ISSN 1806-9312  
Segunda, 27 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
1999 - Vol. 42 / Edição 2 / Período: Maio - Agosto de 1976
Seção: Artigos Originais Páginas: 196 a 198
ASPECTOS DAS RINOPLASTIAS ESTÉTICAS
Autor(es):
* Josias Pires Ferreira.
** Shiro Tomita.
*** Sérgio Luiz de Andrade.
*** Fernanda José B. Gosling.

Chamamos de rinoplastia estética a cirurgia destinada a alterar a pirâmide nasal no sentido de embelezar a face do paciente. Este conceito, apesar de aparentemente simples, encerra problemas incomuns, desde éticos até os conceitos técnicos de beleza e aformoseamento. Todavia, todos nós aceitamos e portanto, no senso comum aceita-se como rinoplastia estética aquela que não interfere na função respiratória nasal ou aquela não destinada aos casos de deformidades externas graves ou que causem asco, tais como rinofima, tumores e outras dermatopatias, anomalias congênitas e assim por diante.

Uma vez estabelecido que o único problema do paciente é o de uma necessidade estética, para a satisfação da qual ele busca uma justificativa que vai desde a apresentação profissional até melhor aparência junto ao noivo ou marido ou junto aos conhecidos, não se pode aprofundar a questão íntima de cada candidato à cirurgia até o ponto de enviá-lo ao psiquiatra ou psicanalista, porque não há limite nítido ou padrão de medida para a satisfação de um desejo que de antemão julgamos não ser patológico, em vista dos padrões sociais contemporâneos.

Assim, passamos a por em relevo, nesta cirurgia, o aspecto relativo ao diagnóstico e à precisa indicação da mesma. Achamos que não deva ser indicada nos seguintes casos:

1 - Pessoas com fixação neurótica intensa no seu defeito, a ponto de julgá-lo causa de insucesso em sua vida social ou profissional;

2 - Pacientes apresentando doenças de outro cunho, geral (principalmente psiquiátrico) ou local - cujo tratamento julguemos mais importante do que a cirurgia solicitada;

3 - Pessoas com problemas funcionais respiratórios, exceto havendo indicação para tratamento simultâneo;

4 - Pessoas cujo rosto em seu conjunto e por outros aspectos estéticos, de cididamente não venham a se beneficiar com a rinoplastia, pois acreditamos ser difícil ou inútil colocar -um nariz bonito num rosto' feio.

Pacientes com fixação neurótica a pequenos detalhes nasais, principalmente os já submetidos à rinoplastia estética;

Pacientes com antecedentes familiares de rinite atrófica, síndromes hemorrágicas, hanseníase e outras doenças, exceto nos casos em que exames laboratoriais e clínicos exaustivos afastem qualquer dúvida quanto a esses problemas;

Pacientes operados na região nasal há menos de seis meses.

Indicada e aceita a rinoplastia como medida dê satisfação estética e tomadas as precauções básicas pré-operatórias, nas quais se incluem as fotografias para efeito médica-legal e outros, vejamos quais os diagnósticos mais comuns:

1 - Rinocifose com ou sem rinomegalía;

2 - Rinomegalia;

3 - Nariz senil;

4 - Lóbulo bulboso;

5 - Alterações do ângulo naso-labial;

6 - Nariz negroide;

7 - Rinodesvios e

8 - Outros.

Neste trabalho não desejamos debater qualquer aspecto das técnicas usadas para as rinoplastias estéticas, exceto dizer que evitamos fundamental¬mente o seguinte: a) retirar gibosidades em excesso, que possam tornar o nariz pequeno, em desarmonia com o tamanho do rosto; b) operarmos simultaneamente os septos que necessitem de grandes descolamentos muco-pericôndricos; c) ressecar mucosa ou submucosa, exceto em pequenas porções estritamente redundantes; d) usar via de acesso intracartilaginosa; e) usar serras, embora não julguemos errada a aplicação adequada das mesmas; f) operarmos em ambiente não hospitalar, mesmo nas cirurgias de retoque.

Por outro lado e rotineiramente procuramos restringir o descolamento dorsal ao estritamente necessário. Usamos infiltração com vasoconstritores, mesmo sob anestesia geral.

Quanto aos resultados pós-operatórios acreditamos que os pacientes o aceitam em geral muito, bem nos casos em que o diagnóstico e a indicação foram corretos e houve entendimento adequado entre o cirurgião e o cliente quanto a finalidade, conseqüências e limitações da cirurgia. Os resultados definitivos somente são considerados realmente a partir do trigésimo dia até seis meses de pós-operatório.

Resultado não aceita muito bem do ponto de vista do paciente, podem ocorrer quando a técnica usada não foi bem avaliada para o caso, quando houve pressa de concluir o ato cirúrgico, quando a contenção gessada foi aplicada inadequadamente ou quando houve complicações pós-operatórias imprevistas e graves (hemorragia e infecção) e principalmente quando o cirurgião não conseguiu relacionamento razoável com o paciente, principalmente no que se refere às limitações da cirurgia.

Concluímos afirmando que podem ser obtidos resultados cada vez melhores de acordo com a experiência do cirurgião, sua dedicada atenção a cada caso (como se fosse este o mais importante), a vigilância para os menores indícios de complicação pós-operatória, até mesmo levantando a contenção gerada nas primeiras 24 - 48 horas e a indicação cirúrgica de acordo com o diagnóstico e não somente para atender a um eventual capricho do cliente.




Josias Pires Ferreira Clínica Prof. José Kós Rua Moncorvo Filho, 104 Rio de Janeiro, 20000

* Cirurgião Plástico da Clínica Prof. José Kós. Residente da Clínica Prof. José Kós.
** Residente da Clinica Prof. José Kós.
*** Estagiário da Clínica ProJosé Kós.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia