Versão Inglês

Ano:  1984  Vol. 50   Ed. 4  - Outubro - Dezembro - ()

Seção: Relato de Casos

Páginas: 36 a 39

 

ECTOPIA DENTÁRIA INTRANASAL

Autor(es): NEIDE FÁTIMA CORDEIRO DE OLIVEIRA -1
MAURÍCIO SÃO TIAGO FULGÊNCIO -2
JOÃO JOSÉ DE CASTRO -2
JAOR WERNER DE MENEZES -2

Introdução

Apresentamos dois aspectos da ectopia dentária: o desenvolvimento real de um dente em posição anômala, constituindo ectopia verdadeira, e a simulação radiológica do fato em estudos de rotina do cavum. A erupção dentária é determinada essencialmente por fatores genéticos, na sua época de início e seqüência. Há, inclusive, modelos próprios para certos grupos raciais, típicos de sua estrutura de genes.

A influência de fatores nutricionais parece ser pouco importante. Sua conseqüência na calcificação e erupção dos dentes aparece apenas nos desvios extremos da variação nutricional.

O padrão de desenvolvimento dentário, geneticamente determinado, pode, no entanto, ser alterado por distúrbios mecânicos e processos patológicos localizados.

Dentes ectópicos se desenvolvem fora de sua posição normal. Diferem dos impactados, que não irromperam por algum impedimento, quase sempre de natureza mecânica. Encontrados em posição ectópica, são quase sempre o primeiro molar permanente e o canino superiores.

Ectopia dos primeiros molares superiores está associada com:

a) dentes decíduos e permanentes volumosos;
b) reduzido comprimento do arco superior;
c) posicionamento posterior da maxila;
d) ângulo de posição atípico do primeiro molar.

Dentes intranasais

O desenvolvimento ectópico para dentro da fossa nasal pode levar a quadros variados: dentes únicos, múltiplos, primários, permanentes ou supranumerários. Ocorrem em molares, pré-molares, incisivos e caninos. A causa final desta erupção anormal permanece desconhecida. Alguns fatores Pubalho realizado na Clínica de parecem conduzir à erupção dentária na cavidade nasal: união incompleta dos processos embrionários como nos cistos dermóides, odontogênese aberrante, supranumerária, osteomielite da maxila.

Descrição de casos

Caso 1 - E.G., 48 anos, médico, há anos queixava-se de obstrução nasal mais acentuada à direita com progressão recente. Há cerca de seis meses começou a notar massa endurecida ao toque na narina direita e epistaxes repetidas. À rinoscopia anterior encontramos massa esbranquiçada, saliente no terço anterior da fossa nasal direita, recoberta de mucosa lisa sem reação inflamatória apreciável. Ao toque com estilete demonstrou consistência pétrea. Fizemos estudo radiológico com perfil simples de face (Fig. 1) e oclusal do palato ósseo (Fig. 2) que demonstraram massa de densidade óssea. Feita a hipótese de dente intranasal, realizou-se a remoção cirúrgica sob anestesia local com infiltração de lidocaína após pré-anestésico. O material foi descolado com facilidade abaixo da mucosa nasal, visto estar mais justaposto que implantado no osso maxilar subjacente.



Figura 1



Figura 2




Ao exame, revelou ser um canino completo. A remoção foi suficiente para a resolução do quadro sintomático, permanecendo sem queixas um ano após a cirurgia.

Caso 2 - R.C., três anos, masculino, foi trazido ao consultório para avaliar quadro de obstrução nasal. Em seu estudo incluímos RX de cavum que revelou grande massa de consistência óssea, aparentemente emergindo do terço posterior da fossa nasal (Fig. 3). Parecia tratar-se de ectopia dentária intranasal. Entretanto nova incidência, agora em mento-naso, revelou germes dentários em posição anatômica (Fig. 4). A partir deste caso observamos esta superposição de imagens em vários estudos radiológicos de cavum e perfil cervical ou de face. A simulação da presença ectópica de dente intranasal é freqüente. Deve-se, portanto, estar alerta para esta possibilidade,
evitando semelhante interpretação.



Figura 3



Figura 4



Referências

1. ZIZMOR, J. - An atlas of otolaryngologic radiology. W.B. Saunders Co., Philadelphia, 1978. 2. JOHNSON, A.P. - A case of intranasal tooth. Journal of Laryngol. OtoL, 95:1277-9, 1981.
3. DAYAL, P.K. et al. - Eruption of a tooth ínto the nasal cavity due to osteomyelitis. Journal of Laryngol. Otol., 95:509-12, 1981.
4. KUROL, J. et al. - Ectopia eruption of maxillary first permanent mollars; famílial tendencies. ASDCJ Dent. Child, 49: 35-8, 1982.
5. McDONALD, R.E. - Odontopediatria. Ed. Guanabara Koogan, W ed., 1979. 6. MAYERS, R.E. - Ortodontia. Ed. Guanabara Koogan, 3? ed., 1979.




Endereço do autor
DR. MAURICIO SÃO TIAGO FULGÊNCIO Rua Monte Negro, 86
30000 - Belo Horizonte - MG

1 - R2 da Clínica de ORL da UFMG
2 - Professores Assistentes

Imprimir:

BJORL

 

 

 

 

Voltar Voltar      Topo Topo

 

GN1
All rights reserved - 1933 / 2022 © - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial