Versão Inglês

Ano:  1942  Vol. 10   Ed. 1  - Janeiro - Fevereiro - (15º)

Seção: Trabalhos Originais

Páginas: 182 a 194

 

Ozena (Rinite Atrófica Fétida) - Observações - Comentários (2)

Autor(es): Dr. Ernesto Moreira

OBS. 29 - M. C. 21 anos, casada, tem dois filhos. Não tem pais, 4 irmãos.

Anamnese : O marido é forte, não tendo moléstia alguma do nariz, assim como os filhos. Não sente mau cheiro. Veio à consulta por causa de dor de garganta que aparece quando se resfria, tendo febre às vezes.

Exame nasal: Olfato mau. Atrofia nasal mais perceptivel do lado esquerdo. As crostas descem, geralmente pela garganta. Desvio do septo para a direita. Mucosa em bom estado.

Operada : 17-6-39. Operação sem acidente.

Exame: A doente tem sido observada constantemente após a operação.

Epicrise : Na opinião da paciente seu estado melhorou consideravelmente depois da intervenção cirúrgica.

Reação de Wassermann : negativa.

Exame Radiológico : Opacidade intensa do seio maxilar direito e seio frontal do mesmo lado. Espessamento da mucosa do seio maxilar esquerdo.

OBs. 30 - M. N. 21 anos, branca, solteira, brasileira, costureira, residente em Itaquera.

Anamnese : Doente há 2 anos. Mau cheiro forte, crostas esverdeadas. Nunca perdeu o olfato. Nenhuma pessoa da família tem afecção nasal. Fez tratamento durante ano e meio, sem resultado.

Exame nasal: Atrofia média dos cornetos inferiores, cavidade ampla. Crostas aderentes às paredes, mucosa pálida, ligeiro desvio do septo para a esquerda na parte anterior. Olfação normal. Faringe seca e brilhante.

Operada : 12-6-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : Como vemos, a operação produziu resultado satisfatório, mesmo porque não se tratava de um caso de atrofia muito grande. Crostas e mau cheiro desapareceram completamente. Este caso foi operado há 6 meses e meio.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 31 - N.L. I. 21 anos, solteira, pais vivos e fortes, 4 irmãos, é a mais velha.
Anamnese : Há 3 anos que sente a moléstia, não se recordando do início. Bom olfato e sente o mau cheiro do nariz. Tem dor de cabeça. E' a única que tem essa doença na família.

Exame nasal: Atrofia pronunciada de ambas as fossas nasais. Mucosa palida e atrofiada. Catarro nos meatos, crostas aderentes aos cartuchos e ao nasofaringe.

Operada : 10-4-40. Ato cirúrgico normal.

Exame : Com frequência tem vindo ao serviço. onde é examinada.

Epicrise : A cefaléia desapareceu por completo. Ainda se observa depósito de catarro no soalho nasal, porem, ausência de crostas.

Exame Radiológico : Opacidade dos seios frontais. Diminuição da transparência dos seios maxilares. Atrofia dos cornetos. Sinais radiológicos de sinusite frontal bilateral. Espessamento da mucosa de ambos os seios maxilares.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 22

OBS. 32 - F. M. 22 anos, brasileira, doméstica, solteira, residente em São Paulo.

Anamnese : Doente desde criança. Mau cheiro intenso notado pela família; crostas verdes. Tem uma irmã com esta moléstia. Desde criança tem-se submetido a tratamento sem resultado. A doente não percebia mau cheiro.

Exame nasal: Externamente, observa-se nitidamente o nariz em sela. Pela rinoscopia anterior, cavidades amplas, repletas de crostas verdes. Mucosa pálida e atrofiada. Atrofia enorme dos cornetos médios e inferiores, notadamente na parte posterior. Olfação abolida.

Operada: 13-8-1923. A doente portou-se de maneira a mais inconveniente, movimentando-se a todo o instante, com queixas e lamúrias, abusando da paciência do operador e prejudicando o resultado.

Epicrise : Neste caso reuniram-se várias circunstâncias, que influíram, sobre o resultado final, que foi medíocre. A enorme atrofia, a indocilidade da doente que não permitiu a boa mobilização das paredes (tempo mais doloroso da operação) a anestesia se mostrou falha ; devido ao grau de atrofia, o ponto rompeu provavelmente a parede, resultando a não formação de sinéquia. Por esse motivo a cavidade ainda ampla, dá formação a algumas crostas. Em todo o caso algumas melhoras, si bem que ligeiras, se verificaram, pois o aspeto da mucosa mudou muito, a olfação melhorou, as crostas diminuíram, o mesmo acontecendo com o mau cheiro. Foram pois, ligeiras as melhoras verificadas neste caso operado há 4 meses.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 33 - I. V. 22 anos, casada. Teve um filho que morreu com 2 meses de idade. Pais vivos e fortes. Tem oito irmãos vivos.

Anamnese : Nenhuma pessoa de sua família sofre desta doença. Desde a idade de 17 anos que percebeu a moléstia. Não tem olfato. O marido sente muito o mau cheiro.
Exame nasal: Atrofia consideravel de ambos os lados com crostas e catarro aderente ao nasofaringe.

Operada : 1-4-38:

Exame : Foi examinada várias vezes após a operação. Dois meses depois voltou à clinica, com um abcesso localizado na bochecha direita, já aberto para fora. Cicatrização imperfeita, ficando uma ligeira depressão desse lado do rosto.

Epicrise : Não fosse o abcesso da bochecha, a doente ter-se-ia sentido perfeitamente bem.

Exame Radiológico: Grande espessamento ósseo, com sinais de osteite das paredes dos seios maxilares. Atrofia dos cornetos. Ausência de sinais de processos inflamatórios das cavidades paranasais. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 16,5%.

OBS. 34 - A- S. 22 anos, branca, brasileira, solteira, doméstica, domiciliada em São Paulo.

Anamnese : Doente desde criança ; havia então corrimento catarral. Depois crostas verdes apareceram. Tratou-se em Ribeirão Preto, sem resultado. O mau cheiro não era. percebido lavando o nariz 3 vezes ao dia. Aos 15 anos surgiu acentuado mau cheiro, que até hoje persiste; as crostas aumentaram de quantidade nos últimos tempos. Fez há poucos meses um tratamento de injeções, que trouxe ligeiras melhoras. Diz a doente ter um irmão com essa mesma afecção.

Exame nasal: Cavidades nasais muito aumentadas de ambos os lados na porção posterior. Crostas aderentes com mau cheiro. Há ainda degeneração do corneto médio ao lado direito e, desvio do septo acentuado para o lado esquerdo. Diminuição da olfação.

Operada: 13-3-1923. (Drs. Moreira e P. Saes). Ao ser aberto o seio maxilar esquerdo, notamos a sua divisão em duas lojas por um septo mediano. Seu volume era muito diminuido. Antro direito normal.

Epicrise : Este caso operada há 9 meses, mostra um ótimo resultado ao lado esquerdo e um resultado relativo ao lado direito. Isto é justificavel pela presença do acentuado desvio do septo assinalado, que dificultou em um lado o estreitamento da cavidade nasal. Ausência de crostas na nasofaringe. Olfato completamente recuperado. As pessoas da família não percebem mais o mau cheiro, a doente diz senti-lo um pouco; ao retirar as crostas da fossa nasal direita. Sendo o resultado ótimo de um lado e, de grande melhora do outro, podemos considerar como tendo obtido uma melhora de 70%.

Reação de Wassermann : negativa.

OBs. 35 - F. A. M. 22 anos, solteira, pais vivos e fortes. Tem dois irmãos. E' a mais nova.

Anamnese : E' a unica na família portadora da moléstia. Há 6 anos que sofre do nariz, tendo se iniciado com um resfriado. Tem bom olfato. A própria doente sente o mau cheiro. As pessoas de casa tambem se queixam.

Exame nasal : Atrofia muito grande dos cornetos inferior e médio. Crostas: depositadas nos meatos e tambem aderentes ao septo. Caso mau para a cirurgia.

Operada : 20-5.40. Ato cirúrgico silencioso e exangue. A doente foi internada. Passou bem, tendo tido alta em 22-5-40.

Exame: Está sendo observada.

Epicrise : A paciente está contente com o resultado cirúrgico.

Exame Radiológico : Seios da face de transparência normal.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 28.

OBs. 36 - Y. I, 22 anos, solteira, brasileira. Pais vivos e sadios, 6 irmãos.

Anamnese : Não há casos dessa moléstia na família. Já foi operada de apendicite ha 3 anos. Diz nada sentir no nariz. Veio à clínica porque sentia mau cheiro na boca. Olfato bom.

Exame nasal: Aspeto da mucosa nasal: Ligeira atrofia da porção posterior com deposito de pequenas crostas, descendo pelo vaso laringe. Exame da garganta: Atrofia das amígdalas.

Tratamento : Fez uma série de lavagens com solução de soro fisiológico, não obtendo resultado.

Operada: 12-2-38.

Exame : Foi examinada periodicamente durante um ano. Casou-se e continua a frequenta-, o serviço.

Epicrise : A doente tem-se sentido otimamente bem, o que prova ter-se casado, não tendo feito o marido nenhuma referência ao estado de sua senhora, o que já havia feito quando noivo.

Exame Radiológico : Tem-se a impressão de bulas etmoidais muito desenvolvidas, mas realmente são seios frontais horizontais. Trata-sé de um caso de rinite atrofica fétida.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : +26,5.

OBs. 37 - M. P. 23 anos, branca, brasileira, solteira, doméstica residente na Capital.

Anamnese : Doente há 3 anos. Início com rinites, depois crostas verdes, abundantes, de dificil expulsão, acompanhadas de mau cheiro pronunciado. Tratamento sem resultado.

Exame nasal: Cavidades nasais muito aumentadas, atrofia grande dos cornetos inferior e médio ; mucosa pálida ; crostas aderentes em grande quantidade. Olfato nulo.

Operada: 27-1-1923 (Drs. Moreira e P. Saes). - Edema pouco pronunciado. Ponto retirado 60 dias após.

Exame: 7-4-1923. Sinéquias posteriores. Mobilização boa; Havia um pouco de secreção catarral na fossa nasal direita. Mau cheiro e crostas desaparecidos. Olfação recuperada. Está fazendo tratamento antiluético.

Exame: 21-12-1923. Fossa nasal direita: mucosa de coloração normal; cavidade estreitada pela ótima mobilização; sinéquia pequenissima, como uma ponte, só na parte posterior ; ausência completa de crostas. Faringe de aspecto normal, sem crostas nem secreção. Fossa nasal esquerda : mucosa de cor normal; mobilização ótima, estando a cavidade bem estreitada; sinéquia média na parte posterior. Ausência de crostas. A respiração se faz normalmente. Olfato bem melhorado. Diz a doente haver ausência absoluta de mau cheiro, confirmado pelas pessoas de sua família, não tendo feito mais lavagens no nariz.

Epicrise : Como vimos no caso presente, as sinéquias formaram-se apenas na parte posterior, mas a mobilização na parede externa do nariz foi muito boa, de modo a se ter atualmente, 11 meses após a operação um aspeto de nariz normal. Até o presente este constitue um caso em que o resultado satisfaz completamente. A ausência de crostas e de mau cheiro, a melhora da olfação, fazem a nossa doente considerar-se absolutamente curada, com grande satisfação sua.

Reação de Wassermann : + +

OBs. 38 - G. S. 23 anos, solteira, pais vivos e sadios. Tem 9 irmãos vivos e com saude.

Anamnese : Não há na família esta doença. Com 17 anos já sentia a moléstia. Atribue o início a um resfriado que apanhou.

Exame nasal: Olfato prejudicado. Nota que o mau cheiro aumenta quando incomodada. Atrofia grande dos dois lados com crostas aderentes. Mucosa em mau estado.

Operada : 6-3-40, Ato operatório normal.

Exame : Foi examinada algumas vezes tendo se retirado para o interior. Epicrise : O resultado, logo após, foi bom, porem, não mais foi observada. Reação de Wassermann : negativa.

OBB. 39 - C. A. 17 anos, solteira, só tem mãe. Seis irmãos vivos, com saude.

Anamnese : Não há na família essa moléstia. Desde 10 anos que sofre do nariz. Não soube explicar o inicio da doença.

Exame nasal: Não tem olfato. As pessoas de casa percebem o mau cheiro. Ambas as fossas nasais atrofiadas.

Exame : Crostas aderentes, descendo pelo faringe. Faz tratamento com lavagens há muito tempo sem resultado.

Operada : Vem com frequência a clínica.

Epicrise : A última vez que foi vista, constatou-se o resultado satisfatório. Exame radiológico :

Atrofia grande das cavidades nasais. Mucosa dos seios maxilares espessados.

Reação Wassermann : negativa.

Metabolismo básico : +14.

OBS. 40 - A. F. 23 anos, casada, tem 1 filho. Mãe morta, 5 irmãos, é a terceira filha.

Anamnese : Não há esta moléstia na família. Não sente mau cheiro no nariz, assim como seu marido não se queixa. Não tem olfato. Amigdalite crônica. Dentes maus, ouvidos normais.

Exame nasal : Atrofia nasal mais pronunciada para a direita. Faz lavagens diárias do nariz. Crostas na porção posterior de ambos os lados. Mucosa em bom estado, ligeira hipertrofia da tireoide.

Operada : 15-3-40. Operação sem acidente. Exame: Tem sido revista constantemente. Epicrise: Até o presente o resultado foi bom.

Exame Radiológico : Ligeiro espessamento da mucosa do seio maxilar direito, atrofia discreta dos cornetos.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : +5,1.

OBs. 41 - E. D. L. 25 anos, solteira, 3 irmãos vivos e sadios. Pais vivos e fortes.

Anamnese : Teve as moléstias próprias da infância. Foi muito anêmica quando criança.

Exame nasal: Anemia da mucosa nasal de ambos os lados. Fossa esquerda: atrofia ligeira sem catarro nem crostas. Fossa direita : mais atrofiada, com catarro e crostas; Tem ainda bom olfato. Não há caso de ozena na família.

Operada : 14-3-38.

Feita a anestesia usual, com grande dificuldade, devido ao estado de hiperexcitação nervosa, dificilmente conseguimos operar a paciente. Sempre indocil e reagindo intensamente, dava a impressão de uma grande agitação nervosa. Após esse periodo sucedeu o de uma depressão que atingiu ao máximo, da operanda não se conter na cadeira, tendo sido por mais de uma vez colocada em posição satisfatória com o auxilio de outros colegas. Depois de operada, outra crise sobreveiu a ponto da doente não poder ser enviada à enfermaria. Posta sobre uma mesa, de novo caiu em crise depressiva, perdendo o pulso, gradativamente, estado este que se agravou até o êxito final. Foram empregados todos os recursos médicos, possíveis : injeção de cafeína, óleo canforado, adrenalina intracardíaca, etc.

Tudo inutilmente.

Exame Radiológico . Opacificação intensa do seio maxilar esquerdo e de ambos os seios frontais e das células etmoidais anteriores. Sinais radiológicos de sinusite maxilar esquerda, de sinusite frontal e de etmoidite anterior.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : +5,7%.

OBs. 42 - M. N. 26 anos, branca, solteira, brasileira, costureira, residente em São Paulo.

Anamnese : Sua doença começou há oito anos, com perda de olfato e frequentes rinites. Há 4 anos começou a sentir mau cheiro no nariz, do qual saiam crostas esverdeadas e mal cheirosas.

Exame nasal: Luz aumentada em ambos os lados. Atrofia média dos cornetos inferiores, cuja mucosa se apresenta impalidecida. Há um desvio do septo para o lado direito com hipertrofia compensadora do corneto médio do lado esquerdo. Olfação abolida.

Operada: 3-4-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : O resultado operatório, ao exame, foi muito bom. A doente diz, nunca mais ter lavado o nariz e apesar disto, por mais que nos esforçassemos não percebemos o mau cheiro. A doente diz que de tempos a tempos, percebe leve mau odor, o que cremos ser devido ao seu temperamento nervoso, porquanto há ausência completa de crostas. Este caso consideramos como tendo dado o resultado desejado, no exame praticado 9 meses após a operação.

Reação de Wassermann : +

OBs. 43 - A. M. 27 anos, solteira, pai morto, uma irmã.

Anamnese : Não há casos dessa moléstia na familia. Há 12 ou 13 anos que sofre da doença, sente mau cheiro no nariz ; crostas e dor de cabeça. Olfato pouco prejudicado. Nenhuma outra moléstia dos ouvidos ou da boca. Dentes regulares.

Operada : 10-6-39.

Exame: Foi observada pela última vez em 11-7-39.

Epicrise : Permanece ainda o edema do rosto. Sente o nariz fechado, saindo catarro pelo nasofaringe. Resultado regular do lado esquerdo, e mau do lado direito.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: +13.

OBS. 44 - T. D. G. 28 anos, casada, não tem filhos. Pai morto. 5 irmãos.

Anamnese : Uma de suas irmãs tem a mesma moléstia. Primeiramente sentia corrimento pelos olhos, lacrimejamento contínuo. Nunca se queixou do nariz. Não sente máu cheiro. Não tem olfato.

Exame nasal: Mucosa nasal em bom estado. Atrofia regular. Poucas crostas que somente são expelidas quando se assoa. Dentes bons. Ouvidos normais. Nunca teve moléstia bucal.

Operada : 4-3-38.

Exame: Cavidades dos seios maxilares pequenas, dificultando a mobiliza

Epicrise : Este caso teve apenas um resultado sofrivel.

Exame Radiológico : Diminuição da transparência dos seios maxilares. Aplasia dos seios frontais. Atrofia dos cornetos e reação de osteite das paredes nasais dos seios maxilares. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: -6,5%Q.

OBs. 45 - C. G. 29 anos, casada, 2 filhos vivos. Pais mortos. Tem 8 irmãos.

Anamnese : Não há casos dessa moléstia na família. Há seis meses percebeu uma inflamação no nariz. Não se queixa de mau cheiro. Tem olfato bom.

Exame nasal: Ligeira atrofia nasal posterior, com crostas descendo pelo naso faringe. Faz lavagens diárias com agua e alcol. Não se refere à moléstias da boca, dentes tratados, cavidades normais.

Operada : 7-12-38.

Exame : Depois da operação foi examinada várias vezes.

Epicrise : A doente diz sentir-se perfeitamente bem após a operação.

Exame Radiológico : Opacidade do seio maxilar esquerdo. Ligeira diminuição de transparência do seio maxilar e frontal direitos.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 20.

OBs. 46 - J. R. 30 anos, casada. Não tem filhos. Pais mortos, 6 irmãos.

Anamnese : Não há na família desta doença do nariz. Desde os 20 anos que sofre desta moléstia. Tem bom olfato. Sente o mau cheiro, assim como as pessoas da família.

Exame nasal: Atrofia média de ambos os lados, com poucas crostas e mucosa em bom estado. Dentes regulares, tratados. Jamais teve moléstias da boca e dos ouvidos.

Operada : 18-3-38. Fez tratamento antiluético antes da intervenção e depois.

Exame : Foi examinada várias vezes, após a operação.

Epicrise : Este caso podemos considerar como tendo dado resultado ótimo, pois, a paciente está muito satisfeita.

Exame Radiológico : Observa-se uma opacidade intensa do seio maxilar direito e das células etmoidais anteriores e do seio frontal direito. Discreta atrofia dos cornetos. Aspeto radiológico de rinite atrofica fétida.

Reação de Wassermann : + + +

Metabolismo Básico: +18,4%.

OBs. 47 - R. S. 35 anos, solteira, não tem mãe, um irmão.

Anamnese : A paciente diz que em sua família não há essa moléstia. Há já dez anos, vezo sentindo a doença.

Exame nasal : Grande atrofia dos dois lados com crostas e pronunciado mau cheiro. Mucosa em péssimo estado. No exame bucal, nada de importância, assim como o dos ouvidos. Dentes maus.

Operada : 19-9-38.

Exame : Poucas vezes apareceu para os necessários exames.

Epicrise : Devida a grande atrofia, a doente não ficou completamente curada, porem melhorou.

Exame Radiológico : Aumento da fenda nasal por atrofia das conchas. Opacidade do seio maxilar direito e das células etmoidais esquerdas. Diminuição da luminosidade das demais cavidades. Degeneração da mucosa.

Reação de Wassermann : negativa.
Metabolismo Básico: + 50.

OBs. 48 - D. G. 38 anos. Casada. Pais vivos e sadios. Tem dois irmãos. E' a mais nova.

Anamnese : E' a única que sofre dessa doença em sua família. Tem bom olfato. Sente o próprio mau cheiro. Tem 3 filhos e nenhum sofre dessa moléstia. Amígdalas atrofiadas. Nunca teve dor de garganta. Ouvidos normais.

Exame nasal: Atrofia consideravel de ambas as fossas nasais, principalmente à direita. Crostas em quantidade. Mucosa nasal muito atrofiada, reduzida. Caso mau.

Operada: 16-6-40. Ato operatório sem novidade. Cavidades antrais muito pequenas.

Exame: Foi examinada algumas vezes, logo após a operação.

Epicrise : Permaneceu internada no hospital 4 dias. Ligeira reação, tendo-se recolhido a seu domicílio. Continua em observação.

OBs. 49 - V. C. 44 anos, branca, viuva, brasileira, doméstica, residente na Capital.

Anamnese : Doente há dois anos. Em início, rinites frequentes, com corrimento nasal, havendo do lado esquerdo saída de pus. Dor na fossa geniana desse lado, não só pela pressão, como expontaneamente. O pus não cessou até agora; saiam tambem crostas, se bem que mais raramente, pois a doente sendo cuidadosa, lavava o nariz diariamente. Mau cheiro pronunciado; nunca fez tratamento.

Exame nasal: Atrofia grande dos cornetos médios e inferiores, de ambos os lados, vendo-se a luz muito aumentada. Algumas crostas aderentes na porção póstero superior. Presença de pus.

Operada: 7-2-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Exame : 21-12-1923 : aspeto do nariz, normal; ausência completa de crostas.

Epicrise : O caso presente difere dos anteriores por varios motivos. Idade da paciente, na qual é rara a rinite atrófica ; o resultado obtido pela operação, onda não se deveria esperar muito, tornaram-no interessante. Resultado da operação: satisfatório.


OBs. 50 - A. F. 20 anos, branca, brasileira, doméstica, residente em São Paulo.

Anamnese : Queixa-se de resfriados frequentes com catarro nasal. Cefaléia frontal. Acentuada atrofia da pituitária. A família jamais percebeu mau cheiro de seu nariz. Pais vivos e sadios. Tem 4 irmãos. E' desconhecida na família esta moléstia. A doente faz lavagens diariamente com agua. Abandonadas estas, juntam crostas escuras no nariz, que dificilmente são expelidas.

Exame nasal: Acentuada atrofia da fossa esquerda, com presença de crostas nos respectivos meatos. Do lado direito ligeira hipertrofia do corneto inferior que se contrae bem com a adrenalina. Na parte posterior nota-se um inducto purulento no cavum.

Operada : 17-2-41. 0 ato operatório decorreu normalmente, tendo a paciente e dinício uma ligeira reação dolorosa, porem, passageira.

Exame da boca: Dentes regulares, mal tratados. Mucosa bucal normal, Amígdalas atrofiadas.

Exame dos ouvidos: Normal.

Epicrise : Hospitalizada, a enferma está sendo observada.

Exame Radiológico : Mucosa dos antros espessada. Diminuição de transparência dos seios anexos. Atrofia nasal com desvio do septo para a direita.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : +14,8%.

OBs. 51 - 14 anos, branco, brasileiro, mecânico, residente na Capital.

Anamnese : Doente há 6 meses, quando começou a ser percebido o mau cheiro nasal pelas pessoas da família; algum tempo depois desaparecia o olfato. Desprendimento de crostas verdes. Nunca fez tratamento, a não ser lavagens nasais com soluções fracas de creolina e tintura de iodo, o que fazia por sua própria conta. Ninguem da família tem. afecção nasal.

Exame.nasal : Crostas amarelas, com forte mau cheiro. Mucosa nasal, pálida ; atrofia média dos cornetos inferiores, mais acentuada na parte posterior. Tem um ligeiro desvio do septo para a esquerda.

Operado: 27-2-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : Operado há 10 meses, o estado atual deste doente é muito bom. Embora não tendo havido formação de sinéquia, a boa mobilização foi suficiente para impedir a formação de crostas e do mau cheiro. Há apenas uma secreção fluida, facilmente eliminavel. As poucas crostas, que de vez em quando se formam correm por conta do meato inferior direito, ainda amplo. Damos este caso, como tendo obtido uma melhora de 90%.

Reação de Wassermann : negativa.

OBS. 52 - R. M. F. 15 anos, pais vivos e fortes, 2 irmãos.

Anamnese : Não há essa doença na família. Há dois meses, mais ou menos, sentiu mau cheiro e expelia crostas. Olfato mau.

Exame nasal: Atrofia posterior de ambas as fossas, crostas no nasofaringe. Mucosa em bom estado.

Operado : 8-6-38.

Exame: Tem sido examinado por várias vezes.

Epicrise : O doente foi bastante paciente, deixou-se operar com grande calma. Desde então nada mais sentiu.

Exame Radiológico : Espessamento da mucosa de ambos os seios maxilares. Diminuição de transparência dos seios frontais e das células etmoidais direitas.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 26.

OBS. 53 - R. C. 15 anos, solteiro, pais vivos com saude, 3 irmãos, é o terceiro filho.

Anamnese : E' o unico portador de semelhante doença na família. Sente a moléstia há mais de 1 ano. Veiu à clínica por causa do mau cheiro e dificuldade no se assoar. Tem dor de cabeça e olfação regular.
Exame nasal: Atrofia consideravel do lado direito com depósito de crostas amarelo-esverdeadas, mal cheirosas. Mucosa anemiada e atrófica. Catarro pelo nasofaringe. Amígdalas hipertrofiadas e dentes péssimos. Nunca teve inflamação de garganta

Operado: 5-3-40. Intervenção cirúrgica bem tolerada pelo paciente e, sem acidentes.

Exame : Frequentemente tem comparecido ao serviço, onde tem sido examinado.

Epicrise : Aproximação ótima pára o lado esquerdo, boa para o lado direito, onde se nota ainda um ligeiro corrimento com mau cheiro. Resultado regular.

Exame Radiológico : Grande aumento da transparência das cavidades nasais devido à atrofia dos cornetos. Desvio do septo nasal para a esquerda. Grande amplitude dos seios maxilares. Diminuição da transparência dos seios frontais.

Reação de Wassermann : negativa..

Metabolismo Básico : + 21,9.

OBS. 54 - J. M. 15 anos, branco, brasileiro, solteiro, celeiro, residente em Pirajuí.

Anamnese : Há 5 anos, começou a sentir mau cheiro nasal, e a olfação desapareceu. Saida de crostas amarelo esverdeadas. Fez tratamento mercurial, sem resultado. Ninguem da família sofre do nariz.

Exame nasal: A luz do nariz aumentada, atrofia grande dos cornetos inferiores, mais na parte posterior, O septo apresenta um esporão para o lado esquerdo. Crostas aderentes. Atrofia dos cornetos médios. Externamente, nariz em sela. Olfação diminuída.

Operado: 26-3-1923. (Drs. Moreira e P. Saes).

Epicrise : Na impossibilidade de fazer um exame no momento atual por ser a residência do paciente em Pirajuí, pedimos lhe informações sobre o seu estado. Por estas, vemos que desapareceram completamente o mau cheiro e as crostas, sem o doente fazer lavagem alguma. Olfação só em parte readquirida. 0 doente está muito satisfeito com o resultado da operação. Este paciente foi operado há 8 meses, e consideramos copo tendo obtido o resultado completo.

Reação de Wassermann : negativa.

OBS. 55 - F. V. F. 15 anos, solteiro, 3 irmãos, só tem pai; mãe morta há muito tempo.

Anamnese : E' o unico da família portador da moléstia. Percebeu a doença há mais ou menos dois anos. Começou com resfriado. Sente mau cheiro, o mesmo se dando com as pessoas da casa.

Exame nasal: Tem ainda bom olfato. Atrofia nasal mais pronunciada do lado direito. Desvio do repto para a esquerda. Crostas pelo nasofaringe, com muito mau cheiro.
Operado : 7-10-38

Exame: Tem sido observado periodicamente.

Epicrise : Depois de operado notou grande melhora, deixando por isso de fazer tratamento. Ultimamente piorou porem o próprio doente diz, mesmo assim, achar-se melhor.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: + 10.

OBs. 56 - P. P. 15 anos, mãe viva, 5 irmãos vivos, um operado do nariz e uma irmã tambem.

Anamnese : Há dois anos, mais ou menos, começou a sentir o nariz tapado. Não sente mau cheiro. Tem bom olfato.

Exame nasal: Atrofia ligeira do lado direito. Porção posterior do lado esquerdo tambem atrofiada. Não tem crostas, catarro grosso nos meatos. Mucosa em ótimo estado.

Operado : 12-6-39, sendo ele o terceiro da família. O primeiro foi operado por mim e Dr. Ottoni, há 18 anos. A irmã há 12 anos, por mim, e agora este.

Epicrise : Creio que dispensa qualquer apreciação o caso presente. Exame Radiológico : Notamos uma opacidade uniforme sobre toda a extensão do seio maxilar esquerdo, caracterisando uma sinusite maxilar.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 19.

OBs. 57 - J. T. 16 anos, solteiro, branco, brasileiro, residente em São Paulo.

Anamnese : Queixa-se de insuficiência respiratória nasal. Sente o próprio mau cheiro. Ao assoar-se expele crostas e sente-se melhor. Olfato conservado. Pais vivos com saude. Oito irmãos. Não conhece na família essa doença. E' o quarto filho.

Exame nasal: Fossas nasais de amplitude aumentada pela redução dos volumes dos cornetos ; mucosa esquêmica, recoberta de secreção ressecada. Septo nasal desviado para a direita. Atrofia consideravel de ambas as fossas principalmente da porção posterior Caso mau. Mau cheiro facilmente perceptivel. Aspeto normal pela inspeção externa.

Exame da cavidade bucal: Dentes regulares, amígdalas atrofiadas, gengivas e mucosa de aspeto bom. Dos ouvidos, nada de anormal.

Operado : 11-11-40. Ato cirúrgico sem acidente.

Exame: Posoperatório regular. Semanalmente comparece à clínica. Boa aproximação das paredes, não apresentando crostas. O mau odor diminuiu consideravelmente, estando o paciente satisfeito com o resultado cirúrgico.

Exame Radiológico : Diminuição da transparência de ambos os seios maxilares. Sinais radiológicos de rinite atrófica simples.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 8,1.

Exame endócrino : Nada apresenta de particular. Pequena hernia inguinal direita.

OBS. 58 - A. P. 16 anos, brasileiro, branco, mecânico, residente em S. Paulo.

Anamnese : Doente há 4 anos, tendo tido resfriados frequentes, com catarro purulento e mau cheiro.

Procurou o ambulatório, sendo medicado. Foi feita a punção no seio maxilar direito, com resultado negativo. Pessoa alguma da família tem moléstia do nariz.

Exame nasal. Cavidade nasal aumentada, crostas amarelo-esverdeadas, com muito mau cheiro. Atrofia grande dos cornetos inferiores, notadamente na parte posterior. Olfação diminuida.

Wassermann : negativo.

Operado: 28-11-1922 (Drs. Ottoni e Moreira) - edema pouco pronunciado. Ponto retirado 52 dias após.

Exame: 7-4-1923. Sinéquias ótimas, mobilização perfeita, mucosa suculenta, sem crostas e nem mau cheiro. Olfato recuperado.

Exame : 20-12-1923. Fossa nasal direita: sinéquia extensa entre o corneto inferior e o septo ; mucosa bem vascularisada, mobilisação ótima, ausência de crostas. Fossa nasal esquerda : sinéquia linear mais larga na parte posterior, mucosa suculenta, mobilização boa, meato inferior amplo, aí se depositando um pouco de secreção fluida. Exame da faringe não revela nem crostas, nem secreção. Diz o doente ter desaparecido o mau cheiro, havendo, de vez em quando, secreção nasal, de aspeto diverso da anterior. Respiração boa.

Epicrise : Examinado há um ano após a operação, vemos o estado atual do nosso doente, nada deixando a desejar, revelando o fato de se tratar de um caso de atrofia muito pronunciada. A secreção que se deposita no meato inferior esquerdo, muito diversa das crostas ozenosas, não é suficiente para produzir o mau cheiro, sendo eliminadas com facilidade. Este caso catalogamos como tendo obtido o desejado resultado, confirmado, o que é de grande valor, pela opinião do paciente.

OBS. 59 - A. F. 16 anos, solteiro, pais vivos e sadios, 5 irmãos vivos. E' o mais velho.
Anamnese : Há 3 anos que sofre dessa doença. Atrofia, corrimento pelo nasofaringe. Veiu à clínica por causa do mau cheiro que as pessoas de casa notavam no seu nariz. Não há essa doença na família.

Exame nasal: Grande atrofia da porção posterior das fossas nasais com crostas aderentes aos cornetos inferior e médio. Mucosa nasal anemiada. Olfato prejudicado. Pronunciado mau cheiro. Amígdalas atrofiadas.

Operado : 28-2-40. Ato operatório sem acidentes.
Epicrise : Persiste ainda ligeiro corrimento com mau cheiro, porem o aspeto da mucosa melhorou consideravelmente. Resultado bom.

Exame Radiológico : Aplasia dos seios frontais. Atrofia dos cornetos. Aumento da transparência da cavidade nasal. Espessamento das paredes nasais dos seios maxilares, os quais se encontram levemente opacos, com sinais de espessamento da mucosa. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico: -8,6.

OBS. 60 - A. J. 16 anos, solteiro, pais vivos, 3 irmãos sadios.

Anamnese : A mãe tambem tem a mesma moléstia. Percebeu a doença. há cerca de três meses. Não acusa mau cheiro. Tem ainda bom olfato. Respira mal. Foi examinado há tempos por um médico especialista que aconselhou tratamento por meio de injeções, mas, como ficava muito caro, procurou a Santa Casa.

Exame nasal: Atrofia nasal à esquerda com crostas na porção posterosuperior. Mucosa em bom estado.

Exame Radiológico : Ligeira diminuição de transparência dos seios maxilar e frontal esquerdos, parecendo apenas reação da mucosa.

Operado : 6-12-38.

Exame: Foi examinado poucas vezes, e depois não mais voltou ao serviço, Epicrise : Após a intervenção cirúrgica o doente diz sentir-se perfeitamente bem.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : + 34.

OBs. 61 - G. P. 16 anos, solteiro, pais vivos e fortes. Tem 4 irmãos.

Anamnese : Não há na família essa doença. O pae foi operado de polipos nasais. Nunca teve moléstia do nariz. Veiu à clínica, porque respira mal, e, quando se assoa sae muito catarro amarelo-esverdeado.

Exame nasal: Mucosa em bom estado, ligeira atrofia nasal posterior com grande quantidade de crostas e catarro pelo nasofaringe. Otite supurada crônica, direita. Tem bom olfato.

Operado : 22-6-39. Os tempos operatórios decorreram normais, doente paciente. Anestesia tronco-regional. Edema muito pronunciado da face. Não ficou hospitalisado.

Exame: Foi examinado por várias vezes. O ultimo exame foi praticado em 16-1-40.

Epicrise : O doente, desde então, não tem mais novidades no nariz e diz sentir-se completamente curado.

Exame Radiológico : Seios da face: notamos uma opacidade no seio maxilar direito. Seio maxilar esquerdo, pouco luminoso. Sinais radiológicos de r. a. f.

Reação de Wassermann : negativa.

Metabolismo Básico : 0.

Imprimir:

BJORL

 

 

 

 

Voltar Voltar      Topo Topo

 

GN1
All rights reserved - 1933 / 2021 © - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial