Versão Inglês

Ano:  1942  Vol. 10   Ed. 2  - Março - Abril - ()

Seção: Associações Científicas

Páginas: 277 a 286

 

ASSOCIAÇÕES CIENTIFICAS

Autor(es): -

SECÇÃO DE OTO-RINO-LARINGOLOGIA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
REUNIÃO DE 17 DE MAIO DE 1941

Presidida pelo Dr. Gabriel Porto e secretariada pelos Drs. Cotrim e Sílvio Marone, realizou-se, no dia 17 de maio de 1941, a reunião mensal ordinária da Seção de Oto-rino-laringologia e Cirurgia Plástica da Associação Paulista de Medicina.

Expediente: - No expediente foi lida a ata da última reunião, O Dr. Francisco Hartung propôs a modificação de um trecho do resumo do trabalho apresentado pelo Dr. Angelo Mazza. Ficou resolvido então, que se comunicasse o fato ao A. e com o seu consentimento, se modificasse o aludido trecho.

ORDEM DO DIA

LINFOEPITELIOMA DO FARINGE - Dr. Francisco Monteiro Sales.

O A., apresentando as observações resumidas do ponto de vista histo-patológico, de 3 casos observados (dois de localização amidaliana e um de cavum) fez um ligeiro lembrete histológico das regiões em apreço, detendo-se no conceito do linfo-epitélio de Golly, e um breve apanhado histórico da questão, lembrando os trabalhos básicos de Regaud e de Schminche.

Referiu-se de passagem à diversidade de opiniões dos histopatologistas modernos no diagnóstico dêsses tumores, lembrando o trabalho de Salinger e Pearlman, que bem exemplifica a diversidade de critério diagnóstico dos analistas. Embora não aceita por unanimidade, a noção do linfoepitelioma pode ser levada em conta como entidade a parte de um tumor especial e peculiar dos linfo-epitélios, tanto por motivos de ordem embriológica, quanto de ordem morfológica.

Anatomo-patologistas modernos, como Ewinge, Lacassagne, etc., consideram o linfo-epitelioma como tal. As dificuldades diagnósticos dadas pela confusão ainda reinante na nomenclatura, reconhecem por causa principalmente as razões de ordem doutrivária em que se escudam os vários AA. que se tem ocupado do assunto.

No decorrer da sua comunicação o A. projetou microfotografias dos casos relatados e de alguns trabalhos citados.

COMENTÁRIOS:

DR. GABRIEL PORTO: - Agradeceu a contribuição magnífica do dr. Monteiro Sales, congratulando-se com a Casa pela apresentação de trabalhos referentes a anatomia patológica, ciência importantíssima, o que vem realçar o valôr cia comunicação apresentada.

ZONA AURICULAR (apresentação de um caso clínico) Dr. Rubens Brito.
O A. iniciou a comunicação fazendo considerações de ordem geral sôbre a moléstia em questão, referindo-se à literatura e a casos conhecidos.

Em seguida passou a estudar a sintomatologia da afecção, com todos os seus sinais, procurando fazer o diagnóstico diferencial com outras afecções passíveis de confusão. Fez a revisão da terapêutica, abordando tambem a questão do prognóstico.

Por fim apresentou um caso clínico, muito bem documentado, no qual foi tentada a terapêutica do salicilato de sódio, que não estava correspondendo a espectativa. O diagnóstico, a princípio em dúvida, ficou depois perfeitamente esclarecido.

COMENTÁRIOS:

DR. FRANCISCO MONTEIRO SALES: - Pediu a palavra, não para considerar a observação sob o ponto de vista da especialidade, mas apenas para comentá-la sob o ponto de vista da terapêutica. Lembrou então a terapêutica ensaiada pelo prof. Vampré, e que consiste na aplicação de salicilato de sódio endovenosalnente. No Instituto Penido Burnier, de Campinas, onde exerce suas atividades, teve ocasião de observar um caso, no qual obteve ótimos resultados com a terapêutica preconizada pelo prof. Vampré.

Felicita o A., considerando a observação muito bem orientada sob todos os pontos de vista.

DR. FRANCISCO HARTUNG: - Felicitou o A. pelo seu trabalho, ressaltando o ponto em que ele se refere ao nervo facial, considerando como perfeitamente certa a orientação tomada.

DR. ROBERTO OLIVA: - Considerou o erro inicial de diagnóstico a que se referiu o A. como susceptível de acontecer a qualquer outro especialista. Achou muito bem orientado o caso apresentado e o fato do doente apresentar vertigens, vômitos, etc., evidencia um comprometimento do vestibular; a terapêutica foi acertada, havendo regressão da sintomatologia.

DR. GABRIEL PORTO: - Elogiou o trabalho do A., considerando-o de grande importância clínica, pois mostra o valor da observação atenta e continua que os médicos devem ter com os seus casos. O caso apresentado é típico, mostrando nitidamente essa importância.

DR. RUBENS BRITO, respondendo: - Agradeceu aos comentários feitos. Tem a impressão que o salicilato de sódio não estava (latido os resultados e efeitos desejados, motivo porque lançou mão de outras terapêuticas.

CURIOSIDADE CLINICA - Dr. Francisco Hartung.

O A. relatou o caso curioso de um paciente que apresentou subitamente sintomatologia de aspecto grave, simulando labirintite ou chegando mesmo a fazer pensar em fenômenos decorrentes de lesão cerebral, tendo todo o seu quadro explicado com a retirada de um inseto do conduto auditivo.

COMENTARIOS:

DR. RUBENS BRITO: - Felicitou o A. pela sua comunicação, lembrando a oportunidade, nesses casos, de se fazer uma lavagem de ouvido. DR. ROBERTO OLIVA: - Inquiriu o A. sôbre a sintomatologia apresentada pelo paciente.

DR. GABRIEL PORTO: - Considerou o caso interessante e de grande raridade. Descreveu um caso de penetração de formiga na aritenoide. Agradeceu ao A. o trabalho apresentado.

DR. FRANCISCO HARTUNG: - Agradece aos comentários feitos, dando os esclarecimentos pedidos.

Nada mais havendo a tratar foi encerrada a sessão.

REUNIÃO DE 17 DE JULHO DE 1941

Presidida pelo Dr. Gabriel Porto e secretariada pelos Drs, Cotrim e Sílvio Marone -ad-hoc -, realizou-se no dia 17 de julho de 1941, uma reunião mensal ordinaria da Secção de Oto-Rino-Laringologia e Cirurgia Plástica, da Associação Paulista de Medicina.

Expediente - No expediente foi lida a ata da última reunião, que foi aprovada por unanimidade.

Foi comunicado a casa, tambem, o recebimento de uma carta do Dr. Manoel Gonzales Torres, dizendo da sua intenção de fazer uma comunicação na Secção de Oto-Rino-Laringologia, por ocasião de sua vinda a S. Paulo, para participar do Primeiro Congresso Latino-Americano de Cirurgia Plástica, aliás, já realizado. - Em seguida, pediu a palavra o Dr. J. Rebelo Neto, comunicando o desempenho de sua missão, ao representar a Secção de Oto-Rino-Laringologia no 1.º Congresso Latino-Americano de Cirurgia Plástica. Comunica tambem algumas das decisões mais importantes tomadas pelo congresso, como o pleteio da creação das cadeiras de Cirurgia Plástica, junto ás Faculdades de Medícina, creação de serviços especializados em cirurgia plástica, junto a leprosarios, etc..

- O Dr. Gabriel Porto, J. Rebelo Neto, o brilhante Ainda no expediente, o Marinho, presente à secção, em nome da Secção agradece ao Dr. desempenho da sua missão.
Snr. Presidente, sauda o prof. João pronunciando as palavras seguintes:

Meus caros colegas.

Meu caro Prof. J. Marinho.

A secção de Oto-rino-laringologia e Cirurgia Plastica da Associação Paulista de Medicina, quebra hoje, pela segunda vez, o ritmo rotineira de seu continuo labor, iniciado ha mais de 10 anos, para ouvir a palavra encantadora do Prof. J. Marinho.

Cabendo ao atual presidente, o dever de saudação, aquí estamos, Snr. Professor J. Marinho, não para enaltecer vossos elevados meritos morais e profissionais, já sobejamente conhecidos da classe médica paulista, mas para vos falar da estima e admiração que vos dedicam os oto-rino-laringologistas de São Paulo. Compreendendo em um sentido amplo, o dever de professor universitario, extendestes vossa ação muito além do ensino da oto-rino-laringologia aos estudantes.

Cultivastes com carinho o intercambio científico e a cordialidade entre os especialistas brasileiros, acorrendo sempre com palavras de estimulo aos neófitos e provocando o debate de transcedentes problemas da especialidade.

Ainda ecoam, neste recinto, as palavras da vossa magnifica conferencia sobre as petrites, tema que, fomos testemunhas, vos fora sugerido duas horas apenas antes da palestra, como o de maior atualidade em S. Paulo, e em que abordastes de maneira original as vias de acesso da infecção através das bainhas dos nervos petreos; e, já hoje, aqui estais, atendendo com a habitual generosidade, ao nosso convite para focalizar o importante problema da alergia.

Snr. Prof. João Marinho: si, para se falar em publico, é preciso usar a linguagem da sinceridade, não podemos ocultar a grande satisfação com que hoje vos dirigimos estas singelas palavras. Conhecemo-nos ha mais de 20 anos, desde que nos procurastes em momento infeliz da nossa existencia, quando ainda 1.° anista de medicina, aos 16 anos de idade, acabavamos de assistir à inesperada morte de nosso querido Pai, arrimo de um lar feliz, onde viviam despreocupados oito menores. Nessa ocasião convidaste-nos para vosso auxiliar. Acompanhamos durante oito anos, pari-passu vossa atuação de Mestre e assim nasceu a solida amizade, criada por sentimentos de gratidão e veneração, e já entretida pelos nossos ancestrais.

Depois, as exigencias da vida nos separaram, mas nem por isso abandonastes o discípulo que recebeu sempre do Mestre palavras de estimulo e provas de amizade. Si algo fizemos na vida e si aqui nos encontramos hoje, devemos tudo exclusivamente aos ensinamentos morais e técnicos que nos foram ministrados.

Snr. Prof. João. Marinho: muito ainda vos teria a dizer do afeto e admiração que todos nós, nesta Casa, vos dedicamos, si possuíssemos como os poetas o dom de falar a linguagem do coração, e si tivessemos bastante audácia para enfrentar a impaciencia com que o auditorio aguarda o inicio da vossa conferencia.

Nossa incompetencia literaria e o receio de importunar aos prezados consócios, obrigam-nos a terminar. Tem a palavra o Professor João Marinho.

ORDEM DO DIA:

ALERGIA EM OTO-RINO-LARINGOLOGIA (conferência) - Prof. J. Marinho.

O A. inicia agradecendo a gentileza da mesa convidando-o a realizar a sua palestra.

Procura, então, dar a definição de alergia, mostrando as suas dificuldades, reportando-se aos conhecimentos dos antigos, e fazendo uma rapida revisão até os conhecimentos modernos.

Em seguida refere-se à sintomatologia dos estados alergicos em oto-rino-laringologia, que constituem uma parte das manifestações alergicos gerais. Considera tambem o tratamento, e a patogenia, na qual toma parte todas as, afecções da especialidade, entrando a tecer comentarios sobre a imunidade e anafilaxia. Considera, por fim, o papel da histamina nos estados alergicos.

O SNR PRESIDENTE agradece a comunicação do Prof. J. Marinho.

TÉCNICA CIRURGICA DA OZENA - Dr. Ernesto Moreira. O A., atendendo a pedido de varios colegas, apresentou a técnica de cirurgia da ozena, com as. modificações pessoais por si introduzidas.

Feita a exposição do método cirurgico classico Lautenchläger-Seiffert com demonstrações em pranchas, o A. passa a relatar as modificações introduzidas, que consistem no seguinte os primeiros tempos da cirurgia foram conservados, de acordo com o método classico, sendo que o ponto em U de Seiffert, foi substituído pelo ponto em V, a espaço anterior, executado da maneira seguinte: A agulha de Seiffert, introduzida na parte postero-superior do antro esquerdo do paciente passa para o antro direito. Aí é mantida com catgut grosso n.° 3, cromado, e volta de novo ao antro esquerdo. A seguir, a agulha é introduzida na parte antero-inferior do mesmo antro esquerdo para o direito, e de novo a agulha é mantida, trazendo o catgut do antro direito para o esquerdo. Aí é então fixado o primeiro ponto com coaptação a mais perfeita possível da parte nasal do antro direito de encontro do septo. Em seguida, a agulha é introduzida na parte postero inferior do antro direito para o esquerdo, onde mantido com o mesmo catgut é reconduzida para o antro direito de novo a agulha é introduzida na parte antero-inferior do antro direito para o esquerdo. A ponta do catgut trazido para o antro direito é transfixada nessa cavidade com a mesma técnica do nó executado no antro esquerdo, isto é, com a coaptação a mais perfeita possivel da parede do antro esquerdo de encontro ao septo.

COMENTÁRIOS

PROF. J. MARINHO: - Pediu a palavra apenas para felicitar o Dr. Ernesto Moreira, que veio mostrar bem claro o adiantamento da especialidade entre os paulistas.

DR. ERNESTO MOREIRA: - Agradece as palavras elogiosas do Prof. João Marinho.

- O SNR. PRESIDENTE agradece o trabalho apresentado, e nada mais havendo a tratar foi encerrada a sessão.

SOCIEDADE DE OTO-RINO-LARINGOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

Sessão solêne comemorativa do quarto aniversario da Sociedade
de O. R. L. do Rio de janeiro - 9-X-1941

Presidida pelo Dr. Mauro Penna e secretariada pelo Dr. Homero Carriço. O Snr. Presidente convida a fazer parte da mesa o Prof. Marinho. Em seguida lê seu discurso, que foi o seguinte -

Snr. Presidente Honorario. Snrs. Consócios.

Snrs. Companheiros de Diretoria.

A Sociedade de Oto-rino-laringologia do Rio de janeiro, completa hoje seu quarto ano de vida. Esta sessão, solene por determinação estatutária e solene por seu espirito, é o marco de mais um passo vencido.

O ano social que hoje se encerra, iniciou auspiciosamente com a recepção do ilustre especialista argentino, grande amigo do Brasil, Dr. Juan Manuel Tato. Seguiu-se a série de trabalhos com que os Snrs. Consócios participaram das homenagens ao Sr. Presidente Honorario, pela passagem de seu jubileu Professoral, que culminaram com a realização de uma sessão, ordinaria no nome, por pedido expresso de S. Excia., solene pela razão de ser, memoravel pelo decorrer dos debates e pela presença de vultos ilustres da oto-rino-laringologia do País, sócios honorarios da maior projeção, que nos honraram com a exposição de suas experiencias, em assunto da maior importancia.

Prosseguindo seus trabalhos, com a serenidade de um grupo amigo que se dispuzéra a lutar por alguma cousa, sem balburdia ou estardalhaço, teve ainda a honra de vêr assistir a uma de suas sessões, o grande especialista de Santiago do Chile, Dr. Alfredo Alcaino e os jovens colégas uruguáios, Drs. Salla Lopez e Rebagtiatti, lídimos representantes da especialidade no pais amigo. Ainda de permeio ás suas atividades habituaes, recebeu em sessão especial, o Prof. Santiago Aráus, de Buenos-Aires, que pronunciou uma conferencia sobre tema de grande interesse.

O esforçado Snr. 1.° Secretário, em relatorio que será lido a seguir, proporcionar-lhes-á a ocasião de rever, com minucia, as atividades sociaes deste ano. Ver-se-á então, que o quarto ano de existencia da Soc. de O. R. L. do Rio de janeiro, decorreu em sadia atividade e intima camaradagem, fertil em trabalhos interessantes.

Si a Presidencia teve que tomar algumas medidas administrativas quanto a sócios que incorreram em dispositivos estatutarios rigorosos, isto prova que procurou dar desempenho ao prometido, fazendo cumprir a lei basica da Sociedade sem distinção pessoal.

Apresentamos neste momento explicações e satisfações pessoaes aos Snrs. Colégas atingidos pelas sanções estatuídas , pois pessoalmente lamentamos que nos tenha cabido a desagradavel tarefa de executor de dispositivos tão pouco simpaticos, mas que foram discutidos pelos Snrs. Socios Fundadores e adotados por vótos da maioria absoluta dêles.

Procurou ainda a Presidência , cumprir o que prometeu, incentivando as relações cientificas com as Sociedades congêneres do Continente e si o fruto colhido não chegou a ser ponderavel, isto foi por razões independentes de sua vontade. Passa á nova Diretoria que ainda hoje será ele:ta, a incumbencia de desenvolver o iniciado, esperando que seja mais feliz. As negociações para a vinda do Prof. Canuyt, assim como a organização de sessões conjuntas com as suas co-irmãs do País, constituirão certamente tarefa de relevo, com que se ocupará tambem.

Senhores !

Um Filósofo chinês, cujas obras estão em grande evidencia, viu no Povo Americano uma grande força de idealismo e outra de realismo. Atribue a energia desta gente, á faculdade que tem, de pôr em chóque essas duas forças.

Que a Sociedade de O. R. L. do Rio de janeiro, veja nessa análise filosófica uma aplicação imediata e pratica. Ha em todos nós, a concepção ideal desta Sociedade - O Sonho: --' Todos os especialistas irmanados em um esforço de cooperação, colaboração honesta e franca, sessões com numerosa frequencia, ordens do dia fartas e assuntos de pura ciencia em debate. No entanto, a realidade é outra - O FATO: - Suscetibilidades á flôr da péle, vaidades insatisfeitas, orgulhos feridos, pretenções descabidas, personalismo, frequencia reduzida, ordens do dia fracas e dificuldades de todo genero. Que ela tire sua energia, esta energia que a tem mantido, do que constante destes dois aspéctos e não haverá força que possa. impedir sua marcha vitoriosa. Que aqueles que pódem encarar estas palavras francas com compreensão não se afastem de sua atividade e seu futuro será uma perene colheita de magníficos frutos.

E' nosso dever agradecer aos companheiros de Diretoria o esforço dispendido, e aos Snrs. Mestres e Consocios, que nos apoiaram com sua presença e colaboração. Somos os primeiros a reconhecer a nossa insuficiencia e não nos poupamos reprimendas, mas desejamos relembrar, que a todo momento, fizemos sentir o quanto tinhamos como certa a nossa incapacidade de desicumbir-nos com brilho, da tarefa que tão bondosamente depuzeram sobre nossos ombros.

E terminamos, ainda com o Chinês: -"SI NÃO TIVERMOS ILUSÕES, NÃO NOS DESILUDIREMOS E NÃO TENDO ESPERANÇAS EXTRAVAGANTES, NÃO.NOS DECEPCIONAREMOS. Assim teremos o espirito emancipado...".

O Snr. Presidente lamenta a ausencia do Snr. Primeiro Secretario. Dá a palavra ao Snr. Tesoureiro, Dr. Milton de Carvalho, que expõe o movimento e situação da Tesouraria, durante o exercicio que finda.

O Snr. Presidente informa que o Snr. Tesoureiro fez chegar à meza a sugestão de ser aumentado o quadro social. Da a palavra a quem o desejar. O Prof. João. Marinho, interpretando o sentimento de todos, dirige palavras elogiosas aos membros da Diretoria que ora termina seu mandato, pela maneira como souberam dirigir os trabalhos durante mais um ano de vida da Sociedade. Tece considerações em torno do aumento da quota social. O Snr. Presidente encerra a sessão, convocando sessão ordinaria para eleição da nova Diretoria, a ser realisada dentro de 10 minutos.

36ª Sessão ordinaria - 9-X-1941

Presidida pelo Dr. Mauro Perna e secretariada pelo Dr. Homero Carriço. O Snr. Segundo Secretario lê a ata da 35.ª sessão ordinaria, que é aprovada. E dispensada a leitura da ata da sessão solêne.

No expediente é eleito por aclamação, para rocio correspondente estrangeiro, o Prof. Conde Jahn, Catedratico de O. R. L. da Faculdade de,Medicina de Caracas, Venezuela.

O Snr. Presidente acusa o recebimento do relatorio do Snr. Primeiro Secretario que devia ter sido lido na sessão solêne. O Segundo, Secretario lê o referido relatorio que constou do seguinte
"Muito realisou a Sociedade de O. R. L. do Rio de janeiro no ano que agora finda. Quer na parte social, quer na cientifica, muito fez. Além de grande numero de socios que recebeu em seu seio, cujo numero seria fastidioso enumerar, adquiriu também amigos no estrangeiro, que a admiram e prestigiam. Assim, foi proposto para socio Honorario o Prof. Pedro Berruecos, do Mexico. Suas sessões, sempre cheias, tiveram a honra da presença de ilustres colegas dos outros Estados do Brasil, notadamente de S. Paulo e de ilustres especialistas do Chile, Argentina e Uruguai. Foram apresentados inumeros trabalhos de grande valor cientifico. Dentre os colegas que mais concorreram para o brilho das sessões, figuram os Drs. Aristides Monteiro, Paulo Brandão, Estevam de Rezende, Mïlton de Carvalho, Mauro Penna, Pinto Fernandes, Ermiro Lima, Georges da Silva e muitos outros. Foram feitas varias conferencias, destacando-se as dos Drs. Gonzalez Loza, Santiago Aráus e Tato.

Foram projetados filmes diversos em suas sessões.

Q Snr. Presidente, durante o ano, resolveu aplicar o artigo dos Estatutos que mandava transferir para socios correspondentes os colegas que tivessem faltado mais de dois anos às sessões da Sociedade.

Com grande bilho, a Sociedade se fez representar nas festas do jubileu professoral do Prof. João Marinho, tomando parte ativa em todas as merecidas homenagens que lhe foram tributadas pelos especialistas brasileiros.

Ao findar um novo ano, só um grande desejo nos anima: o de vêr a Sociedade prosseguir em sua trajetória brilhante. Praza aos Céus que aquele por vós escolhido para reger os destinos desta já ilustre Sociedade, seja aquele que entre nós mais por ela se tenha interessado. Sc o trabalho contínuo, os sacrificios nunca medidos pelo brilhante futuro, farão com que ela prossiga, sempre, com o mesmo brilho que até então, para gloria da Medicina brasileira."

Não havendo, como determinam os Estatutos, 2/3 de socios efetivos presentes, para eleição da nova Diretoria, o Snr. Presidente encerra a sessão, convocando outra extraordinaria dentro de três minutos.

Sessão extraordinaria convocada para eleição de nova Díretoria
9-X-1941

Presidida pelo Dr. Mauro Penna e secretariada pelo Dr. Homero Carriço. E dispensada a leitura da áta da sessão anterior. O Snr. Presidente lê a relação dos socios presentes que possuem 2/3 de frequencia exigidos pelos Estatutos para eleição, aos quais distribue as cedulas. Convida para escrutinadores os Drs. Archimedes Peçanha e Humberto Lauria. O Snr. Segundo Secretario procede à chamada pelo livro de presenças, depositando cada socio sua cedula na urna. Verificada a igualdade do numero de cedulas com o de votantes, procede-se a apuração, cola o seguinte resultado

Para Segundo Vice-Presidente: , Prof. Maurilo de Melo - 9 votos; Para Secretario Geral: Dr. Walter Muller dos Reis - 8 votos; Dr. David Adler - 1 voto- Para Primeiro Secretario Dr. Seabra Junior - 9 votos; Para Segundo Secretario: Dr. Getulio Silva - 9 votos; Para Terceiro Secretario: Dr. Fernando Linhares - 9 votos; Para Orador - Dr. Werneck Passos - 9 votos; Para Tesoureiro: Dr. Milton de Carvalho - 8 votos; Dr. Archimedes Peçanha - 1 voto; Para Bibliotecario: Dr. Archimedes Peçanha - 9 votos; Comissão de Redação: Dr. Ermiro Lima - 9 votos, Dr. Pinto Fernandes,- 8 votos, Dr. Capistrano Pereira - 7 votos, Dr. Mauro Penna - 1 voto, Dr. Humberto Lauria - 2 votos.

O Snr. Presidente proclama eleita a nova Diretoria que ficou assim organizada : Presidente - Dr. Alberto Ision Ponte; 1.° Vice-Presidente - Dr. Aristides Monteiro; 2.° Vice-Presidente - Dr. Maurilo Melo; Secretario Geral - Dr. Walter Muller dos Reis; 1.° Secretario - Dr. Seabra Junior ; 2.° Secretario - Dr. Getulio Silva; 3.° Secretario - Dr. Fernando Linhares; Orador - Dr. Werneck Passos; Tesoureiro - Dr. Milton de Carvalho; Bibliotecario - Dr. Archimedes Peçanha; Comissão de Redação: Dr. Ermiro Lima, Dr. Pinto Fernandes e Dr. Capistrano Pereira.

Na ausencia do Dr. Alberto Ponte, o Dr. Mauro Perna convida o Dr. Aristides Monteiro para assumir a Presidencia. O Dr. Aristides na ausencia dos secretarios eleitos, convida tomar parte na mesa os Drs. Milton de Carvalho e Werneck Passos. Após algumas palavras sobre a orientação da nova Diretoria, encerra a sessão às vinte e duas horas e trinta minutos.

Imprimir:

BJORL

 

 

 

 

Voltar Voltar      Topo Topo

 

GN1
All rights reserved - 1933 / 2021 © - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial