Versão Inglês

Ano:  1942  Vol. 10   Ed. 1  - Janeiro - Fevereiro - (16º)

Seção: Trabalhos Originais

Páginas: 194 a 214

 

Ozena (Rinite Atrófica Fétida) - Observações - Comentários (3)

Autor(es): Dr. Ernesto Moreira

OBS. 62 - O. F. 17 anos, branco, brasileiro, empregado no comércio, residente em S. Paulo.

Anamnese : Doente desde os 12 anos, não mais se lembra do início da moléstia. As pessoas da família notaram o mau odor e os resfriados constantes de que era portador. Mais tarde o mau cheiro acentuou-se, começando a aparecer crostas amarelo-esverdeadas que muito incomodavam o paciente. Olfato muito prejudicado. Tem feito tratamento com lavagens, sem resultado. Seu pai e dois irmãos são tambem portadores da mesma moléstia.

Exame nasal: Pelo exame externo nada de anormal. Pela rinoscopia : ligeiro desvio do septo para a esquerda. Atrofia mais pronunciada para a direita. Mucosa anêmica, crostas aderentes aos cornetos inferior e médio, assim como ao nasofaringe. Mau cheiro muito pronunciado. No exame bucal notam-se as amígdalas atrofiadas, dentes regulares ; nunca se queixou de dor de garganta. Nos ouvidos, nada de anormal.

Operado : 23-2-40. Ato operatório normal, doente paciente.
Exame: Frequenta o serviço assiduamente.

Epicrise : Durante os primeiros meses observou-se um corrimento sero-sanguinolento, com mau cheiro. Presentemente, declara o doente estar satisfeito com o resultado da operação. Faz ainda lavagens nasais, tendo desaparecido porem as crostas e o mau cheiro.

Exame Radiológico : Opacidade de ambos os seios maxilares, desvio do septo para a esquerda. Atrofia da mucosa nasal.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 40.

OBS. 63 - S. F. 17 anos, solteiro, branco, brasileiro, residente em São Paulo.

Anamnese: Há muito tempo já percebeu a moléstia, porem, não se recorda como começou. O mau cheiro de seu nariz, é percebido pelas pessoas da família. Expele crostas amarelo-esverdeadas e quando essas se acumulam, respira

com dificuldade e tem sensação de peso e dor de cabeça. Não tem olfato. Pais vivos e sadios. Só tem 1 irmão mais velho. E' desconhecida da família esta moléstia. Já tentou diversos tratamentos, todos sem proveito.

Exame nasal: Aspeto normal do nariz pela inspeção exterior. Interiormente atrof ia dos cornetos com depósito de crostas nos meatos. Mau cheiro pronunciado. Mucosa pálida, afilada, atrófica, mais acentuada nas conchas inferiores. Catarro espesso no nasofaringe.

Exame da cavidade bucal: Amigdalite crônica, dentes regulares. Ouvidos normais.

Operado : 24-10-40. Doente impaciente.

Exame: Semanalmente vem à clínica, onde é inspecionado.

Epicrise : Acentuado edema das bochechas nos primeiros dias. Permanencia de catarro nos meatos. Ausência de crostas. O enfermo diz estar muito melhor do que antes. Com apenas, uma lavagem por dia passa perfeitamente bem.

Exame Radiológico : Opacidade intensa dos seios frontais. Diminuição da transparência dos seios maxilares. Atrofia dos cornetos.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 5%.

Exame clínico: Subjetivamente : o doente de nada se queixa. Nada de anormal no crâneo e nos orgãos dos sentidos. Aparelho respiratório normal. Aparelho circulatório : coração com bulhas normais, ligeiramente taquicárdico. Aparelhos digestivo e urinário normais. Sistema nervoso : esteve em tratamento de cores da qual se curou.

OBs. 64 - O. T. 17 anos, solteiro. Só tem país. Sete irmãos vivos e sadios.

Anamnese : Tem dois irmãos um com 14 anos e outro com 23, portadores da mesma moléstia.

Sente, às vezes, mau cheiro no nariz,; as pessoas da casa a ele se referem.

Exame nasal: Tem ainda bom olfato. Respira bem. Amígdalas hipertroficas. Nunca se queixou de dor de garganta ou de ouvidos. Atrofia mais pronunciada do lado direito. Ligeiro desvio do septo para à esquerda. Crostas no nasofaringe, com depósito de catarro.

Operado: 7-2-40. Ato operatório normal.

Exame Radiológico : Opacidade intensa do seio maxilar esquerdo. Diminuição de transparência do seio maxilar direito. Osteite das paredes nasais de ambos os seios maxilares. Atrofia dos cornetos médios e inferiores. Sinais radiológicos de ozena.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 7,6.

OBS. 65 - M. F. 17 anos, solteiro, pais vivos é com saude. Só tem um irmão vivo e sadio. E' o primeiro filho.

Anamnese : Não há na família essa doença. Há mais ou menos um ano que tem a moléstia. Gasta um lenço por dia. Tem bom olfato quando limpa o nariz. As pessoas de casa queixam-se do mau cheiro.

Exame nasal: Ligeira atrofia nasal de ambos os lados, mais pronunciada na parte posterior. Catarro no nasofaringe. Mucosa em bom estado.

Operado: 23-8-39. Ato operatório sem acidentes.

Epicrise : Até agora o resultado tem sido ótimo.

Exame Radiológico : Cavidades acessórias da face de transparência normal. Hipertrofia dos cornetos.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : +2.

OBs. 66 - A. A. 18 anos, solteiro. Pais vivos e com saude. Seis irmãos vivos e fortes.

Anamnese : E' o finito que tem essa moléstia na família. Há mais ou menos um ano que a percebeu. Sente o nariz inchado por fora e obstruido por dentro. Catarro preso na garganta. Ao se assoar com força sae do nariz uma crosta amarelo-esverdeada com pronunciado mau cheiro. Tem ainda bom olfato.

Exame nasal: Atrofia nasal grande para a direita e desvio do septo para a esquerda. Mucosa em bom estado. Crostas à direita e catarro à esquerda.

Operado : 29-2-40.

Exame: Logo após a operação foi examinado periodicamente.

Epicrise : Até a presente data, o paciente sente-se bem, sem mais nenhuma novidade no nariz. O resultado operatório foi bom.

Exame Radiológico : Seios da face de transparência normal. Desvio do septo para a esquerda. Sinais de osteite condensante nas paredes nasais dos seios maxilares.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : -2.

OBs. 67 - R. M. 18 anos, solteiro, pais vivos e sadios, 5 irmãos vivos. E' o terceiro filho.
Anamnese : Nenhum membro da família sofre dessa doença. Há dois anos que sente a moléstia. Veiu à clinica por causa de dor de cabeça.

Exame nasal: Mucosa dos cornetos inferior e médio em bom estado. Depósito de catarro nos meatos e no nasofaringe. Não tem olfato.

Operado : 15-1-40. Posoperatório normal.

Exame : Foi revisto apenas uma vez, tendo sé retirado para o interior.

Epicrise: Durante os poucos dias que o doente permaneceu no serviço foi por várias vezes observado, notando-se boa aproximação em ambas as fossas nasais com ligeiro corrimento. Resultado bom, até o presente.

Exame Radiológico : Opacificação intensa do seio maxilar esquerdo, cujas paredes se apresentam irregulares, notando-se que a parede nasal se encontra adelgaçada e bombeada para a cavidade nasal. Aumento de transparência das cavidades anexas, devido à atrofia dos cornetos. Demais seios, de transparência normal.

OBs. 68 - A. S.-18 anos, branco, brasileiro, solteiro, chapeleiro, residente na Capital.
Anamnese : Há 6 anos tem a moléstia tendo se revelado por forte mau cheiro, que o doente não percebia. Crostas verdes numerosas. Fez tratamento, sem melhora nenhuma. Um de seus irmãos tem á mesma moléstia do nariz.

Exame nasal: Dorso do nariz achatado (nariz em sela). Pela rinoscopia anterior, paredes nasais cobertas de crostas verdes e mal cheirosas. Pela retirada destas, vê-se atrofia grande dos cornetos inferiores e médios muito mais acentuada do lado esquerdo. O septo apresenta deste lado um esporão. Mucosa empalidecida, vendo-se a face posterior do nasofaringe. Olfato diminuido.

Operado : 14-4-1923. (Drs. Moreira e P. Saes). Nove dias após a operação apareceu na clínica da Santa Casa, com miiasis (bicheira), tendo sido as larvas retiradas em grande número, não só pelo nariz como pela faringe. Já então havia perfuração do véu do paladar saindo através dele, larvas em quantidade enorme. Essa perfuração fechou algum tempo depois, deixando, após a cicatrização uma paralisia bilateral do palato mole.

Epicrise : No caso presente, mobilisação boa e sinéquia ótima de um lado e nula do outro. Atribuimos isso a algum defeito da técnica operatória, talvez a falta de curetagem no mesmo nivel das mucosas do septo e do corneto inferior. Apezar disso, o resultado foi bom, pois não há mau cheiro, nem crostas, apenas uma secreção fluida do lado direito ; o descaso do doente acarretou-lhe uma paralisia do véu palatino, que, embora não houvesse culpa do operador, diminuiu perante o paciente, o valor final que damos como 80%. Este caso foi operado há 8 meses.

Reação de Wassermann : negativa.

OBS. 69 - J. M. 18 anos, pardo brasileiro, tintureiro, residente em S. Paulo.

Anamnese : Há cinco anos teve início sua moléstia com frequentes resfriados. Algum tempo depois crostas verdes, e mau cheiro, percebido pela família e pelo próprio doente. Perdeu o olfato. Nenhuma pessoa da família tem afecção nasal. Fez tratamento de lavagens, sem resultado.

Exame nasal: Atrofia média dos cornetos inferiores e médios. Mucosa pálida, crostas esverdeadas e mal cheirosas. Desvio do septo para a esquerda.

Operado: 22-6-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : Este caso tem presentemente 6 meses após a operação. Vimos que em ambos os lados não houve formação de sinéquia, o que não impediu, entretanto, que ambas as fossas nasais se apresentem bem estreitadas. O mau cheiro desapareceu completamente. As crostas que ainda saem são devidas ao desvio do septo para a esquerda, pois se formam no lado da cavidade do desvio, influindo assim sobre o resultado final. Sobre a ação do desvio do repto nas operações de r. a. f., ha 3 anos, Hinsberg chamou a atenção dos especialistas. 4 caso presente, que pode ser considerado como tendo melhora de 80%, ainda pode ser corrigido pela luxação do corneto inferior direito.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 70 - N. T. 18 anos, solteiro, branco, lavrador, residente em Sorocaba.

Anamnese : Doente há 5 anos, com mau cheiro, crostas amarelo-esverdeadas, perda da olfação. Tem se tratado sem resultado. Ultimamente sentia dor no ângulo interno do olho direito, acompanhada de lacrimejamento. Ficou curado dessa dacriocistite supurada, após a operação de West, praticada pelo Dr. Mario Ottoni. Ninguem da família tem afecção nasal.

Exame nasal: Atrofia grande dos cornetos médios e inferiores. Cavidades nasais muito aumentadas de volume.

Wassermann :negativo.

Operado : 27-12-1922. (Drs. Moreira e P. Saes). Ponto retirado 60 dias após.

Exame: 6-4-1923. Sinéquias boas, cornetos com mucosa rósea, suculenta. Desaparecimento de crostas e mau cheiro. Oração recuperada.

Exame: 27-8-1923. Mesmo estado do último exame.

Epicrise : Não tendo sido possivel ao doente vir de Sorocaba, baseamo-nos na informação de que não se formam mais crostas nem mau cheiro. O doente está satisfeito com o resultado operatório. Por ela e pelos exames anteriores podemos considerar este caso operado há um ano, como tendo conseguido resultado satisfatório.

Obs- 71 - R. S. 18 anos, branco, brasileiro. Empregado no comércio. Residente em S. Paulo.

Anamnese : Doente há 8 anos. Mau cheiro, crostas verdes abundantes. Tem se tratado sem resultado. O mau cheiro, sempre presente. Ninguem em sua casa tem moléstia do nariz.

Exame nasal: Cavidades nasais aumentadas em ambos os lados. Atrofia grande da parte posterior dos cornetos inferiores. Desprendimento de grande quantidade de crostas amarelo-esverdeadas, com mau cheiro. Parede posterior do naso-faringe muito visivel. Olfação diminuida.

Wassermann - negativo.

Operado : 18-1-1923. (Drs. Moreira e P. Saes). Ponto retirado 2 meses após a operação.

Exame: 7-4-1923. Sinéquia à direita boa, à esquerda somente na parte posterior. Mobilização ótima. Mucosas túrgidas e suculentas. Olfação recuperada, desaparecimento de crostas e mau cheiro.

Exame: 21-12-1923. Fossa nasal direita : mobilisação boa, sinéquia entre o corneto inferior e o septo. O meato médio apresenta-se muito amplo, por se ter a sinéquia formado muito baixa, e ainda acrescendo haver um desvio do septo para o lado oposto, de modo que formavam-se aí crostas verdes, como antes.

Fossa nasal esquerda: Mucosa normal, cavidade estreitada pela boa mobilização. Ausência de sinéquia e de crostas, neste lado. Há um certo grau de insuficiência respiratória nesta fossa nasal. O doente refere que pela manhã ainda saem crostas pela faringe. O mau cheiro ainda persiste, se bem que diminuido. As pessoas da família ainda o sentem. Olfação perfeita.

Epicrise : Este caso, em que havia uma grande atrofia posterior não deu resultado do lado direito. Assim a sinéquia desse lado formou-se entre o septo e o corneto inferior, muito baixa. O meato amplo, acrescido pelo desvio para o lado oposto, tornou-se por isso um ponto de formação de crostas, que aí ficaram aderentes e em grande quantidade. Acresce ajuda ter nesse lado a sinéquia se estabelecido muito anteriormente, não influindo sobre a grande atrofia posterior. Por isso vemos a saída das crostas pelo nasofaringe. Já do esquerdo o resultado foi bom. Pelos motivos acima expostos, vemos que o processo tem naturalmente os seus defeitos, dependentes de causas diversas, que muitas vezes não podem ser previstas, juntando-se ainda os defeitos de técnica, independentes muitas vezes da vontade do operador. Apezar disso, o caso presente trouxe ao doente ligeiras melhoras, pois há tempos que as crostas não se formam e o mau cheiro diminuiu. Este caso foi operado há 11 meses.

OBs. 72 - J. G. 19 anos solteiro, branco, brasileiro, serralheiro, residente em São Paulo.
Anamnese : Há mais ou menos cinco anos que está doente. Fez vários tratamentos sem proveito. Só tem mãe, 4 irmãos, é o segundo filho. Não há na família esta moléstia. As pessoas de casa não se queixam do mau cheiro. Ainda conserva o olfato, pois percebe o mau odor.

Exame nasal : Aspeto externo, normal. Internamente: atrofia nasal enorme de ambas as fossas. Mucosa anemiada, aderente ao arcabouço ósseo. Crostas em quantidade, obstruindo a luz nasal. Mau cheiro insuportavel. Catarro aderente ao nasofaringe.

Exame da boca : Dentes regulares, tratados. Amígdalas impersceptiveis. Não acusa dôr de garganta. Ouvidos normais.

Operado : 12-12-40. Doente paciente. Durante a operação não houve acidente algum.
Exame: Regularmente comparece ao serviço, onde é observado.

Epicrise : Não obstante tratar-se de um caso pouco favoravel à cirurgia, conseguimos, felizmente melhorar muito o estado local do enfermo que se manifesta muito satisfeito até o presente. A mobilização, graças a sua docilidade, foi bem executada. Resultado bom.

Exame Radiológico : Osteite das paredes nasais dos seios maxilares que se encontram opacos. Osteite do septo nasal. Atrofia dos cornetos. Sinais radiológicos de espessamento da mucosa e das células etmoidais.

Aspecto radiológico de r. a. f. Reação de Wassermann : negativa. Metabolismo Básico: -1-40.

OBs. 73 - A. T. 19 anos, solteiro, pais vivos e fortes, 3 irmãos com saude.

Anamnese : Há já muito que sente catarro no nariz, ultimamente dor de cabeça e peso. O nariz sangra com muita facilidade. Sem mau cheiro. Ainda tem bom olfato. Crostas em pequena quantidade.

Exame nasal: Ligeira atrofia nasal de ambas as fossas, mucosa em bom estado.
Operado: 18-8-38.

Epicrise : O paciente, após a operação diz sentir-se perfeitamente bem. Exame Radiológico: Seios anteriores e profundos da face de transparência normal.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: -2.

OBS. 74. - G. C. 19 anos, solteiro,pais vivos e sadios, cinco irmãos vivos e fortes.

Anamnese : Não há doentes do nariz na família. Há poucos di4g percebeu mau cheiro e crostas.

Exame nasal: Tem bom olfato. Pela rinoscopia, nota-se: atrofia bem característica dos dois lados, porem, mais acentuada na porção póstero superior, com desprendimento de crostas.

Operado : 20-7-38. Ato operatório normal.

Exame: Foi observado durante algum tempo, não mais voltando ao serviço. Epicrise : Até o último exame o resultado era considerado bom.

Reação de Wassermann : negativa.

OBS. 75 - S. C. M. Solteiro, 19 anos. Pai vivo, mãe morta, dois irmãos vivos e sadios.

Anamnese : Não há essa moléstia na família. Nunca teve manifestações da doença a não ser agora, quando examinado para verificar praça na Força Pública. Não sente o mau cheiro, tem bom olfato.

Exame nasal : Mucosa em bom estado, atrofia posterior de ambos os lados com pequenas crostas pela faringe.

Operado : 29-1-38.

Exame : Foi por varias vezes examinado.

Epicrise : O paciente sentiu-se tão bem que conseguiu entrar para a Força Publica.

Exame Radiológico : Ligeira diminuição da transparência de ambos os seios maxilares, parecendo correr por costa do espessamento da mucosa.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: +16,9.

OBs. 76 - B. Z. 16 anos, branco, brasileiro, solteiro, ferreiro, residente na Capital.

Anamnese : Doente há 2 anos, com corrimento nasal e forte mau cheiro. Tem feito varios tratamentos, sem resultado. Diz sair pelo nariz grande quantidade de crostas verdes.

Exame nasal: Cavidades aumentadas, em ambos os lados. Mucosa pálida e atrófica. Crostas verdes, com mau cheiro. Atrofia média dos cornetos, mais pronunciada na porção posterior. Cornetos inferiores atrofiados. Olfato diminuido.

Operado: 24-1-23 (Drs. Moreira e P. Saes). - Edema manifesto. Durante alguns dias, no seio direito persistiu um corrimento sanguíneo purulento. Ponto retirado em 14-3-23.

Exame: Sinéquia à direita boa, ausente à esquerda. Mucosa túrgida, cornetos regenerados. Sem crostas nem mau cheiro. Olfato recuperado.

Exame : 21-12-23. Fossa nasal direita : mobilização ótima; cornetos turgescentes, sinéquia apenas posterior. Cavidade bem estreitada, meato inferior, um pouco amplo, com secreção fluida, ausência de crostas. Fossa nasal esquerda: mucosa normal, mobilisação ótima, ausência de sinéquia ; algumas crostas secas depositados no meato inferior, que se acha amplo. Faringe de aspeto sadio Respira normalmente.

Não faz lavagens nasais, ausência de mau cheiro.

Epicrise : A atrofia no caso presente, era acentuada, na porção posterior. No lado direito a sinéquia se acha apenas nesta porção preenchendo o fim destinado; à esquerda não existe porem a cavidade se mostra bem estreitada, mesmo na porção posterior. Apenas os meatos inferiores se mostram amplos, com algumas crostas, porem, ausência completa do mau cheiro. A melhora neste caso, pelos dados que acima expomos, julgamo-la de 80%. Melhor que o nosso critério diz ainda a satisfação do doente pelo resultado obtido.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 77 - C. M. 19 anos, branco, solteiro, brasileiro, empregado no comércio. Residente em Santo Amaro.

Anamnese : Iniciou-se há 4 anos sua molestia com resfriados e corrimentos nasais, às vezes sanguinolentos. Depois mau cheiro, notado pela família, e não pelo próprio doente. Este tinha anosmia completa. Crostas amarelo-esverdeadas. Fez tratamento em Campinas, sem resultado, ou com ligeiras melhoras. Na família não há casos de afecção nasal.

Exame nasal: Fossas nasais muito aumentadas, com atrofia média dos cornetos inferiores e médios. Mucosa empalidecida. Desvio do septo para a esquerda. Crostas aderentes às paredes dos cornetos inferiores e médios.

Operado : 24-3-1923. (Drs. Moreira e P. Saes). - Edema posoperatório pronunciado. Oito dias após a operação teve forte hemorragia pela abertura do antro. Foi necessário fazer tamponamento do lado esquerdo, mesmo pela cavidade nasal, o que deveria ter prejudicado o resultado operatório.

Epicrise : A hemorragia do antro esquerdo, obrigando a fazer o seu tamponamento, bem como da cavidade nasal, desse lado, prejudicou o resultado final, que seria bom como prova o lado são. Não há porem mau cheiro, e as crostas só se formam em pequena quantidade do lado esquerdo. A olfação readquirida. O resultado deste doente, operado há 9 meses, foi, devido ao acidente, de 80% de melhora.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 78 - E. R. 20 anos, solteiro. Pais sadios. Tres irmãos vivos e dois mortos.

Anamnese : E' o único que tem essa moléstia na família. Há três anos percebeu grande quantidade de catarro nasal, com crostas e mau cheiro. Tem bom olfato, quando o nariz está livre.

Exame nasal: Atrofia grande, muitas crostas, mucosa nasal em mau estado. Caso mau para cirúrgia.

Operado : 4-4-38.

Epicrise : Esteve durante algumas semanas sob no sas vistas, Retirou-se mais tarde para o interior. Dois mezes depois voltou ao serviço, declarando ter tido sarampo e otite aguda bilateral. Melhorou consideravelmente, não obstante tratar-se de um caso mau.

Exame Radiológico : Grande atrofia dos cornetos, com aspecto franjado. Osteite das paredes nasais dos seios maxilares. r. a. f.

Reação de Wassermann : + (positiva). Depois de operado foi aconselhado tratamento antiluético.

Metabolismo Básico : + 5,6,%.

OBs. 79 - L. D. M. 20 anos, solteiro, tem 13 irmãos. Pais vivos e fortes.

Anamnese : Ignora se há algum da família que tenha a mesma doença. Não sente mau cheiro e expele crostas quando se assoa com força. Tem bom olfato.

Exame nasal : Ligeira atrofia do lado direito e desvio do septo para a esquerda. Estado da mucosa bom.

Operado : 21-2-38.

Exame Radiológico : Espessamento da mucosa de ambos os seios maxilares Opacidade das células etmoidais posteriores.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 19.

Epicrise : O doente se sentiu, desde então, perfeitamente bem, não mais voltando ao serviço.

OBs. 80. - J. M. A. 20 anos, branco, português, solteiro, residente em S. Paulo.

Anamnese : Doente há 10 anos. Crostas verdes, numerosas. Mau cheiro pronunciado, percebido pela família. Fez durante algum tempo, tratamento de lavagens sem resultado. Pessoa alguma da família sofre da mesma moléstia.

Exame nasal: Atrofia grande dos cornetos, notadamente na parte posterior. Cavidades nasais amplas e cheias de crostas. Desvio do septo para a esquerda, ficando ainda mais ampla a cavidade direita. Mucosa pálida e atrófica. Visível a parede do nasofaringe. Olfação diminuida.
Operado: 14-8-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : O processo operatório é susceptível de, em certos casos, tendo havido defeitos de técnica, ou outro qualquer impedimento ao fim desejado, ser corrigido, chegando-se a obter o resultado final. O que afirmamos, cabe ao presente caso, no qual a correção feita em 26 de Novembro, provocou a formação de uma sinéquia, embora pequena, e o estreitamento grande da cavidade. Desapareceram então as crostas e o mau cheiro, não saindo mais pela faringe a secreção amarela, muitas vezes expulsaveis pela face posterior. Consideramos este caso, depois de feita a devida correção, como tendo obtido um resultado satisfatório, o que é confirmado pela alegria do doente. Foi operado há 4 meses e meio.

Reação de Wassermann : negativa.

OBS. 81 - E. C. 22 anos, solteiro, pais fortes. Três irmãos, vivos e sadios e quatro mortos.
Anamnese : Não há na família pessoa doente do nariz. Já foi operado de desvio do septo, e acha que a moléstia peorou depois da operação, pois antes só sentia catarro nasal com ligeiro mau cheiro, sem crostas. Tem bom olfato.

Exame nasal: Mucosa em bom estado. Atrofia posterior com desprendimento de crostas pela garganta.

Operado: 11-5-38.

Exame: Após a operação o doente tem-nos procurado sempre para exame, estando plenamente satisfeito com o resultado operatório.

Exame Radiológico : Ligeira diminuição de transparéncia das células etmoidais anteriores. Discreta atrofia dos cornetos do lado direito. Sinais radiológicos de r. a. s.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 12.

OBS. -82 - J. V. 22 anos, solteiro, branco, brasileiro, mecânico, residente em São Paulo.

Anamnese : Há 4 anos que já sofre da moléstia, lembra-se apenas que vivia sempre resfriado. 86 tem mãe. 3 irmãos, todos sadios. Desconhece-se essa doença na família. Fez varios tratamentos com algum resultado de inicio, uma vez abandonado, tudo como dantes. Presentemente diz que as proprias lavagens não dão o alivio desejado.

Exame nasal: Externamente, ligeira depressão do dorso nasal. Rinoscopia : atrofia bem pronunciada de ambas as fossas nasais. Catarro pelo nasofaringe. Não apresenta crostas porque faz lavagens diárias. Mucosa em bom estado. Mau cheiro perceptivel. Olfato prejudicado. Cornetos inferiores e médios atrofiados.

Exame da boca: Amigdalas reduzidas. Dentes regulares, tratados. Nunca teve dor de garganta e nem dos ouvidos.

Operado: 21-8-40. Hemorragia acentuada do antro esquerdo. Cessou com compressão.

Exame: Continua com frequência a comparecer à clínica e tem sido examinado periodicamente.

Epicrise : Ainda persiste na fossa nasal direita, ligeiro deposito de catarro espesso que facilmente se elimina com lavagens. Fossa esquerda quasi normal. Está muito contente pois não expele mais crostas mal cheirosas e, apenas com uma lavagem diária pela manhã, sente-se bem. E' hoje cobrador de ônibus, está restituido ao meio social de onde há muito vivia afastado. O estado geral melhorou consideravelmente assim como o psíquico.

Exame Radiológico : Diminuição de transparência do seio maxilar direito e das células etmoidais anteriores.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 35.

OBS. 83 - M. O. 22 anos, pardo, solteiro, brasileiro, lavrador, residente em Iguarassú.
Anamnese : Percebeu a moléstia do nariz, quando há 10 anos, teve bicheira (miiasis), que produziu muito mau cheiro. Refere o doente ter-se repetido a bicheira por 6 vezes, espaçadamente. Submeteu-se a tratamento mercurial, que não lhe trouxe melhora alguma. E' em sua família a unica pessoa doente do nariz.

Exame nasal: Atrofia enorme dos cornetos inferiores, deixando muito amplas a luz do nariz, em ambos os lados. Mucosa empalidecida, coberta de numerosas crostas. Vê-se distintamente a parede posterior da faringe. Há um desvio do septo para a esquerda.

Operado : 10-4-23. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : Levando-se em conta o grau adeantadissimo da moléstia, com a agravante de se terem instalado repetidas bicheiras no nariz, ainda assim o resultado operatório satisfaz. No lado esquerdo, auxiliado pelo desvio do septo, o resultado foi completo; do lado oposto, o mesmo desvio, impediu a formação de sinéquia, embora o corneto se mostre bem aumentado e vascularisado, de aspecto normal. O ligeiro odor ainda existente, deve ser devido a algumas crostas que se formam no recesso do desvio do septo. Este caso visto oito meses após a operação, consideramos como tendo obtido uma melhora de 80%. O doente mostra-se satisfeito com o resultado da operação.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 84 - F. M. 23 anos, solteiro, só tem pae, deis irmãos.

Anamnese : Há dois meses começou a observar que a fronha em que dormia, amanhecia suja. Não sente mau cheiro, porem as pessoas de casa notam-no. Olfato mau.

Exame nasal: Atrofia grande bilateral, com depósito de crostas. Mucosa em mau estado.

Operado : 6-6-38.

Exame : Tem sido observado constantemente.

Epicrise : O resultado não foi o que se esperava, não somente porque a mucosa se apresentava em mau estado como o paciente portou-se inconvenientemente na ocasião do ato cirúrgico.

Exame Radiológico : Opacidade de ambos os seios maxilares. Diminuição da transparência do seio frontal direito. Transparência normal das outras cavidades acessórias.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico. -F- 33.

OBS. 85 - E. C. 24 anos, casado, tem um filho. Pais vivos e fortes, tres irmãos vivos e sadios.

Anamnese : Não há esta moléstia na família. Tem bom olfato.

Exame nasal: Atrofia bem visivel para o lado direito. Mucosa dos cornetos em bom estado. Crostas com mau cheiro na fossa nasal direita, catarro espesso na esquerda, descendo pelo nasofaringe.

Operado: 18-10-38.

Exame: Foi examinado apenas nos primeiros tempos, não tendo depois disso voltado ao serviço.

Exame Radiológico : Diminuição da transparência do seio frontal direito. Ambos os seios maxilares com sinais de espessamento da mucosa. Atrofia discreta dos cornetos. Espessamento das paredes internas dos seios maxilares. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 6.

OBs. 86 - F. M. 24 anos, solteiro, pais vivos e doentios, tem três irmãos vivos e com saude.

Anamnese : Na família não há essa moléstia. Desde os vinte anos que a percebeu. Sente dificuldade na respiração quando o nariz está cheio de crostas. Tem bom olfato e diz não sentir o mau cheiro do nariz.

Exame nasal: Desvio grande do septo para o lado esquerdo e atrofia bem apreciavel para a direita, com grande quantidade de crostas. Mucosa do lado esquerdo em bom estado.
Operado : 6-6-38.

Exame: Foi examinado várias vezes.

Epicrise : Acha-se melhor, ainda tem crostas, sem mau cheiro. Já não faz mais lavagens.

Reação de Wassermann. negativa.

Metabolismo Básico : + 24.

OBs. 87 - H. R. 25 anos, solteiro, pais vivos e fortes. Tem dois irmãos.

Anamnese : E' o unico portador desta moléstia na família. Há 4 anos que vem notando qualquer cousa de anormal no nariz. Sente o mau cheiro, assim como as pessoas de casa. Olfato prejudicado.

Exame nasal: Atrofia nasal bem pronunciada de ambos os lados, ainda mais visivel á direita, na porção postero-superior. Mucosa em bom estado.

Operado : 19-10-38.

Epicrise : O paciente só voltou à clínica algumas vezes, e declarou sentir-se perfeitamente bem.

Exame Radiológico : Grande espessamento ósseo, com sinais de osteite das paredes nasais dos seios maxilares. Atrofia dos cornetos. Ausência de sinais de processos inflamatórios das cavidades para nasais. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 32.

OBs. 88 - G. M. 25 anos, pala mortos, tem dois irmãos vivos e sadios.

Anamnese : Em sua família não há esta doença. Sofre desde criança. De início tinha catarro nasal, com pronunciado mau cheiro. Mais tarde apareceram crostas amarela esverdeadas, que eram expelidas quando se assoava fortemente. As pessoas da família, percebem o mau cheiro.

Exame nasal: Atrofia consideravel de ambos os lados. Crostas aderentes às conchas inferior e média. Catarro espesso pelo nasofaringe. Mucosa em estado regular.

Operado : 18-9-39.

Exame : Tem sido observado periodicamente.

Epicrise : Sente-se o paciente satisfeito com o resultado da operação.

Exame Radiológico : Diminuição da transparência de ambos os seios maxilares. Desvio do septo para a direita. Atrofia da mucosa nasal e dos cornetos à direita. Atrofia dia mucosa nasal e dos cornetos à esquerda.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 18,5.

OBs. 89 - A. N. N. 25 anos, casado, pais vivos e fortes, tem 2 irmãos.

Anamnese :Não há esta moléstia na família. Há dez anos que sofre da doença, não se recordando como começou. Sente mau cheiro, assim como as pessoas da casa. Tem bom olfato, crostas em quantidade.

Operado : 16-5-38.

Exame : Tem sido examinado com regularidade.

Epicrise: O doente senti-se perfeitamente satisfeito com o resultado da operação.

Exame Radiológico : Osteite das paredes nasais dos seios maxilares. Atrofia dos cornetos, r.a.f.

Reação de Wassermann: negativa.

Metabolismo Básico : 19.

OBS. 99 B. C. L. 26 anos, solteiro, pais vivos, só tem um irmão.

Anamnese: Há cinco anos que sofre da moléstia, corrimento nasal abundante. Entupimento e cefaléia. Ultimamente seus sofrimentos teem aumentado, e perde crostas esverdeadas principalmente pela fossa nasal direita. Sensação de catarro preso à garganta, com esforço para elimina-lo, produz náuseas.

Operado : 27-7-39.

Exame : Tem vindo à clínica com assiduidade.

Epicrise : Olfato melhorado. Mau cheiro diminuido. Fato curioso : na hora das refeições gotejava pela fossa nasal esquerda um líquido claro sem mau cheiro, provavelmente saliva. Anomalia do canal de Stenon? Este fenômeno desapareceu.

Exame radiológico : Diminuição da transparência na metade externa do seio maxilar direito com, sinais suspeitos de espessamento da mucosa de revestimento.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 3,1.

OBS. 91 - P. T. 26 anos, casado, não tem filhos. Pais vivos e fortes, quatro irmãos.

Anamnese : Ninguem da família sofre desse mal. Há três meses, mais ou menos, teve um resfriado e sentiu o nariz tapado; depois apareceu o mau cheiro, e, a cerca de dois meses apareceram crostas.

Exame nasal: Mucosa nasal em ótimo estado, ligeira atrofia posterior, com pequenas crostas, tem bom olfato.

Operado : 30-3-38.
Epicrise : O doente não quiz ficar hospitalizado. Seis dias depois teve uma forte hemorragia. Feito o tamponamento posterior, só se restabeleceu 15 dias após. Apezar deste contratempo, o resultado operatório foi ótimo.

Exame Radiológico : Ligeira opacidade de ambos os seios maxilares. Seios frontais claros. Transparência normal das células etmoidais anteriores e dos seios profundos da face. Atrofia dos cornetos. Sinais radiológicos de r. a. s.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 15,6.

OBs. 92 - J. B. A. 27 anos, solteiro, pais vivos e sadios : tem oito irmãos.

Anamnese : Não há essa doença na família. Há dois anos mais ;ou menos, começou a sentir o mau cheiro no nariz, coza crostas, o proprio paciente sentia-o. Tem bom olfato. As pessoas de sua casa nada notaram ainda de anormal.

Exame nasal: Atrofia posterior regular, em ambas as fossas nasais. Poucas crostas. Mucosa em bom estado. Caso bom para a cirúrgia.

Operado : 16-10-39.

Exame : Tem sido examinado periodicamente.

Epicrise : O paciente não tem mais crostas nem mau cheiro, sentindo-se por isso, bastante contente com o resultado da operação.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : +10.

OBs. 93 - J. C. 28 anos, branco, brasileiro, solteiro, operario, residente em S. Paulo.

Anamnese : Doente há 12 anos. Início com rinites frequentes, e corrimento catarral. Há 8 anos, começaram a sair crostas amareladas e mal cheirosas. O mau cheiro era percebido pelo próprio doente. Olfação normal. Tem feito lavagens nasais sem resultado. Ninguem da família tem essa doença.

Exame nasal: Cavidades amplas, repletas de crostas, Mucosa pálida, atrofia média dos cornetos inferiores, mau cheiro pronunciado.

Operado: 20-6-23. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : Foi grande a modificação produzida neste caso pela operação, vendo-se ambas as cavidades bem estreitadas, sinéquia boa, apenas á esquerda, saindo do lado direito algumas crostas, de aspeto diverso das anteriores. Damos este caso como tendo obtido uma melhora de 80%. Foi operado há 6 meses.

Reação de Wassermann : +

OBS. 94 - P. B. 28 anos, casado, tem dois filhos, mãe morta. Seis irmãos fortes.

Anamnese : Não há doentes desta moléstia na família. Com a idade de 22 anos, começou a sentir que se resfriava com muita facilidade. Depois apareceram o mau cheiro e as crostas. Tem bom olfato.

Exame nasal: Atrofia posterior, mais notavel do lado direito. Desvio do septo para a esquerda. Mucosa em bom estado.

Operado : 10-10-38.

Exame : Tem vindo a clínica constantemente depois da operação.

Epicrise : O paciente ficou bastante satisfeito com o resultado operatório.

Exame Radiológico : Opacidade do seio maxilar direito. Ligeira diminuição da luminosidade das células etmoidais correspondentes. Transparência normal das demais cavidades acessórias dás fossas nasais.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 3,3.

OBs. 95 J. D. 29 anos, solteiro, pais vivos e fortes, 7 irmãos.

Anamnese : Ninguem de sua família sofre desta doença. Não sente mau cheiro, e as pessoas com quem convive tambem não se queixam. Não tem olfato.

Exame nasal: Atrofia nasal bem posterior, com pequenas crostas, que descem pela garganta.

Operado : 24-3-38.

Exame: Tem sido examinado periodicamente.

Epicrise : O paciente diz sentir-se perfeitamente bem depois da operação. Exame Radiológico : Diminuição da transparência do seio maxilar direito.

Opacidade dos seios etmoidais anteriores de ambos os lados. Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + ,12,8.

OBs. 96 - M. A. 32 anos, casado, carpinteiro, branco, brasileiro, residente nesta Capital.

Anamnese : Há 3 anos que percebe o corrimento nasal com mau cheiro. Ao assoar-se expele crostas esverdeadas. Pais mortos, tem um irmão mais novo vivo e sadio. Aos 6 anos teve sarampo. Aos 21 foi atacado de uma doença que o deixou paralítico, curando-se mais tarde. Tem uma filha, que está se tratando da mesma moléstia. (ozena).

Exame nasal: Exame do nariz : conformação externa normal. Pela rinoscopia anterior: atrofia bilateral, crostas nos meatos. Mau cheiro pronunciado. Olfato prejudicado. As pessoas de sua casa não percebem o mau cheiro.

Exame da boca : dentes maus, porem tratados, gengivas e mucosa bucal em bom estado. Amígdalas atrofiadas. Não sofre de dor de garganta. Ouvidos -normais.

Operado : 12-11-40. Permaneceu no hospital 3 dias.

Epicrise : Apresenta ainda um ligeiro edema da face direita. Aproximação otima das paredes, ausência de crostas, catarro e mau cheiro. O paciente queixa-e do rosto inflamado, porem está satisfeito com o resultado da operação.

Exame Radiológico : Opacidade dos seios maxilares, de algumas células etmoidais, e dos seios frontais. Sinusite bilateral e frontal, e etmoidite anterior. Sinais radiologicos de r. a. s.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 8

OBs. 97 - A. R. 37 anos, solteiro, pais vivos, tres irmãos, é o terceiro filho.

Anamnese : Diz ter sua mãe a mesma moléstia. Os irmãos nada sentem. Há tres anos que percebe a doença.

Exame nasal: Não tem olfato. Atrofia grande do lado esquerdo, com crostas mal cheirosas. Já foi operado (parafinoterapia), sem resultado. Desvio do septo para a direita. Mucosa do corneto inferior atrófica e anemiada.

Operado: 27-3-40.

Exame : Tem sido observado constantemente.

Epicrise : 0 resultado até agora tem sido ótimo.

Reação de Wassermann : negativa,

Metabolismo Basico : + 10,5.

OBS. 98 - J. C. 41 anos, casado, português, residente nesta Capital.

Anamnese : Há mais de 2 anos que sofre da moléstia do nariz. Quando se resfria aparece o mau cheiro. Atrofia bem pronunciada da fossa nasal direita. Ligeiro desvio do repto para a esquerda. Crostas aderentes à mucosa dos cornetos e ao nasofaringe. Depósito de catarro purulento nos meatos inferiores. E' casado, tem 4 filhos. Não há essa doença na família. Só tem mãe, 1 irmão vivo e sadio.

Operado : 3-2-41. A operação decorreu sem acidente, bem tolerada, pois o doente foi docil e muito corajoso.

Exame da cavidade bucal: Mucosa em bom estado. Dentes maus, porem, tratados. Amígdalas atrofiadas.

Ouvidos : Em criança teve purgação do ouvido direito que cedeu com tratamento.

Epicrise : Comparece ao serviço com frequência onde tem sido examinado. Até o presente o resultado é satisfatório. Mobilização ótima, sobretudo da porção postero-superior das paredes nasais dos antros, em ambas as fossas.

Exame Radiológico : Consideravel atrofia dos cornetos. Espessamento da parede nasal do seio maxilar direito, caracterizando um processo de osteite. Aplasia dos seios frontais. Desvio do septo para a esquerda. Aspecto radiológico de r. a. f.

Reação de Wassermann : +

Metabolismo Básico: +27,6%.

OBS. 99 - R. B. 47 anos, casado, branco, brasileiro, residente em São Paulo.

Anamnese : Há mais de 10 anos que sofre da moléstia nasal, já fez todos os tratamentos sem proveito. Olfato prejudicado. As pessoas extranhas percebem o mau cheiro. Não tem filhos, só tem pai, 4 irmãos, é o segundo filho e o unico na família, portador dessa enfermidade.

Exame nasal: Atrofia muito pronunciada de ambas as fossas nasais, especialmente da direita. Crostas em quantidade aderentes à mucosa das conchas inferiores, médias, sobretudo do lado direito. Catarro purulento no nasofaringe. Mau cheiro intenso. Mucosa reduzida e anemiada.

Exame da beca : Dentes regulares, amígdalas atrofiadas, gengivas em bom estado. Nunca se queixou de dor de garganta. Ouvidos normais.

Operado : 27-1-41. Ato operatório normal. O antro direito repleto de pós e mucosa com degeneração poliposa. Antro esquerdo, mucosa anemiada. Ficou hospitalizado.

Exame Radiológico : Opacidade intensa do seio maxilar direito, das células etmoidais anteriores e da base do seio frontal desse lado. Espessamento da mucosa do seio maxilar esquerdo. Atrofia pronunciada dos cornetos médios.

Epicrise : Está sob cuidados na clínica. Até o presente nada de anormal.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : Diminuído de 9%.

OBs. 100 - A. M. 14 anos, branco, brasileiro, estudante, residente na Capital.

Anamnese : Há 2 anos percebeu a moléstia. Já fez tratamento com injeções e lavagens. Não obteve resultado. Pais vivos com saude. E' filho unico. E' desconhecida de seus pais esta doença.

Exame nasal: A mucosa da fossa nasal esquerda bem atrofiada. Percebe-se na porção posterior crostas aderentes. Desvio do septo para a direita. Sente o próprio mau cheira Tem olfato.

Operado : 26-9-40. Sem novidade a intervenção cirúrgica. Paciente disciplinado.

Exame da boca : Amígdalas atrofiadas. Dentes bons, tratados. Exame dos ouvidos : Normal.

Epicrise : Semanalmente vem à clínica onde é revisto.

Exame Radiológico : Discreta opacidade de ambos os seios maxilares. Osteite das paredes nasais. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 21,4%.

O total das observações de doentes não operados foi de 141 ; estes pacientes submeteram-se a vários tratamentos, lavagens, pomadas, injeções, autovacinas ; por não desejarem ser operados, ou porque sua pouca idade não o permitia.




RESULTADO GERAL

Imprimir:

BJORL

 

 

 

 

Voltar Voltar      Topo Topo

 

GN1
All rights reserved - 1933 / 2021 © - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial