ISSN 1806-9312  
Segunda, 27 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
2297 - Vol. 56 / Edição 2 / Período: Abril - Junho de 1990
Seção: Artigos Originais Páginas: 80 a 82
Estudo experimental da ação da estrogenoterapia sobre os potenciais auditivos evocados do tronco cerebral em cobaias
Autor(es):
Roseli Saraiva Moreira Bittar*
Osvaldo Laércio Mendonça Cruz**

Palavras-chave:

Keywords: audiometry, neurossensorial heralingloss, evoked potentials

Resumo: Dezessete cobaias albinas foram selecionadas para o experimento após obtenção do PATO dentro do normal. Foi administrado 1,5 mg de estrógenos conjugados por via intramuscular, diariamente por 30 dias. Os resultados demonstram a efetiva ação do estrógeno sobre o aparelho auditivo, manifestada por elevação dos limiares do PATC em 47% dos animais, sendo que em dois casos, esse aumento foi importante, ao lado da diminuição da média das amplitudes das ondas I, II, III e IV, que falam a favor de uma atividade ototóxica da droga; por outro lado, uma diminuição da média das latências de todas as ondas do PATC sugere uma ação, a princípio paradoxal, facilitadora da condutibilidade elétrica das vias acústicas.

Introdução

Desde a descrição por Gonzales em 1969(1), de um caso de surdez súbita atribuída ao uso de contraceptivo oral, vários autores têm apresentado casos clínicos e hipóteses fisiopatológicas controversas sobre o assunto. Os estudos mais recentes sobre a possível influência dos hormônios femininos na fisiologia do ouvido interno concordam, entretanto, no fato de que a eventual lesão funcional expressa-se com queda do limiar tonal nas freqüências agudas(2.3.4), embora não esteja esclarecido o mecanismo pelo qual são alteradas. Os relatos de casos de surdez súbita, atribuídos ao uso de contraceptivos orais, continuam sendo publicados(5,6) sem que tenhamos conhecimento de confirmação experimental do fato.

O objetivo deste estudo é a avaliação do efeito do estrógeno, um dos componentes do contraceptivo oral, sobre a função auditiva de cobaias, medida pelos potenciais auditivos evocados do tronco cerebral (PATC).

Materiais e métodos

Dezessete cobaias albinas foram selecionadas após a realização do PATC dentro do normal.

Após seleção, foi administrado 1,5 mg de estrógenos conjugados (Premarin*) por via intramuscular, diariamente, durante 30 dias. O animais foram então submetidos a PATC e comparados os resultados.

A dose da droga utilizada para estudo foi baseada na dose média d estrógeno usada clinicamente par combater hemorragias disfuncionais uma vez que o desvio padrão d quantificação é muito grande. Levando-se em conta o metabolismo da cobaia, que é muito mais rápido que o do homem, optou-se pelo uso da droga durante 30 dias, o que corresponderia a um período de uso mais prolongado na mulher, época em que observamos clinicamente os sintomas auditivos (2 a 3 meses, aproximadamente).

Resultados

Os resultados obtidos quanto aos limiares auditivos com o uso de estrógeno após 30 dias, são mostrados na tabela 1. Podemos observar nítida elevação do limiar do PATO em 8 animais (47%), aumentando a média dos limiares de 40db para 51,56 db pós-tratamento. Entre os 8 animais que apresentaram aumento dos limiares, verificamos que em dois casos estes foram severamente comprometidos, elevados respectivamente para 80 e 90 db.

O gráfico 1 demonstra os achados em relação à média das latências absolutas das ondas do PATC a 100 db. Houve diminuição da média das latências das ondas I, H, III, IV, e V mais significativamente observadas nas ondas I, III e V.

Com relação às amplitudes, o gráfico 2 demonstra ocorrência de diminuição das médias deste parâmetro, nas I, II, III e IV do PATC após o término do experimento. Apenas a onda V apresentou aumento da média da sua amplitude após o uso de estrógeno.






Gráfico 1: Média das latências obtidas pré e pós tratamento com estrógeno.



Gráfico 2: Média das amplitudes pré e pós tratamento com estrógeno.



Comentários

Este trabalho experimental inicial mostra alguns achados que deverão ser objeto de estudos futuros. Entretanto, algumas considerações já nos parecem possíveis.

Existe uma confirmação da ação do estrógeno sobre as vias auditivas, que em nosso trabalho se manifestou através da diminuição das latências, diminuição das amplitudes e aumento dos limiares.

O aumento dos limiares de maneira significativa em dois animais ao lado da diminuição das amplitudes, leva à interpretação de um efeito ototóxico da droga, que estaria de acordo com os achados clínicos da surdez súbita descritos por Sudaka (5) e Hanna (1).

A diminuição das latências, ao contrário, sugere uma ação facilitadora da condutibilidade elétrica do sistema, de acordo com os achados de Samani (4).
Como não foi possível encontrar estudos experimentais sobre o tema da literatura, nossas conclusões serão rotuladas como iniciais. A sequência deste estudo é a análise morfológica da cóclea para tentar-se definir o local de atuação da droga.

Summary

Seventeen guinea-pigs were selected after normal Brainstem Evoked Responses Audiometry (BERA), and Estrogen therapy iniciated with 1,5 mg of conjugated estrogens", (Premarin*), daily by intramuscular administration.

The results showed threshold elevation at the BERA in 47% of animals, with severe hearing loss in two of them, and increase of the amplitudes (mean) of the waves I, II, III and N. These findings are compatible with an ototoxic action. On the other hand, we could also observe a decrease of the latencies (mean) of the five waves at the BERA, and this fact suggest a possible facilitatory action in the conductibility of the sensory auditory pathway, in contrast with the above exposed observations.

Bibliografia

1- Gonzales, G.; Istre, C.; Rubin, W.: Labyrintie catastrophe: is it the pill? J Lousiana Med Soc 120: 487-494, 1968.
2- Kodja, A.A.: Action des contraceptifs oraux sur I'oreiile interne. Rev Laryngol 95: 301-305,1974.
3- Petiot, J.C.; Parrot, J.E.: Effeta des contraceptifs oram et du cicle ovarien sur la perfomance auditive à 4 et 6 kz. Mise en evidence par audiometrie functionnelle. C R Soc Biol178: 105-117, 1984.
4- Samani, F.; Bolzonello, P.; Fior, R., Elia, A.: Effetcs on hearing during prolonged oral contraceptive use. Contraception 35: 41-47, 1987.
5- Sudaka, J.: Surdiu cochléaire chez des femmes sous contraceptif oral. La Nouv Press Med 5:2807-2808, 1976.
6- Hanna, G.S.: Sudden deafness and contraceptive pill. J Laryngol and Otol 100: 701-706,1986.

Agradecimento:

À sra. Ilda de Jesus Rodrigues, cuja cooperação foi fundamental para a realização deste trabalho.

* Médico assistente
** Assistente Doutor Disciplina de Otorrinolaringologia. Laboratório de Audiologia Experimental. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
*** Trabalho apresentado na VII Reunião da Sociedade Brasileira de Otologia, GO-1989.

Endereço para correspondência: Rua Souza Reis n.º 120, Ap. 13A - 05586 -São Paulo, SP -Brasil.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia