ISSN 1806-9312  
Quarta, 29 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
2093 - Vol. 61 / Edição 4 / Período: Julho - Agosto de 1995
Seção: Pergunta Páginas: 333 a 333
Há indicação de descompressão do nervo facial quando há degeneração de 95% na eletroneuroniografia, em paciente com Síndrome de Ramsay-Hunt?
Autor(es):
Arnaldo Coelho / São Paulo - SP

SERGIO RAMOS - VITÓRIA/ ES

A Síndrome de Ramsay-Hunt apresenta-se como quadro de paralisia facial súbita que é precedida ou sucedida pelo aparecimento de vesículas no pavilhão auricular, no meato acústico externo, na face, no pescoço e até mesmo da cavidade bucal, ocorrendo também forte dor local. Muitas vezes está acompanhada de sintomas cocleares, vestibulares e mesmo sintomas relacionados a outros pares cranianos, principalmente o trigêmio.

Há sinais evidentes de neurite. A lesão envolve diretamente o nervo por extravasamento sangüíneo e infiltração de células inflamatórias. A eletroneuroniografia mostra em geral degeneração nervosa acima de 90% das fibras, e o potencial de ação apresentando redução de 90% em relação ao lado normal indica mau prognóstico na recuperação.

A Síndrome de Ramsay-Hunt deixa muitos pacientes com disfunção permanente do nervo facial, como sincinesia, contraturas e espasmos. A denervação maior que 90% dentro das duas ou três semanas da instalação da paralisia é indicação clássica de descompressão. A finalidade é evitar denervação maior que 95% que tem prognóstico de péssima recuperação em 75% dos casos. Usando este conceito, a cirurgia está indicada, e assim procede grande parte de especialistas, considerando ser a única conduta que pode trazer algum benefício ao paciente. É importante ressaltar o uso rotineiro de corticoesteróides, embora sua eficácia seja questionável, e o uso recente de aciclovir em caráter experimental e de investigação clínica. Outros especialistas, apesar do mau prognóstico, não indicam a descompressão cirúrgica defendendo o ponto de vista de que o acometimento é do tecido nervoso e não da compressão do nervo por si mesmo.

DECIO CASTRO - PORTO ALEGRE/RS

Sim. Há indicação para descompressão do nervo facial com 95% de degeneração, se o tempo de paralisia não ultrapassou 21 dias. A fisiopatologia da paralisia por Herpes Zoster Oticus é em tudo semelhante a Bell e ainda mais severa. Em evolução sem cirurgia, doentes com 95% de degeneração têm recuperação pobre da função em 75% dos casos. A identificação do vírus em nada muda a agressão ao nervo, uma vez que não temos meios eficientes para combatê-lo. Após 3 a 4 semanas, passada a fase aguda, a cirurgia de descompressão não mais trará benefício ao paciente. Neste caso, outro tipo de cirurgia poderá estar indicado após 12 meses, se não houver recuperação espontânea satisfatória.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia