ISSN 1806-9312  
Sexta, 24 de Maio de 2024
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
1088 - Vol. 19 / Edição 3 / Período: Maio - Junho de 1951
Seção: Revista das Revistas Páginas: 59 a 60
REVISTA DAS REVISTAS
Autor(es):
FABIO B. MATHEUS

GARCIA IBANEZ - "Indicações da fenestração" - Revue de Laringol.-Otol.-Rinolog. - ns. 11 e 12 - 71." ano - 1950.

Um dos elementos de sucesso da cofocirurgia é a seleção cuidadosa dos casos para determinar o maior ou menor comprometimento do aparelho coclear.

Sourdille assinála o valor da negatividade do Rine. Operação improfícua si a voz alta não é percebida sinão a meio metro. Acha que quando as celulas zigomaticas são milito desenvolvidas ha tendencia à infecção.

Lempert: Evidencia clinica de anquilose estapedo vestibular. Perda de audição aereas não passando de 60%. Audição ossea normal -ou com perda não superior a 30 db. nas frequências: 512 - 1.024 c 2.048.

Schambaugh: Classifica em A - B - C.

A) Forma ideal: Anquilose estapedo vestibular e função coclear normal. O diapasão 64 não é percebido por via aérea. Rine negativo com o 1.024. Schwabach normal ou prolongado para 512-1.024-2.048. Condução ossea não vae alem de 30 db.

B) Formas operáveis mas não ideais. Anquilose e degeneração coclear de inicio afetando somente a frequencia 2.048.

C) Formas com prognostico reservado. O estribo está anquilosado e na degeneração nervosa moderada.

Tipo de linguagem: O osteoescleroso operavel não eleva a voz. Si a voz é alta é provável que exista degeneração coclear.

Paracusia de Willis: Grande Valor.

Idade: Nem sempre as idades mais baixas são as melhores.

Gráu de surdes: Ha poucas formas ideais entre os grandes surdos. Diferença entre a condução ossea e a aerea: Quanto maior a diferença maior, a margem de ganho.

O 1.024 corno frequencia crítica: Sendo a condução ossea bôa pode-se in
clicar a operação.

Lado a operar: Operar o peior. É preferível obter um resultado aceitável que comprometer o melhor. Ent condições iguais operar o que tenha mais acufenos. Operar o melhor só si o pior não tiver nenhuma possibilidade.

Fenestração bilateral: Excepcionalmente e cor, 1 intervalo mínimo de 1 ano.

FABIO B. MATHEUS

MASSON - ROMANET - "Considerações sobre o soro de Bogomoletz em O.R.L. T Revite de Laringol. - Otol.- e Rhinolog. Portmann - ns. 1l. e 12 - 71.° 1 ano - 1950.

Bogomoletz começou os estudos do soro anti-reticulocitario em 1924, tendo feito as primeiras experiencias humanas em 1934. Injetando-se em animais, urna mistura de tecidos da linha conjuntiva, obtem-se um soro tóxico para o tecido conjuntivo humano quando em grande quantidade; e quando em pequenas quantidades irritam favoravelmente.

O soro é preparado com baço e medula esternal de jovens mortos por morte violenta e injetados em coelhos. São 5 injeções feitas com intervalo de 62 horas; sendo a 1ª intradermica e as restantes sub cutaneas. Podem sobrevir reações locais ou gerais.

Os autores empregaram o soro feito com placenta a termo, nas seguintes afecções : Laringites - Bronquites - Epitelioma da laringe - Rinite espasmodica - Ozena - Otites recidivantes - Asma - Estomatites - Simpatalgia facial.

Dizem os autores que os resultados foram animadores.

É uma terapeutica que age sobre o terreno, não é especifica. Tem valor como preventivo e adjuvante.

O n° de indicações é largo e deve ser tentado naquelas infecções torpidas resistentes a todas as terapeuticas.

FABIO B. MATHEUS
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2024 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia