ISSN 1806-9312  
Segunda, 27 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
2084 - Vol. 61 / Edição 4 / Período: Julho - Agosto de 1995
Seção: Artigos Originais Páginas: 270 a 273
INCIDÊNCIA DO "HUMAN PAPILLOMAVIRUS" EM LESÕES ORGÂNICAS DE PREGAS VOCAIS.
Autor(es):
Aguinaldo A. Jurema*,
Adonis R L. de Carvalho**

Palavras-chave: Laringe, vírus do papiloma

Keywords: Larynx, papilloma viruses

Resumo: Estudo retrospectivo de 133 pacientes submetidos d cirurgia microlaringoscópica (ML) realizada no Hospital Albert Sabin, Recife, PE, nos últimos cinco anos. Descartadas as neoplasias malignas, as enfermidades congênitas e as puramente funcionais, restaram 95 casos que se apresentaram ao exame clínico como lesões orgânicas benignas das piegas vocais. Nestas lesões, o exame anatomopatológiro evidenciou a presença de indicadores(1) de "HUMAN PAPILLOMAVIRUS" em 24 casos (25,2%).

Abstract: Retrospective study of 133 patients submitted to microlaryngoscopic (ML) surgery performed at the Albert Sabin hospital in Recife, PE, during the last five years. After discarding the neoplastic lesions, the congenital and the purely functional ones, 95 cases remained clinically diagnosed as benign organic vocal fold lesions. The pathological reports showed the presence of Human Papillomavirus indicators(1) in 24 specimens of the 95 cases (25.2%).

INTRODUÇÃO

O objetivo deste trabalho reside, prioritariamente, em constatar a elevada incidência do "Human Papillomavirus" (HPV) laríngeo particularmente localizado nas pregas vocais, diante da crescente valorização da presença do HPV nas lesões do epitélio de transição como fator oncogênico.(2, 3) . Sabe-se que o HPV desenvolve-se melhor no epitélio de transição para epitélio pavimentoso estratificado, em terreno de células jovens, sendo o trauma fator agravante. Isto explicaria sua maior incidência no colo do útero e pregas vocais.

Obviamente, também consideramos de grande importância o alto índice da recidiva do HPV, cm virtude da ineficiência do CO2 laser (com ou sem Alpha lnterferon) em evitá-la, por não extinguir os reservatórios virais.(1)

A partir de 1992, estamos usando uma terapêutica clínica anti-recidivante no mesmo material deste trabalho: associação de levamisole (modulador imunológico) e aciclovir (inibidor vira), objetivando erradicar os reservatórios virais. Estas substâncias já foram utilizadas, porém, de forma isolada.(4, 5)

Os resultados iniciais serão publicados oportunamente.



Figura 1. Microfotografia ilustrativa das alterações indicadoras de infecção por HPV. Círculos mostram coilocitos e setas binucleação. Hematoxilina-eosina.



Figura 2. Microfotografia ilustrativa das alterações indicadoras de infecção por HPV. As setas apontam células disqueratóticas. Hematoxilina-eosina.



MATERIAL E MÉTODOS

Analisamos retrospectivamente 133 pacientes submetidos a microlaringoscopia cirúrgica, com alterações de pregas vocais (PPVV), entre agosto, 1989 e dezembro, 1994. Desses casos, foram selecionados 95 que se apresentaram ao exame clínico com o diagnóstico de lesões orgânicas benignas das PPVV (Quadro I). Esses pacientes foram avaliados através de laringoscopia indireta (LI). A partir de 1992, acrescentamos a videolaringoscopia como complementação diagnóstica (Quadro 1).

Nesta série, 24 casos (25,2 %) apresentaram ao exame histopatológico: hiperplasia papilomatosa do epitélio malpighiano com coilocitose sempre presente e constantemente apresentando outra alteração como binucleação, disqueratose e displasia, indicadores de HPV.

Os 24 casos com evidência de HPV estavam distribuidos clinicamente de acordo com o quadro II.

A freqüência quanto à faixa etária é mostrada no quadro III.

A distribuição relativa ao sexo pode ser vista no quadro IV.

CONCLUSÕES

1) Constata-se a elevada freqüência de indicadores de HPV (25,2 %) nas lesões orgânicas benignas das PPVV clinicamente diagnosticadas na prática diária.

2) Diante da crescente associação ou participação de alguns tipos de HPV em lesões malignas dando-lhes, até certo ponto, características oncogênicas,2, 3 conclui-se que todas as alterações orgânicas das pregas vocais devem ter sua histopatologia definida. A microlaringoscopia cirúrgica torna-se sistemática.

3) Os pacientes com evidência de HPV devem ser reavaliados periodicamente.

QUADRO I - 95 CASOS

Pólipos 38
Nódulos 27
Granulomas 8
Edema de Reinke 8
Laringites hiperplásicas 7
Cistos 7

QUADRO II - 24 CASOS

Pólipos 5
Nódulos vocais 10
Laringites hiperplásicas 7
Edema de Reinke 2

QUADRO III

10-20 anos 7
21-30 anos 1
31-40 anos 4
41-50 anos 5
51-60 anos 4
61-70 anos 2
71-80 anos 1



Figura 3. Microfotografia ilustrativa das alterações indicadoras de infecção por HPV. As setas indicam coilocitos com atipisuio nuclear acentuado. Hematoxilina-eosina.



QUADRO IV

Masculino 11
Feminino 13

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1) Duggan, M. A., Lim, M. et al.: HPV DNA typing of adult-onset respiratory papillomatosis. Laryngoscope 100: 639-42, 1990.
2) Kasperbauer, .J., O'Halloran G. et al.: Polymerase chain reaction (PCR) identification of human papillomavirus (HPV) DNA in verrrucous carcinoma of the larynx. Laryngoscope 103: 416-20, 1993.
3) Hagen, P. et al.: Verroucous carcinoma of the larynx: role of human papillomavirus, radiafon and surgery. Laryngoscope 103: 253-57, 1993.
4) Aguado D. L. et al.: Acyclovir in the treatment of laringeal papillomatosis. Int. J. Pediatric Otorinola-ryngology 21: 26974, 1991.
5) De Rosa, E.: Laringeal papillomas: new treatment with Levamisole. Tr. American Academy pf Ophtalmology and Otolaringology 75-77 Annual Meeting, 1976.




* Professor Adjunto da Disciplina de Otorrinolaringologia da Universidade Federal de Pernambuco.
** Professor Titular de Anatomia Patalógica da Universidade Federal de Pernnambuco.

Clínica Dr. Aguinaldo A. Jurema. Rua Engenheiro Sampaio, 120 - Rosarinho - Recife - PE - CEP 52041-020

Artigo recebido em 03 de março de 1995.
Artigo aceito em 24 de abril de 1995.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia