ISSN 1806-9312  
Quarta, 17 de Julho de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
1211 - Vol. 7 / Edição 1 / Período: Janeiro - Fevereiro de 1939
Seção: Associações Científicas Páginas: 93 a 95
ASSOCIAÇÕES CIENTIFICAS
Autor(es):
-

SECÇÃO DE OTO-RINO-LARINGOLOGIA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA

Reunião de 17 de Agosto de 1938

Presidida pelo dr. Mangabeira Albernaz, secretariada pelos drs. Camargo Penteado e Angelo Mazza, realizou-se, no dia 17 de Agosto de 1938, uma reunião da Secção de Oto-rino-laringologia da Associação Paulista de Medicina.

Expediente: - Foi lida e aprovada a ata da reunião anterior.

Ordem do dia:

CIRURGIA DOS DIVERTÍCULOS DO ESÔFAGO - Prof. Edmundo Vasconcellos.

O A. salientou a raridade da operação, passando em seguida a comentar um trabalho seu, defendido ha alguns anos, sobre os divertículos do esôfago. Nesses comentários teceu considerações sobre a classificação dos divertículos, proposta nessa ocasião. Estudou. em seguida a etiopatogenia desses divertículos e a respectiva sintomatologia, tendo criticado demoradamente a teoria de Albrecht. Descreveu a técnica cirurgica de intervenção nesses divertículos, assinalando os pontos mais importantes dos tempos operatórios. A técnica de sua autoria foi publicada em 1928 e num livro de 1936 de Chevalier Jackson, vem descrita uma técnica idêntica á sua, concluindo o A. que isso se tenha dado em virtude de ser o nosso idioma muito pouco lido.

Comentários:

Dr. Mangabeira Albernaz: Agradeceu em nome da Casa a brilhante conferencia realizada pelo A. A cirurgia desses divertículos foge um pouco da nossa especialidade e em verdade, como frisou o A., a lesão é raríssima entre nós e nunca tivemos oportunidade de verificar um caso. E entranho que essa lesão seja verificada com grande freqüência em outros meios. Com a simplicidade da pratica da esofagoscopia, o esôfago é hoje um órgão acessível e ficamos pois impossibilitados de encontrar uma justificativa para a raridade da anomalia. O A. tem o mérito de estudar as questões sob todos os pontos e ângulos, muito instrutiva foi a sua conferencia e terminamos estas considerações pedindo-lhe que continue comparecendo em nossa Secção.


LARINGITES CRONICAS, CONTRIBUIÇÃO AO SEU ESTUDO (*)
Dr. Francisco Hartung.


O A. passou em revista os diversos fatores etiologicos da laringite crônica, tuberculose, lues, infecção focal, tabagismo, relatando em seguida as observações de 3 casos de laringite crônica. Dois doentes sararam, completamente, pela extirpação amigdaliana e no 3.° tendo ficado provado a existência de um foco etmoidal, foi o doente submetido a uma operação, curando-se também radicalmente. Chama atenção para o perigo de se atribuir como causas dessa laringite, unicamente, o fumo e o álcool, quando não haja os fatores etiológicos citados, porque ha doentes fumantes ou alcoolistas que não obstante essas condições, têm fatores focais para entreter a cronicidade da moléstia, daí a necessidade de não se aceitar a priori essa condição, como fator ocasional, porque um estudo apurado do problema das causas focais poderá livrar o paciente dessa molestia. Chamou particular atenção para o caso citado de uma sinusite e onde o paciente depois de operado continuou a fumar e não obstante essa situação nunca mais teve recidiva da moléstia.

Comentários:

Dr. J. E. de Rezende Barbosa: Em abono ao referido pelo A., também citou alguns casos de laringite crônica, com ulcerações de contáto das cordas vocais, que após a operação de sinusite ou então após extirpação de dentes infectados, tiveram uma melhoria acentuada.

Dr. Rubens de Brito: Citou um caso de rouquidão renitente e que teve uma melhoria acentuada após aplicar uma vacina autógena de material colhido na laringe, o que permite supor que a manifestação do processo crônico deva correr por conta de um gérmen.

Dr. Homero Cordeiro: Também citou dois casos de sinusites maxilares, acompanhadas de rouquidão e que desapareceu após a intervenção.

DOIS CASOS DE FRONTO-ETMOIDITE COM FISTULA ORBITARIA CURADO PELA OPERAÇÃO DE ERMIRO DE LIMA - Dr. Paulo Mangabeira Albernaz.

O A. trouxe duas observações de fronto-etmoidites curadas pelo processo de Ermiro de Lima. Descreveu a conduta operatória seguida, referindo que nesses 2 pacientes, um apresentava uma fistula interna e outro uma externa. Relatou em seguida, sumariamente, as observações dos dois casos. Frisou por ultimo as vantagens dessa técnica, não só pela sua elegância, como pelas reais vantagens que traz o esvaziamento do etmóide sub-mucoso.

Comentários:

Dr. Homero Cordeiro: Tem empregado o processo de Ermiro de Lima depois da comunicação que o A. fez em recente congresso. já se utilizou da técnica em 15 casos, e julga-a ideal, principalmente quando empregada nos etmóides largos.

Dr- Francisco Hartung: Perguntou se nas fronto-etmoidites francamente purulentas, em individuos alergicos com polipose, resulta benéfica a raspagem do etmóide sub-mucoso no sentido da não recidiva dos polipos.

Dr. 'Roberto Oliva: Pretende praticar a operação de Ermiro de Lima em todos os seus pormenores para verificar de fato a sua excelencia de técnica.

Dr. Mangabeira Albernaz: A operação de Ermiro de Lima, entre as 13 técnicas diversas, propostas pelos AA., para a abertura do etmóide por via transmaxilar, é a melhor, pelo facto de reunir os melhores pontos de reparo. Quanto á pergunta do dr. Hartung cré que não se deva operar, achando preferivel um tratamento conservador, usando-se o calcio vitaminas e levando-se em conta tambem o tipo constitucional.

Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião.




(*) - Trabalho publicado na Revista Oto-Laringologica de S. Paulo. Ano V1 - N.º 6 Novembro-Dezembro 1938.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia