desta patologia. O objetivo do estudo foi avaliar a presença e incidência da polinose na região do Planalto Médio - RS.

Polinose no Brasil

Os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná possuem características geográficas e climáticas que propiciam o surgimento da polinose, uma vez que apresentam inverno rigoroso e primavera exuberante. Com o desmatamento, houve transformação do ecossistema: substituição da flora nativa por plantas forrageiras de potencial alergênico. Destas, a principal é o Lolium, um capim que cresce fácil e desordenadamente.

As gramíneas devem ser consideradas em conjunto pelo médico, uma vez que existe reação cruzada entre as espécies. O tamanho dos pólens varia de 20 a 100 milimicras de diâmetro.

MATERIAL E MÉTODOS

Foram vistos e feitos prick tests em 258 pacientes entre os meses de julho, agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro dos anos de 1995 e 1996. Os pacientes que tinham pápulas ++++ ou +++++ para gramíneas no prick test apresentavam rinoconjuntivite alérgica em 100% dos casos e asma brônquica associada em 10%. A idade variou de 5 a 65 anos, 87% eram adultos; 13%, crianças.



Foto 1.



A rinoconjuntivite alérgica caracterizou-se por: prurido nasal, no canto interno do olho e faringe, coriza aquosa, obstrução nasal, espirros em salva, edema e hiperemia da conjuntiva ocular, lacrimejamento e hipertrofia de cornetos nasais sem palidez, a menos que tenha rinite perene concomitante (20% dos pacientes) (Foto 1).

A asma brônquica caracterizou-se por: tosse, sibilos expiratórios e hiper-reatividade brônquica, e o diagnóstico foi feito por queda de 20% ou mais no peak flow.

Skin prick test ou teste cutâneo de leitura imediata

o Realizado na face anterior do antebraço direito dos 258 pacientes avaliados. Técnica utilizada: puntura com agulha descartável B-D 13x4,5.

- Material usado do laboratório Alergomed - Merck.
- Controle negativo: solução de soro fisiológico com fenol a 0,5% e glicerina a 50%.
- Controle positivo: cloridrato de histamina 1:1.000.
- Mistura de gramíneas (Holcus lanatus, Dactylisglomerata, Lolium perenne, Phleum pratensis e Festuca pratensis) concentração: 10.000 PNU/ml.
- Pápulas ++++ ou +++++: teste altamente positivo, onde as pápulas são maiores que o controle positivo histamina;
- Veja a Foto 2.

RESULTADOS

Na Tabela I, são apresentadas as porcentagens mensais de prick test, com pápulas ++++ ou +++++ para gramíneas; a maior incidência ocorreu nos meses de outubro e novembro.

DISCUSSÃO

O presente trabalho está baseado no prick test. Sabe-se, hoje, que ele tem nível de sensibilidade diagnóstica igual ou superior às provas de dosagem de IgE específica, uma vez que nele são administrado ao paciente alérgenos diferentes e o seu sistema imunológico, via IgE, reconhece a qual ele é alérgico. Enquanto que nas provas de dosagem de IgE específica, este reconhecimento é feito através de provas laboratoriais, que são mais passíveis de erro técnico ou de interpretação.



Foto 2.






Deve se salientar o fato de que pacientes que tinham somente rinite sazonal (alérgico ao pólen) não apresentavam palidez de mucosa, e que esta era encontrada naqueles que tinham, também, rinite perene (alérgico ao ácaro). Este - fenômeno, provavelmente, - acontece porque, para haver palidez de mucosa, é necessário edema constante desta e não somente na primavera.

Em vista dos achados clínicos, freqüência sazonal, características geográficas e climáticas e confirmação de positividade pelo prick test, a polinose é patologia freqüente e bem determinada na região do Planalto Médio - RS, com maior pico de incidência nos meses de outubro e novembro.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. CORRÊA, M. P. - Dicionário das Plantas úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas. Ministério da Agricultura, Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, Editora Gráfica Brasiliana, Brasília-DF., 1984, 1: 221-2, 545-654.
2. VIEIRA, F. A. M.; NEGREIROS, E. B. - Epidemiologia da polinose na população de algumas cidades do Estado do Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 12 (3):73-8, 1989.3. ROSÁRIO FILHO, N. A. - Atualização sobre polinose: um problema médico e ecológico recente no Brasil. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 22 (4): 104-8, 1989.
4. BERND, L. A. G.; LORSCHEITTER, M. L. - Pólens aéreos em Porto Alegre: estudo da chuva polínica e relação com manifestações clínicas. Rev. AMRIGS, 36.230-5, 1992.
5. VIEIRA, F. A. M.; NEGREIROS, E. B.- Arborização urbana como influência na epidemiologia da polinose na cidade de Caxias do Sul, RS, Brasil. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 12 (4): 114-9, 1989.
6. ROSÁRIO FILHO, N. A. - Análise de 50 casos de polinose por gramíneas. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 10 (1): 25-32, 1987.
7. ROSÁRIO FILHO, N. A. - Contagem de pólens aéreos na cidade de Curitiba. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 6 (1,2, 3, 4): 12-5, 1983.
8. ROSÁRIO FILHO, N. A. - Sensibilidade ao pólen de Ligustrum lucidum em pacientes com alergia respiratória. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 7 (1): 8-9, 1984.
9. QUEL, J. A. - Aerobiology. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 17 (5): 241-3, 1994.
10. VIEIRA, F. A. M. - Polinose no Brasil. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 17 (G): 259-60, 1994.
11. BUSANICHI, H. D. - Polinosis. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 17(6):261-2, 1994.
12. PALMA-CARLOS, A. G. - Pollinosis in Portugal. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 18 (2)- 63-4, 1995.
13. PALMA-CARLOS, A. G.; SANTOS, M. C.; MELO, A.; PALMA-CARLOS, M.L. - Expression of cellular and soluble IgE low affinity receptors in pollinosis. J. Allerg. Clin. Immunol., 1: 335-6, 1995.
14. American Academy of Àllergv and Clinica[ Immunology Position statement. Skin testing and radioallergosorbent testing (RAST) for diagnosis of specific allergens responsible for IgE mediated diseases. J Allergy Clin. Immunol., 72: 5157, 1983.
15. American Academy of Allergy and Clinical Immunology - Position Statement. Allergen skin testing. J. Allergy Clin. Immunol., 92: 636-7, 1993.
16. International Consensus Report on Diagnosis and Management of Rhinitis - Suppl. Allergy., 19: 5-34, 1994.
17. KIMMEL, S.R. - Use of the peak flow meter in office practice. Am. Fam. Physician, 34:107-11, 1986.
18. NOWARK, R.M.; PENSLER, M.I.; PARKER, D.D. - Comparison of peak expiratory flow and FEV1: admission criteria for acute bronchial asthma. Ann. Emerg. Med., 11: 649, 1982.
19. PEREIRA, C.A. C. - Valores de referência para a espirometria em amostra da população brasileira adulta. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., 15 (2): 29-32, 1992.




* Médico Otorrinolaringologista e Alergista.

Trabalho apresentado e distinguido com Menção Honrosa Especial na VIII Jornada Sul - Brasileira de Otorrinolaringologia - Canela/ RS, 1997.
Endereço para correspondência: Rua Moron, 1403 - cjto. 21 - CEP 99010-032 - Passo Fundo/ RS - Telefone/ Fax: (054) 313-1188.

Artigo recebido em 3 de setembro de 1997. Artigo aceito em 25 de outubro de 1997.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia