Versão Inglês

Ano:  1941  Vol. 9   Ed. 1  - Janeiro - Fevereiro - ()

Seção: Associações Científicas

Páginas: 63 a 76

 

ASSOCIAÇÕES CIENTIFICAS - parte 2

Autor(es): -

"UM CASO DE ESFENOIDITE CRONICA, OPERADO PELA TÉCNICA HIRSCH-SEGURA. CURA. REUMATISMO FOCAL".
Dr. Mauro Penna:

O A. apresentou um caso de reumatismo cronico, em que toda terapeutica empregada no decurso de 14 meses resultou ineficaz. Havia grande desvio no septo nasal e participação esfenoidal discreta. O doente foi submetido á operação de HIRSCH-SEGURA, a 2 de abril de 1939, apresentando 15 dias após acentuadas melhoras nas dôres articulares, tendo pouco tempo após alta em bom estado. Em principios de 1940 esteve com o A. revelando achar-se perfeitamente bem, tendo se alistado no Exercito onde servia então. A sua ficha clinica no Serviço do Prof. Annes Dias tomou o numero 2179, tendo no gabinete de Oto-Rino-Laringologia tomado o numero 185. O A. mostrou radiografias do caso, ressaltando aquelas em que empregou óleo iodado como contraste, evidenciando por uma chapa feita em seguida á flexão da cabeça do paciente, a drenagem perfeita que a operação proporciona. Não teve o A. o intuito de fazer considerações sobre a patologia do seio esfenoidal, campo interessante, em que muito ha a estudar, mas quiz com sua comunicação chamar a atenção para estes problemas, assim como para a operação por via transeptal, que considera exequivel a qualquer rinologista e de eficacia admiravel. Terminou informando a Casa de que teve ocasião de apresentar verbalmente e de modo sucinto, este caso, ao Congresso Sul-Americano de Oto-Rino-Laringologia, recentemente promovido em Buenos Aires, na sessão relativa ao assunto, como uma homenagem simples dos laringologistas jovens ao grande mestre da especialidade no Continente, Prof. Eliseo V. Segura.

Comentarios:

Prof. Marinho: diz haver sido contemporaneo de Hirsch, em Viena. Hirsch fazia caminho atravez o septo e o seio esfenoidal, para a cela turcica, sem visar propriamente o seio esfenoidal. Um detalhe no trabalho do Dr. Mauro Pena, chama sua atenção: o fáto do septo inter-sinusal não se achar na linha mediana.

Prof. Ermiro de Lima: relata 3 casos de sinusite esfenoidal por ele operados, sendo um pela via trans-septal, onde encontrou lesões minimas apesar de obter resultados otimos com a supressão da sintomatologia.

Diz o Dr. Mauro sentir-se homenageado pelos comentarios feitos ao seu trabalho, agradecendo particularmente a cada comentador.

26a. sessão ordinaria - 9-10-1940.

Presidida pelo Dr. Pinto Fernandes e secretariada pelos Drs. Walter Muller dos Reis e Homero Carriço. Compareceram: Prof. João Marinho, Drs. Alvaro Cordovil da Silveira, Vinicius Ferreira Chaves, David Adler, Duarte Moreira, Mauro Pena, Aristides Monteiro, Raul Castro Cunha, Georges da Silva, Milton de Carvalho, Sebastião Azevedo e Getulio Silva.

Expediente:

O Snr. 2.º Secretario lê duas cartas recebidas, uma do Prof. Pedro Errecart, agradecendo sua eleição para Socio Honorario de nossa Sociedade e outra do Dr. Affonso Ferreira, acusando o recebimento e agradecendo o Diploma de Socio Honorario. O Snr. Presidente comunica á casa haver uma retificação a fazer quanto ao quadro social, com a inclusão do nome do Dr. Bernardo Grabóes, que, devido a um equivoco da Tesouraria, deixou de figurar na lista de socios. A seguir o Snr. Tesoureiro procede á leitura do Relatorio da Tesouraria. Não havendo numero legal de socios para a eleição da nova Diretoria em primeira convocação, declara o Snr. Presidente encerrada a sessão, ás 22 horas, lembrando que dentro de 15 minutos será realisada, conforme convocação feita, a 27.º sessão ordinaria para eleição, com qualquer numero de socios.

Sessão solêne comemorativa do 3. aniversario da Sociedade de Oto-Rino-Laringologia
do Rio de Janeiro - 9-10-1940.

Presidida pelo Dr. Pinto Fernandes e secretariada pelos Drs. Walter Muller dos Reis e Homero Carriço. Compareceram: Prof. João Marinho, Drs. Alvaro Cordovil da Silveira, Vinicius Ferreira Chaves, David Adler, Duarte Moreira, Mauro Penna, Aristides Monteiro, Raul Castro Cunha, Georges da Silva, Milton Carvalho, Sebastião Azevedo e Getulio Silva.

Abrindo a sessão, o Snr. Presidente pronuncia o seguinte discurso:

"Meus Senhores - Reunimo-nos hoje neste recinto, especialmente afim de comemorar a passagem do 3.° aniversario de nossa Sociedade. Si não é longa ainda essa existencia, todavia, por suas realisações, pela posição que grangeou entre suas congeneres - nacionais e estrangeiras - e pelo acatamento e prestigio que tem merecido do Governo Brasileiro, ela dá a impressão de uma organisação já firmemente consolidada por longos anos de uteis trabalhos. Entre essas realisações, nunca será demasiado relembrar o 1.º Congresso Brasileiro de Oto-Rino-Laringologia - cujo acervo de trabalhos vemos consubstanciados na excelente apresentação dos Arquivos, já distribuidos por toda a parte. O seu Presidente, nosso ilustre Presidente Honorario, o Prof. João Marinho, na sessão de encerramento em 9 de Outubro de 1938 - ha precisamente 2 anos - lançou a idéia do Congresso Sul Americano em Buenos Ayres, tambem o 1.º e todos sabemos o que significa esse importantissimo certamen, ha poucos mezes realisado. Nosa Sociedade viu assim, com perfeita conciencia de sua ação, a feliz sequencia dessas realisações por ela iniciadas e impulsionadas. Seguir-se-ão o 2.º Congresso Brasileiro, na Bahia, em 1942 e o 1.º Latino-Americano, em São Paulo, em 1943, para só referir os que já se acham aprazados e, como dissemos acima, o impulso inicial partiu de nossa Sociedade, sem negarmos o valor e a importancia que tiveram as 2 semanas Oto-Rino-Laringologicas realisadas anteriormente em São Paulo.

O Governo da Republica prestigiou nossa Sociedade e os Congressos já efetuados por varias fórmas: patrocinando a realisação do Congresso Brasileiro, concedendo as mesmas verbas e facilidades diversas, designando delegação ao Sul-Americano, com o que evidenciou a importancia que vem dando ás atividades cientificas desta Sociedade.

Nosso quadro social orgulha-se em possuir entre seus membros ilustres professores estrangeiros e nacionaes, da Europa e da Sul-America e outros Estados do Brasil e suas Sociedades mantém correspondencia e intercambio cientifico com a nossa. O Snr. 2.º Secretario lerá dentro em breve o relatorio das principais ocurrencias de nossos trabalhos e atividades, e não quero antecipar-me ao que lhe compete dizer. Vereis como é grande e importante nosso quadro Social e podereis concluir do quanto se pode esperar do mesmo em labor cientifico.

Ao terminar esse 3.º ano, temos a conciencia satisfeita pelo sentimento de haver cumprido o nosso dever, sempre animados que estivemos do proposito de tudo fazer pelo bem e pelo engrandecimento da Sociedade, durante o periodo de 12 meses em que ocupamos o cargo de Presidente, ao qual ascendemos por vossa ecessiva generosidade. Voltamos agora á posição de simples soldado, aliviados de maiores responsabilidades, mas dispostos a pugnar, diciplinadamente, pela mesma causa.

Ha precisamente um ano, ao assumir esse alta posto, encaramos a necessidade e a vantagem de trazermos sempre á Sociedade todas as nossas cogitações e observações cientificas, dizendo então: "Meus caros colegas. Vinde sempre a nossas reuniões. Trazei outros colegas especialistas que porventura ainda não hajam integrado nosso quadro social. Comunicae sempre vossas observações clinicas, pesquizas, estudos. No labutar quotidiano em vossos serviços hospitalares e na clinica privada, haverá sempre muito que observar, relatar e comentar. E desse viver em Sociedade resultará sempre beneficio geral, ensinamentos, estimulo, progresso. Que nunca nos abandone o entusiasmo pelo trabalho, a fé nos destinos da Oto-Rino-Laringologia brasileira e, assim, em nossa esfera de ação teremos pugnado por um Brasil sempre maior." Devemos reconhecer que nem todos acharam oportunidade para essa assiduidade e colaboração, tão desejadas e pedidas por nós, naquela e em varias outras ocasiões. Ha alguns, ha mesmo muitos que se mantêm distantes e alheios a nossas atividades, quando certamente poderiam, por seus reconhecidos meritos, trazer-nos grande contribuição cientifica e realisadora. E' pena. Seriamos então maiores ainda, e mais fortes. Mas é grande nossa satisfação ao verificarmos que, a despeito de tantas ausencias, a Sociedade já tem em si suficientes elementos para uma atividade vigorosa e sempre crescente. Assume a Presidencia o Dr. Mauro Penna, inteligencia luminosa e aplicada, grande estudioso da Oto-Rino-Laringologia, moço já possuidor de um nome e de um passado cientifico taes que deixam antever o brilhante futuro que lhe está reservado. Teremos um Chefe, que levará certamente a Sociedade a bom destino.

Por ultimo, duas palavras de agradecimento. A primeira á Cruz Vermelha Brasileira, de cuja generosa hospitalidade continuamos a beneficiar, com a franquia que gozamos deste magnifico anfiteatro. A segunda aos dedicados colaboradores, Secretarios e demais auxiliares de Presidencia, cujo eficiente trabalho - muitas vezes exaustivo - permitiu levarmos a cabo as tarefas nem sempre faceis de um ano de multiplas atividades e a vós todos, consocios que cooperastes conosco. E ainda, por fim, deixae que, mais uma vez, proclame minha fé e minha crença nos destinos da Sociedade de Oto-Rino-Laringologia do Rio de Janeiro, fazendo vótos para que prossiga em sua trajetoria acendeste, sempre e cada vez mais engrandecida."

A seguir, deu a palavra ao 2.° Secretario, para a leitura do relatorio das principais ocurrencias do ano, que tinha o seguinte teôr:

"Meus Senhores. Não quiz a premencia do tempo que um relatorio mais extenso e mais completo fosse feito. O acúmulo de cargos traz, para quem não está á altura do menor deles, as dificuldades fataes ao que se aliam muita vez a premencia do tempo, como no caso presente. Muito realisou a Sociedade no ano Social que ora finda. Não será demais dizer que suas realisações vão crescendo, á proporção que os anos passam e que a experiencia lhe vem. Uma medida desde logo se impoz: o reajustamento do seu quadro social. Resolvida pela assembléia a aplicação do paragrafo 4.º do artigo 20, seu quadro social ficou assim constituido: 1) Socios Fundadores - Drs. Alvaro Tourinho, A. Caiado de Castro, Alcir Antonio Basilio, Aloysio Novis, Aristides Monteiro, Armando Pinto Fernandes, Alberto Ision Ponte, Alvaro Costa, Antonio Leão Veloso, Augusto Linhares, Archimedes Peçanha, Alvaro Dodsworth Machado, Carlos Costa Pereira, Chryso Fontes, Carlos Bruno, Belmiro Seabra Junior, Duarte Moreira, Ermiro de Lima, Ernani Werneck Passos, Estevão de Rezende, Francisco Eiras, Francisco Freire de Andrade, Francisco Bemfica Menezes, Georges da Silva, Germano Bento, Getulio José da Silva, Gladys Browne, Galdino Augusto Lima e Silva, Helio Hungria, Henrique Brito e Cunha, Homero Fernandes Carriço, Humberto Lauria, Ignacio Verissimo de Mello, João Cruz Guimarães, João Marinho, João Prado, Joaquim Azevedo Barros, João de Campos Gatti, João Souza Mendes, José Kós, Julio Vieira, José Julio Ferreira de Souza, Luiz Gonzaga Netto, Maurilo de Mello, Mauro Amaral Penna, Milton de Carvalho, Nicolino Mazziotti; Nelson Azevedo Alves, Paulo Brandão, Paulo Miranda, Raul David Sarison, Renato Machado, Rubem Amarante, Roberto Marinho Filho, Sebastião Capistrano Pereira, Waldemir Salém, Walter Benevides e Walter Muller dos Reis

2) Socios Efetivos - Drs. Alvaro Cardovil da Silveira, Fernando Linhares, Lily Lages, Octavio Amaral, Sylvio Mello, José Dunham, Pedro Block, Evaldo Mendonça Campos, Carlos Rohr Filho, Vinicius Ferreira Chaves, Sebastião Mesquita Azevedo, José Victor Rosa, Raul Castro Cunha e David Adler

3) Socios Correspondentes - Drs. Edgard Cerqueira Falcão, Nicolin-o Mazziotti, Lauro Porto, Pedro Cisoto, Augusto Prado Franco;

4) Socios Honorarios - Profs. Quix, Eliseu V. Segura, justo Alonso, Georges Portmann, Juan Manuel Tato, Paula Santos, Mangabeira Albernaz, Arthur Sã, Mario Ottoni de Rezende, Ildeu Duarte, Ivo Correia Meyer, Eduardo de Moraes, Affonso Ferreira e Clementino Fraga.

Durante o ano social, novas propostas para Socios vieram enriquecer nosso quadro social. Assim é que, foram propostos para Socios Efetivos, os Drs. Francisco Santiago Pereira, Soares Brandão, Joaquim Barbosa Figueiredo, Jeremias Martins, Clovis Pereira da Silva e Moacyr Baptista Pereira. Para Socios Correspondentes: Drs. Ivo Netto, Nicolas Caubarrére, José Lyra, Carlos Moraes e Gabriel Porto. Para Socio Honorario: Prof. Pedro Errecart.

Durante o ano social que ora finda, foram apresentadas 15 comunicações, uma conferencia e um film radiografico. Durante o corrente ano foi admitido um auxiliar de secretaria, acumulando a função de cobrador. Foram confecionados e distribuídos os diplomas de Socios. Em suas relações de colaboração com outras Sociedades, iniciou o Snr. Presidente o intercambio com a Sociedade Argentina de Oto-Rino-Laringologia, enviando, a pedido, um trabalho de sua autoria. Foram feitas demarches junto á Revista Brasileira de Oto-Rino-Laringologia para que constasse em seus exemplares a qualidade de orgão oficial da Sociedade, bem assim como a Diretoria que no momento regesse os destinos da Sociedade, e no Conselho Científico os nomes dos nossos ex-Presidentes. A Sociedade fez-se representar por uma Comissão na Conferencia Nacional de Defesa Contra a Sifilis. Foi realisada pelos membros da Sociedade uma visita ao Hospital Central da Marinha, Serviço de Oto-Rino-Laringologia, a convite do Dr. Pinto Fernandes. Entretanto, como realisação da maxima importancia, cumpre resaltar as demarches felizes feitas pelos nossos dois Presidentes, quando da realisação do Congresso Sul-Americano, reunido em Buenos Ayres. Ao Dr. Pinto Fernandes devemos a designação pelo Governo Brasileiro dos 3 representantes oficiais do nosso Pais ao referido Congresso. Ao Prof. Marinho o trabalho imenso e atividade dinamica que desenvolveu em pról da ida do maior numero possivel de especialistas patricios ao referido Congresso. Desse incansavel trabalho, resultou, sem duvida, o brilhantismo da representação brasileira.

Mais uma vez, ao encerrarmos outro ano de existencia, podemos ter a satisfação de constatar que a Sociedade enriqueceu seu acervo de realisações em pról do engrandecimento da Oto-Rino-Laringologia."

Não havendo quem mais desejasse usar da palavra, foi encerrada a sessão, precisamente às 21 horas e 2 5 minutos.
27a. sessão ordinaria - 9-10-1940

Presidida pelo Dr. Pinto Fernandes e secretariada pelos Drs. Walter Muller dos Reis e Homero Carriço. Compareceram: Prof. João Marinho, Drs. Alvaro Cordovil da Silveira, Vinicius Ferreira Chaves, David Adler, Duarte Moreira, Mauro Penna, Aristides Monteiro, Raul Castro Cunha, Georges da Silva, Milton de Carvalho, Sebastião Azevedo, Getulio da Silva e Paulo Brandão.

O Snr. Presidente agradece o comparecimento dos Drs. José Luiz Novaes, chefe da Secção de Oftalmologia do Serviço do Prof. Annes Dias e Nelson Mendes, chefe do Laboratorio do Centro Medico Pedagogico Oswaldo Cruz. Manda o Snr. Presidente que sejam distribuidas as cedulas para a votação, enquanto que o Snr. 3.° Secretario procede á leitura dos nomes dos Socios que, de acôrdo com o Regimento Interno e Estatutos, têm o direito do voto. Convida os Drs. Georges da Silva e Getulio Silva para escrutinadores. Procedida a apuração, depois de verificada a concordancia do numero de cedulas com o de votantes, constatou-se o seguinte resultado: Para segundo Vice-Presidente - Dr. Aristides Monteiro, nove votos; Dr. Paulo Brandão, um voto. Para Secretario Geral: Dr. Duarte Moreira, nove votos; Dr. Getulio Silva, um voto. Para Primeiro Secretario: Dr. Walter Muller dos Reis, nove votos; em branco, um voto. Para Segundo Secretario: Dr. Homero Carriço, dez votos. Para Terceiro Secretario: Dr. Sebastião Azevedo, nove votos; Dr. Raul Castro Cunha, um voto. Para Tesoureiro: Dr. Milton de Carvalho, nove votos; Dr. Humberto Lauria, um voto. Para Orador: Dr. Roberto Marinho Filho, dez votos. Para Bibliotecario: Dr. David Adler, dez votos. Comissão de Redação: Drs. Ermiro de Lima, Armando Pinto Fernandes e Capistrano Pereira, com dez votos cada um.

O Snr. Presidente augura um ano cheio de realizações a nova Diretoria, que declara empossada, dizendo-se satisfeito com a eleição.

Assume a Presidencia da sessão o Dr. Mauro Penna, tendo a sua direita o Snr. Presidente Honorario, Prof. João Marinho e o Snr. Primeiro Secretario, Dr. Walter Muller dos Reis e a sua esquerda o Snr. Segundo Secretario, Dr. Homero Carriço.

O Sn. Presidente pronuncia o seguinte discurso:

Snr. Presidente Honorario, Snrs. Consocios.

Estranhastes talvez, não vos ter siquer agradecido minha eleição para Primeiro Vice-Presidente desta Sociedade. E que me reservei para dirigir-vos a palavra, no momento de empossar-me na Presidencia, desde que minha eleição, nas condições em que se procedeu, correspondia de fáto, a este cargo.

Vou falar-vos, como de habito, com franqueza. já notou um observador que a franqueza emprega palavras certas, que, para tanto são simples, e por sua propria simplicidade não são guardadas com fidelidade sendo substituidas, tanto na memoria como na repetição, por sinonimia, muitas vezes passível de interpretação variada, a sabor da mentalidade de cada qual. E, um inconveniente perigoso, que não me atemorisa, pois, trasendo-as escritas, escritas ficarão para os que desejarem interpretá-las.

Não sou, por formação espiritual, individuo que se substitue mas procuro concienciosamente, não me sobrestimar. Assim, quando soube que, em uma reunião dos Diretores da Sociedade, de que participaram ex-Presidentes, meu nome havia sido lembrado como candidato á vaga que lamentavelmente se dera com a irrevogavel decisão do Primeiro Vice-Presidente, Dr. Duarte Moreira, não quiz aceitar a honrosa designação. A' insistencia do Dr. Pinto Fernandes, então Presidente, que considerou um dever moral, a minha aquiecencia, só acedi após cuidada análise, que desejo tornar conhecida aos meus dignos colégas.

Considero o cargo de Presidente da nossa Sociedade, um posto por demais honroso, que deveria, como tem sido até hoje, ser ocupado por especialistas bem representativos. Ora, não sou, no que diz respeito á atividade clinica, dos que possam pretender tal designação; nem tão pouco no que se relaciona com atividade hospitalar, tão modestos são os serviços que chefio; do mesmo módo, não o sou quanto á antiguidade e produção cientifica, pois, considero-me dos que principiam sua carreira. Taes razões impunham-me uma renuncia discréta. Si de um balanço surgisse um lado que me favorecesse, por maior que fosse a benevolencia do julgador, não cobriria o crédito a tão ponderoso débito. Assim, só me encontro aqui, neste momento, neste cargo, tendo tacitamente aceito o vosso sufragiu, obedecendo á intimação do nosso digno ex-Presidente, impondo-me o "dever moral", diante de uma "Situação de fato" da nossa Sociedade.

Afinal, qual é esta situação "de fato" da Sociedade?

Vou corajosamente analisá-la.

Se só o que existe é o passado, para ele temos de nos voltar buscando ensinamentos. E' para o passado da Sociedade que nos volvemos, e reconheçamos que ela já o tem e sua historia é muito honrosa.

Produto de um movimento de colaboração que surpreendeu a todos nós, por seu vulto, congregando quase uma centena de especialistas que se mostravam dispostos a sacrifícios de toda ordem, pelo progresso da oto-rino-laringologia na nossa cidade, nascia ha três anos, contando em seu seio os vultos de maior representação da classe.

Conduzidos os seus trabalhos pelo nosso benemerito Primeiro-Presidente, General Dr. Alvaro Tourinho, a quem devemos ter tido de logo uma sede e sala de sessões das melhores da Cidade, tivemos ocasião de assistir a trabalhos de grande valor cientifico. Tal era a vitalidade e energia de seus membros, que comemorou seu primeiro aniversario com a realisação do Primeiro Congresso Brasileiro de Oto-Rino-Laringologia, cujo exito e brilho invulgares até hoje são falados e por muito tempo o serão, taes os frutos científicos que deles resultaram.

Teve seu segundo ano de vida orientado pelo Prof. Ermiro de Lima, cheias suas sessões de comunicações de valor, entremeadas pelas primeiras decisões e medidas para a participação da Sociedade no Primeiro Congresso Sul-Americano de Oto-Rino-Laringologia, produto do Primeiro Congresso Brasileiro, nascido aqui, por vosso esforço.

Ao Dr. Armando Pinto Fernandes, coube conduzir os trabalhos no decurso do terceiro ano, período este dos mais árduos. Sua Senhoria enfrentou os problemas que se criaram com a aproximação do Congresso Sul-Americano com todas as suas dificuldades. Conseguiram, sua dedicação e seu elevado espirito de compreensão da nossa finalidade, transpor todos os obstaculos, colhendo seu premio, no brilhante êxito da atuação da delegação da Sociedade no Congresso do Prata.

Em sintese, nestes três anos a Sociedade nasceu, promoveu um brilhantissimo Congresso Nacional, de que resultou um Continental, em que sua delegação, como as demais do Paiz, teve papel brilhante. Desta atividade, resultou o renome da jovem Sociedade, primeiro no Paiz, depois no Continente, aí estão os ofícios das suas congeneres do Sul do Continente, insistindo por uma colaboração que só póde honrar-nos.

Tem portanto a Sociedade de Oto-Rino-Laringologia do Rio de Janeiro, motivo bastantissimo para orgulhar-se de seu passado.

A que devemos esta produção, esta projeção? Só ao trabalho de vós mesmos. Já distingui, citando os nomes, alguns dos nossos grandes homens, os Presidentes executivos, mas não posso de fórma alguma deixar de relembrar o que deve a Sociedade ao maior dentre todos, ao seu D. D. Presidente Honorario, Prof. João Marinho. Ele que vos tem acompanhado nesta arrancada heroica, prestigiando sempre vosso esforço de todo dia, com sua assídua presença, tomou sobre seus hombros a direção efetiva dos trabalhos da Sociedade em sua fáse mais dificil, em sua primeira prova publica - e todos nós estamos bem lembrados de como se desempenhou e, o quanto ganhamos de láureas que a ele exclusivamente cabiam. Não bastando o que lhe deviamos com a realisação do Congresso Brasileiro, no facilitar uma representação mais vultosa da Sociedade ao Sul-Americano, ampliou bastante o Prof. João Marinho, a divida de gratidão da Sociedade. Alegou S. Excia., ha algum tempo, o direito a repousar. Somos unanimes em reconhecer este direito, mas tambem unanimes em apelar para que S. Excia. transfira o quanto possivel o seu usufruto. Queremos ter todos os nossos grandes homens aqui, para que possamos clamar a todos os ventos, que a "Situação de fáto" da Sociedade de Oto-Rino-Laringologia do Rio de Janeiro é a que vemos - Uma grande vitória.

Porque nos preocupamos si houve entre nós quem tomasse a discussão - unico meio de se esclarecerem os problemas nas coletividades por dissenção. E a votação - unico meio de apurar a opinião predominante - como acinte pessoal?

Para aumentarmos as desilusões dos moços que crêm nos vocabulos colaboração, cooperação e outros mais?!

Basta que recordemos, nunca nos termos afastado dos nossos Estatutos e Regimento Interno, agindo sempre, dentro de seus dispositivos.

Ainda mais, que, forrados de razões, todos os nossos dirigentes em todos os periodos por que passamos, buscaram remover os obstaculos que impediam uma duradoura harmonia, dando publica demonstração de elevado sentido de camaradagem e colaboração.

A "Situação de fáto", portanto, resume-se numa vitória brilhante, na elevação da especialidade carioca e brasileira, por obra de um trabalho vigoroso e determinado de todos vós. E a nenhum de nós, cabe deixar de contribuir com todo o esforço possivel, para a manutenção dessa "Situação de fáto", e para torna-ia ainda mais gloriosa. Assim, talvez tenha tido razão, o meu carissimo coléga, Dr. Armando Pinto Fernandes, quando me fez sentir que era um dever moral aceitar a designação que tanto me distinguiu. E aceiteia-a, apesar de temer ser vencido por tão grande responsabilidade.

Espero sinceramente, ter de todos vós, que, em impulsos notaveis elevastes nossa Sociedade, em tão curto tempo, á situação de relêvo em que se encontra, o apoio de vossa presença, vossa contribuição continua e assidua aos nossos trabalhos. Quem tanto já fez, bem pode com um pouco mais, ajudar-me a levar com razoavel exito minha incumbencia a feliz término. E o meu apêlo.

O que vos prometo:

1.º - Cumprir a legislação da Sociedade;
2.º - Dentro das restrições de lei, trazer-vos o minimo possivel de questões administrativas ás sessões, por muito
incomodas que são quando tratadas em coletividade grande;
3.º - Incentivar com energia o intercambio com as Sociedades congeneres no Paiz e no Cotinente;
4.º - Procurar dar o maximo de pontualidade ás publicações dos trabalhos de nossa Sociedade, no seu orgão oficial,
Revista Brasileira de Oto-Rino-Laringologia;
5.º - Fazer estudar, de lógo, as falhas de nossa legislação atual, que já passou por três anos de experiencia, portanto,
já deu suas provas favoraveis ou não, para encaminhar sua reforma, logo que possivel;
6.º - Ter sempre em mente o quanto a Sociedade vos deve, obreiros que sois desta grande vitoria que ela representa,
procurando agir sempre com maxima isenção de animo, dentro do mais rigoroso espirito de justiça, sempre que
tiver a decidir casos omissos de nossa legislação.

E tudo o que posso oferecer-vos, esperando de vossa tolerancia, apoio e cooperação, certo que estou, de encontrar nos companheiros de Diretoria, outros grandes homens a acrescentar á lista já empreendida dos grandes da Sociedade de Oto-Rino-Laringologia do Rio de Janeiro.

Tenho dito.

A seguir, o Snr. Presidente informa que o Prof Marinho expuzera a idéa de trazer á Sociedade casos de consultorio, sem documentação bibliografica, sendo que já conta com alguns para a proxima sessão.

A sessão foi encerrada ás 23 horas.

28a. sessão ordinaria - 12-XI-1940.

Presidida pelo Dr. Mauro Perna e secretariada pelos Drs. Muller dos Reis e Homero Carriço. Compareceram: Drs. Juan Manuel Tato, Prof. João Marinho, Duarte Moreira, Pinto Fernandes, Milton de Carvalho, Roberto Marinho Filho, Bernardo Grabóes, Aristides Monteiro, Alberto Ponte, Sebastião Azevedo, Werneck Passos, George da Silva, Alvaro Tourinho, Ermiro de Lima, Aloysio Novis, Renato Machado, Alvaro Dodsworth Machado, Getulio Silva, Fernando Linhares, Nelson Azevedo Alves.

O Snr. Presidente dirige palavras de saudação ao Dr. Juan Tato, convidando-o a tomar parte da mesa. O Snr. Segundo Secretario lê as atas das sessões anteriores, que são aprovadas.

Expediente

Um convite da Sociedade Medica São Lucas, para uma missa em louvor a São Lucas, patrono dos medicos, no dia 12 p. passado (a Sociedade fez-se representar) ; uma carta do Dr. Paula Santos, agradecendo sua eleição para Socio Honorario; uma proposta para Socio Honorario do Dr. Juan Carlos Orégia; uma proposta para Socio Efetivo do Dr. Claudio Bardy. O Snr. Presidente acusa o recebimento de uma carta da Sociedade del Litoral, Republica Argentina, enviando um trabalho. Ainda no expediente foram tratadas as participações da Sociedade ás homenagens a serem prestadas ao Prof. João Marinho, por ocasião de seu jubileu professoral, ficando estabelecida a semana de 2 a 7 de Dezembro para suas realizações.

Ordem do dia:

1) Dr. Juan Manuel Tato - Procéde á projeção de um film sobre cirurgia plastica do nariz, técnica pessoal do Prof. Manuel Gonzalez Loza, de Rosario, Republica Argentina, executada pelo autor, tendo o Dr. Tato apresentado esquemas e explicações durante a projeção do referido film.

2) Dr. Juan Manuel Tato - Faz uma conferencia sobre uma nova técnica por si idealisada para acesso aos fócos de petrite apical anterior, com a conservação do ouvido medio. Trata-se de modificar as técnicas de Lempert e Ramadier, usando exclusivamente a parte baixa e anterior do ouvido medio, prévia desinserção da membrana timpanica. Usa a via trans-auricular de Lempert e, insinuando-se pelo osso timpanal, consegue expôr o joelho da carotida, seguindo então os demais tempos das operações referidas, que são classicas. Pela abertura ampla da bôca, o campo de ataque se torna bem largo. Declarou o conferencista, após brilhante apanhado historico sobre todas as técnicas de acesso ao apice do rochedo e exposição de diapositivos que esclareceram sua exposição que seus estudos sobre esta nova técnica, não passáram ainda do terreno da medicina operatoria e espera que, por sua simplicidade e seu objetivo de economia da audição, mereça atenção dos colegas que tenham casos em que se torne necessaria a drenagem do apice do rochedo e folgaria em ser cientifícado dos resultados que obtivessem.

Comentarios:

Snr. Presidente - Dirige palavras de agradecimento ao Dr. Tato pela sua colaboração e diz que a Sociedade está de parabens pela feliz oportunidade de ouvir mais uma vez tão ilustre conferencista e que muito lhe entusiasmou ouvir sua exposição, pois, a cirurgia do ouvido atualmente busca sempre a conservação fisiologica e pelos esquemas demonstrados como pela pouca experiencia que tem, realmente, não é senão a parte mais baixa anterior da caixa que necessariamente forma o campo de acesso quando a operação de Ramadier-Lempert-Tato, tão nitidamente exposta, é um passo para diante da cirurgia das petrites.

2) SOBRE UM CASO DE RINOSCLEROMA CURADO PELA ROENTGENTERAPIA - (presença da doente)
Dr. Georges da Silva..

Trata-se de uma paciente portadora de rinoscleroma diagnosticado clinicamente e confirmado pelo exame anatomo-patologico feito pelo Dr. Amadeu Filho. Obteve a cura pela roentgenterapia. Fez duas series, recebendo o donte a primeira 2.480 r, durante 50 dias e na segunda serie 1.280 r. Com 728 r fez uma leve eletro-coagulação para auxiliar somente a função respiratoria.

Comentarios:

Dr. Aristides Monteiro - Diz que, no Congresso realisado em São Paulo em 1926, o Snr. Prof. João Marinho levou casos de rinoscleroma do Hospital São Francisco de Assis, nos quais aplicára a roentgenterapia. Está com o Dr. Georges, em ser terapeutica antiga. Possue três casos.

Prof. João Marinho - Acha interessante a questão da raça, mas não se lembra ter visto a lesão localisada unicamente á cavidade nasal e sim propagando-se ao faringe e laringe. Na raça preta nada notava na boca. Diz que o Dr. Estevão de Rezende verificou num caso que a lesão não passava dos cornetos, dando a impressão ser apenas cutanea. Cita um caso em que a lesão teve inicio por traumatismo. Fez tambem tratamento pela roentgenterapia, parecendo ter sido idéia do Prof. Terra o emprega da roentgenterapia no seu caso (1914).




3) UM CASO GRAVE DE NEVRITE DO PLEXO BRAQUIAL POR INFEÇÃO FOCAL
Dr. Diney Ether (Apresentado pelo Dr. Homero Carriço)

O autor apresenta um caso de nevrite do plexo braquial em individuo adulto do sexo masculino, que, datando de 4 mezes, após resfriado e angina, apresentara dôres reumaticas na articulação escapulo-humeral direita, seguidas de atrofia muscular e anestesia da região. Os movimentos de abdução e rotação do braço eram impossiveis. O exame revelou fócos dentarios extensos á radiografia e amigdalite cronica purulenta. Foram feitos tests amigdalianos de Alonso e Vigo Schmidt. Quarenta e cinco dias após o inicio das extrações dentarias, a movimentação do braço havia melhorado e em dois mezes a amplitude dos movimentos normalisava-se com o aparecimento de sensibilidade na zona doente. Procedeu á amigdaletomia pela técnica de Sluder. O doente teve alta apenas com ligeira atrofia do deltoide. (Foram expostas radiografias dentarias e fotografias do doente).

Comentarios:

Dr. Aristides Monteiro - Ha anos apresentou dóres que se irradiavam para o braço, articulação escapulo-humeral e omoplata aumentando de intensidade e resistente a analgesicos, ondas curtas, calôr, etc. Procurou então um dentista para fazer radiografias de todos os dentes que revelaram duas sombras nas raizes do segundo grosso molar superior esquerdo que, retirado, foram verificados dois pequenos cistos, um deles cheio de liquido sero-purulento. A cultura acusou presença de streptococus. Vacina e cura definitiva em 15 dias.

Dr. Alberto Ponte - Comunica que teve um caso em colaboração com Dr. Castro Barreto, de nevrite do plexo braquial por fóco amigdaliano, curado após amigdaletomia.

O Snr. Presidente - Tece comentarios sobre o trabalho do Dr. Diney Ether.

4) CASO DE CONSULTORIO
Prof. João Marinho.

Apresenta um caso de sinusite maxilar de origem dentaria, datando de 3 anos. Abcesso dentario em comunicação com o antro; operado pelo Caldwell-Luc. Um ano após, é procurado pelo doente, pois, ultimamente voltara-lhe o máu cheiro e alguma secreção. Havia comprometimento do seio maxilar sem lesão do frontal, etmoide ou mesmo esfenoide. Puncionou o seio maxilar, mas, após haver feito varias tentativas, repetindo as punções, não conseguiu fazer passar a agua pelo enema. Sentiu-se embaraçado com o doente e desistiu de seu intento. Mais tarde verificou a
causa do insucesso: havia entupimento da valvula do enema por cloreto de sódio proveniente das dezenas ou centenas de lavagens anteriores, com solução fisiologica. Este fato foi que o levou a trazer o caso á Sociedade, assim como a presença de sinusite maxilar datando de 3 ou 4 anos sem que houvesse comprometimento do frontal ou etmoide, comprovado por radiografias e até tomografias, contrariando a opinião de Luc, Pietrantoni, Ermiro de Lima e sua propria.

5) CASO DE CONSULTORIO - Dr. Aristides Monteiro.

Apresenta um caso de traumatismo timpanico por introdução subita de canudo de papel feita por um colega, em rapaz de 13 anos de idade, estudante. Examinou o doente no mesmo dia do acidente (10 de Setembro). Dores fortes e otorragia abundante, contusão na parede posterior do conduto auditivo externo que, por azar do paciente, era reto e bem largo. Coagulo no fundo do conduto que foi conservado. Receitou anti-nervalgicos, saco quente no pavilhão da orelha. Vinte e quatro horas após, já parada a otorragia, o autor retirou o coagulo e verificou ferida timpanica de labios unindo-se em V de base voltada para cima nos quadrantes posteriores, mais no inferior. Foi recomposto o timpano. Dois dias depois, algumas dores e surdez mais acentuada. O autor avivou os bordos da ferida timpanica com acido tricloroacetico. Examinou o doente quando completavam 14 dias após o trauma, notando perfuração riniforme do timpano, no quadrante posteroinferior. A audiometria revelou acentuada modificacão da audição. Curativos com acido tricloroacetico nos bordos da perfuração de 3 em 3 dias. Dentro de 10 dias, a grande perfuração achava-se reduzida a 3 pequenos orificios puntiformes que desapareceram após mais 20 dias voltando o timpano á normalidade. O que lhe chamou a atenção para o caso foi a rapida regeneração do timpano, dado o tamanho da perfuração não acreditando na ação do acido tricloroacetico.

Inscrevem-se para apresentação de casos de consultorio na proxima sessão, os Drs. Prof. João Marinho, Mauro Penna, Alberto Ponte e General Alvaro Tourinho.

O Snr. Presidente dirige palavras de agradecimento ao Dr. Tato pela sua presença e brilhante contribuição cientifica á sessão. Agradece tambem ao Dr. Mauro Fróes de Abreu que cedeu gentilmente o aparelho para projeção de films.

A sessão é encerrada às vinte e três horas e vinte minutos.




(1) Trabalho publicado na Revista Brasileira de O R L - Vol. 8 - Maio-Junho - N.º 3, 1940.
(2) Trabalho publicado na Revista Brasileira de O R L - Vol. 8 - Julho-Agosto - N.º 4 - 1940.
(3) Trabalho publicado na Revista Brasileira de O R L - Vol. 8 - Maio-Junho - N.º 3 - 1940.
(4) Trabalho publicado na Revista Brasileira de O R L - Vol. 8 - Set-Out. - N.º 5, 1940.
(5) Trabalho publicado na Revista Brasileira de O.R.L. - Vol. VIII - N.º- 6 - Nov-Dez. 1940.
(6) Trabalho publicado na Revista Brasileira de O.R.L. - Vol. VIII - N.º - 6 - Nov-Dez. 1940.

Imprimir:

BJORL

 

 

 

 

Voltar Voltar      Topo Topo

 

GN1
All rights reserved - 1933 / 2022 © - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial