ISSN 1806-9312  
Segunda, 27 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
2090 - Vol. 61 / Edição 4 / Período: Julho - Agosto de 1995
Seção: Relato de Casos Páginas: 319 a 322
NEUROFIBROMATOSE DE LÍNGUA - RELATO DE CASO.
Autor(es):
Regina Helena Garcia Martins*,
Emanuel Celice Castilho*,
Gláucia Regina Prata Caobianco**,
Cláudia Trevilatto**,
Sérgio Luis Suzuki Yoshinaga**.

Palavras-chave: Neurofibromatose, língua

Keywords: Neurofibromatosis, tongue

Resumo: A neurofibromatose pode comprometer qualquer parte do organismo, incluindo a região cérvico-facial com envolvimento dar estruturas intra-orais. Os autores apresentam um caso de neurofibromatose de língua c salientam o comportamento recidivante das lesões, exigindo constante seguimento desses pacientes.

Abstract: Neurofibromatosis may involve any part of the body, including cervical facial region and intra-oral structures. The authors present a case neurofibromatosis involving the tongue. They emphasize the need of close follow of the patients as those lesions often show high rate of recurrence.

INTRODUÇÃO

A neurofibromatose, também denominada de doença de Von Recklinglausen, é desordem de origem genética autossômica dominante que acomete 1:3000 crianças1, 2, 3, 4, 5.

Pode manifestar-se sob forma periférica ou central.

Na forma periférica, os sinais clínicos podem ser resumidos em: pigmentação cutânea, fibromas de pele e fibromas de nervos. As manchas cutâneas aparecem logo ao nascimento ou na primeira infância, variam de tamanho e aumentam com o decorrer da idade. Estão presentes em 90% dos pacientes e localizam-se principalmente na região do tórax. Constituem sobrecarga de pigmento melânico nas células da epiderme1, 6.

Os neurofibromas são tumores múltiplos, assintomáticos que comprometem principalmente o tronco, porém podem localizar-se no trato gastrointestinal, vasos sangüíneos, coração, laringe e cavidade oral1, 2. Alterações ósseas são também documentadas, como as displasias, erosões e cistos ósseos2.

Na forma central, observa-se o comprometimento do sistema nervoso central. As manifestações podem ser intracranianas ou intraespinhais. Pares cranianos, corno o III e o VII, são frequentemente acometidos2.

Os neurofibromas desenvolvem-se também na região da cabeça e pescoço2, 7. Tanto os tecidos moles como os ossos podem estar envolvidos2, 3, 8, 9.

O objetivo cio trabalho é o de apresentar tini caso de neurofibronta corri comprometimento de língua.

RELATO DO CASO

Criança com 3 anos de idade, atendida no Hospital elas Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP, no ano de 1991, apresentava abaulamento indolor em região submandibular à direita, há 1 mês. Ao exame otorrinolaringológico, observou-se tumoração fibroclástica submandibular, medindo três centímetros em seu maior diâmetro, aderida aos planos profundos.

A criança foi submetida à exploração cirúrgica da região, após resultados de exames sorológicos negativos. Evidenciou-se a presença de massa tumoral brancoacinzentada, comprometendo todo o trajeto cio nervo hipoglosso e infintrando extensa área da musculatura da língua.

A análise histopatológica do tumor mostrou presença de inúmeras formações de fascículos nervosos, contendo em seu interior proliferação de células de Schwann em meio a fíbroblastos, caracterizando a doença de Von Recklinglausen.

A criança apresentava várias manchas de café com leite, em face posterior do tórax, entretanto não relatava história familiar de neurofibromatose.

Após 3 meses da cirurgia anterior, a mãe da criança notou novamente aumento progressivo da língua, dificultando a alimentação. Observou-se volumosa rnacroglossia, comprometendo toda a hemilíngua à direita, estendendo-se até a base da língua.

A tomografia computadorizada da região demonstrou comprometimento também do espaço parafaríngeo e retrofaríngeo, bem como toda a hemilíngua à direita.

Em decorrência da extensa área comprometida pelo rumor, realizou-se exerese parcial do tumor com o intuito de melhorar as condições de alimentação, linguagem c convívio social.

A análise histopatológica da tumoração da língua revelou a presença de inúmeros neurofibrornas plexiformes.

DISCUSSÃO

Todas as estruturas da região cérvico-facial podem ser comprometidas na doença de Von Recklinglausen, como: mucosa oral, alvéolo dentário, gengiva, lábios, pálato, assoalho de boca, espaço faringomaxilar e língua2, 3, 4, 7.

Inicialmente, os trabalhos apresentavam raros casos de neurofibromatose de língua. Banden1 relatou que a língua é comprometida em apenas 4 a 7% dos casos de neurofibromatose. Rasi1 e Gariboldi6 confirmaram esses lados. Outros autores, entretanto, consideraram que o comprometimento intra-oral da neurofibromatose foi bastante comum, sendo a língua o local mais freqüente9.

Neste local, a manifestação mais comum foi a macroglossia unilateral devida a infiltração de neurofibromas plexiformes, considerados patognomônicos da doença de Von Reeklinglausen3, 8, 12. Além da macroglossia, pôde-se observar também em língua, o crescimento de projeções papilomatosas ou hipertrofia das papilas linguais9.

Com a utilização de técnicas radiológicas mais precisas, pôde-se observar com freqüência o envolvimento também das estruturas ósseas intra-orais. Para Crozier3, estas ocorreram em 92% dos casos; para Shapiro13, em 72% dos casos.

Os neurofibromas, além do caráter invasivo e recidivante, podem também sofrer transformação maligna ou ainda associarem-se a outras neoplasias3, 9, 12, 14. Estes fatos exigem constante e minucioso segmento desses pacientes.



Figura 1. Macroglossia secundária à neurofibromatose de língua.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BANDEN, E.; PIERCE, H. E.; JACKSON, W. h. - Multiple neurofibromatosis with oral lesions; review of the literature and report of a case. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol, v. 8, p. 263-280, 1955.
2. BRASFIELD, R. D.; DAS GUPTA, T. K. - Von Rechlinglausen's Disease: A clinicopathological study. Ann. Surg. v. 175: p.86-104, 1972.
3. CROZIER, W. C. - Upper airway obstruction in neurofibromatosis. Anaesthesia, v. 42, p. 1209-11, 1987.
4. D'AMBROSIO, J. A.; LANGLAIS, R. P.; YOUNG, R. S. et al. - Jaw and skull changes in neurofibromatosis. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol. v. 66, p. 391-6, 1988.
5. ENZINGER, F. M.; WEISS, S. W. - Benign tumors of peripheral nerves. Second Edition, Washington. The C. V. Mosby Company, 1988.
6. GARIBOLDI, L. M.; AVANZINI, F.; FERRI, T. - Neurofibroma della lingua: caso clinico. Acta Biomed Ateneo Parmense, v. 55, p.311-4, 1984.
7. GRIFFITH, B. H., LEWIS, V. L.; MCKINNEY, P. - Neurofibromas of the head and neck surgery. Gynecology & Obstetrics, v. 160, p. 534-538, 1985.
8. LYCKA, B.; KRYWONIS, N.; HORDINSKY, M. - Abnormal nevoblast migration mimiching neurofibromatosis. Arch Dermatol, v. 127, p. 1702-4, 1991. 9. MAFFEI, W. O. - Neoplasias de estrutura complexa. In. Os fundamentos da Medicina. Segunda edição. São Paulo, Artes Médicas, 1978, 1111 p.
10. RADI, M. J.; FOUCAR, E.; PALMER, C. H. et al. - Malignant lymphoma arising in a large congenital neurofibroma of the head and neck. Cancer v.61, p. 166773, 1988.
11. RASI, H. B., HERR, B. S.; SPERER, A. V. - Neurofibromatosis of the tongue. Plast. Reconstr. Surg. v. 35, p. 657-65, 1965.
12. RIZER, F. M.; SCHECHTER, G. L.; RICHARDSON, M. A.- Macroglossia: citologic considerations and management techniques. Int. Pediatr. Otorhinolaryngol, v. 8, p. 225-36, 1985.
13. SHAPIRO, S. D.; ARAMOITCH, K.; VAN DIS, M. L. - Neurofibromatosis oral anel radiographic manifestations. Oral Sutg. Oral Med. Oral Pathol, v. 58, p. 493-7, 1984.
14. SIMPSON, H. E. - Oral neurofibromatosis with differentiation of sensory end organs. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol, v.19, p. 228-33, 1965.




* Docentes da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Botucatu.
** Médico Residente da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP - CEP 18618-000 - Botucatu - São Paulo - Fone: (0149) 21-2121 ramal 2256 - FAX: (0149) 220421.

Artigo recebido em 06 de setembro de 1994.
Artigo aceito em 13 de fevereiro de 1995.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia